Cartilha educativa: enfrentamento a violência contra crianças e adolescentes

John Carlos de Souza Leite, Vinícius Rodrigues de Oliveira, Maria do Socorro Vieira Lopes, Grayce Alencar Albuquerque

Resumo

Objetivou-se descrever o processo de construção de uma cartilha educativa para qualificação de Agentes Comunitários de Saúde no enfrentamento à violência doméstica contra crianças e adolescentes. Trata-se de um estudo metodológico, execultado através do levantamento de dados mediante revisão integrativa da literatura e realização de grupos focais que culminou na elaboração do material educativo. Os resultados foram apresentados e discutidos com base nas fases: I) revisão integrativa que contou com uma amostra de 15 estudos; II) grupos focais que tiveram a participação de 68 Agentes Comunitários de Saúde; III) elaboração da cartilha que levou em consideração as fases anteriores e a teoria da autoeficácia.  O estudo não tem a pretensão de esgotar a abordagem sobre violência doméstica contra crianças e adolescentes, mas auxiliar no enfrentamento da mesma, através da qualificação de uma classe de profissionais de saúde atuantes na Atenção Primária à Saúde.

Descritores: Violência Doméstica, Defesa da Criança e do Adolescente, Agentes Comunitários de Saúde.

 

Educational booklet: confronting violence against children and adolescents

Abstract: The aim is to describe the process of building an educational booklet for the qualification of Community Health Agents in combating domestic violence against children and adolescents This is a methodological study, carried out through data collection through an integrative literature review and the realization of focus groups that culminated in the elaboration of educational material. The results were presented and discussed based on the phases: I) integrative review that included a sample of 15 studies. II) focus groups that had the participation of 68 Community Health Agents: III) elaboration of the booklet that took into account the previous phases and the theory of self-efficacy. The study does not intend to exhaust the approach on domestic violence against children and adolescents, but to assist in coping with it, through the qualification of a class of health professionals working in Primary Health Care.

Descriptors: Domestic Violence, Child Advocacy, Community Health Workers.

 

Folleto educativo: enfrentando la violencia contra la niñez y la adolescencia

Resumen: Describir el proceso de construcción de un folleto educativo para la calificación de Agentes Comunitarios de Salud en el abordaje de la violencia intrafamiliar contra niños y adolescentes. Se trata de un estudio metodológico, realizado atraves de la recolección de datos de una revisión integradora de la literatura y la realización de grupos focales que culminaron en la elaboración de material educativo. Los resultados fueron presentaron y discutieron en base a las fases: I) revisión integradora que incluyó una muestra de 15 estudios; II) grupos focales con la participación de 68 Agentes Comunitarios de Salud; III) elaboración del folleto que tuvo en cuenta las fases anteriores y la teoría de la autoeficacia. El estudio no pretende agotar el abordaje sobre la violencia intrafamiliar contra los niños y adolescentes, sino ayudar a enfrentarla, mediante la calificación de una clase de profesionales de la salud que laboran en Atención Primaria de Salud.

Descriptores: Violencia Doméstica, Defensa de Niños y Adolescentes, Trabajadores comunitarios de salud.

Texto completo:

PDF

Referências

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec. 2002.

Souza GSL, Ribeiro, MRR. Construção de manual sobre cirurgia segura para profissionais de saúde. Cogitare Enferm. 2017; 22(1):01-05.

Nespoli G. Os domínios da Tecnologia Educacional no campo da Saúde. Interface (Botucatu). 2013; 17(47):873-84.

Maia JN, Ferrari RAP, Gabani FL, Tacla MTGM, Reis TB, Fernandes, MLC. Violência contra criança: cotidiano de profissionais na atenção primária à saúde. Rev Rene. 2016; 17(5):593-601.

Cezar PK,Arpini DM, Goetz, ER. Registros de notificação compulsória de violência envolvendo crianças e adolescentes. Psicol Cienc Prof. 2017; 37(2):432-445.

Rocha NHN, Bevillacqua PD, BarlettoM. Metodologias participativas e educação permanente na formação de agentes comunitários/as de saúde. Trab Educ Saúde. 2015; 13(3):597-615.

Vallegas AB, Souza AC, Sanches LS, Alves LA. A educação permanente em saúde no processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde. RSD. 2020; 9(4):e129942962.

Albuquerque AFLL, Pinheiro AKB, Linhares FMP, Guedes TG. Tecnologia para o autocuidado da saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):1164-1171.

Guimarães EMP, Godoy, SCB. Educação permanente: uso das tecnologias de informação e comunicação como ferramenta para a capacitação profissional. REME. 2008; 12(4):451.

Barros M, Batista ACS. Por dentro da autoeficácia: um estudo sobre seus fundamentos teóricos, suas fontes e conceitos correlatos. Rev Espaço Acadêmico. 2010; 10(112):1-9.

Lacal, PLP. Teorías de bandura aplicadas al aprendizaje. Innovacion y experiencias educativas. 2009; 54:1-8.

Bandura A. A Self-efficacy: toward a unifying theory of behavioral change. Psychol Rev. 1977; 84(2):191-215.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 9. ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.

Echer IC. Elaboração de manuais de orientação para o cuidado em saúde. Rev Latino-am Enferm.2005; 13(5):754-7.

Backes DS, Colomé JS, Erdmann RH, Lunardi VL. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. Mundo Saúde. 2011; 35(4):438-442.

Bandura, A. Perceived self-effi cacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist. 1993; 28(2):117-148.

Carlos DM, Pádua EMM, Ferriani MG. Violência contra crianças e adolescentes: o olhar da atenção primária à saúde. Rev Bras Enferm. 2017; 70(3):537-544.

Dosari MS, Ferwana M, Addulmajeed I, Aldrossari KK, AL-ZAHRANI, JM. Parent’s perceptions about child abuse and their impacto on physical and emotional child abuse: a study from primary health care centers in Riyadh, Saudi Arabia. J Family Community Med. 2017; 24(2):79-85.

Porto RTS, Bispo Júnior JP, Lima EC. Violência doméstica e sexual no âmbito da estratégia saúde da família: atuação profissional e barreiras para o enfrentamento. Rev Saúde Coletiva. 2014; 24(3):787-807.

Ramos MLC, Silva AL. Estudo sobre violência doméstica contra a criança em unidades básicas de saúde do município de São Paulo - Brasil. Saúde Soc. 2011; 20(1):136-146.

Moreira GAR, Vieira LJES, Derlandes SF, Pordeus MA, Gama IS, Brilhante AVM. Fatores associados à notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na atenção básica. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(10):4267-4276.

Andrade EM, Nakamura E, Paula CS, Nascimento R, Bordin IA, Martin D. A visão dos profissionais de saúde em relação à violência doméstica contra crianças e adolescentes: um estudo qualitativo. Saúde Soc. 2011; 20(1):147-155.

Egry EY, Apostólico MR, Morais TCP, Lisboa CCR. Coping with child violencein primary care: how do professionals perceive it? Rev Bras Enferm. 2017; 70(1):113-19.

Apostólico MR, Hino O, Egry EY. As possibilidades de enfrentamento da violência infantil na consulta de enfermagem sistematizada. Rev Esc Enferm. 2013; 47(2):320-327.

Talsma M, Brstrom KB, Ostberg AL. Facing suspected child abuse – what keeps swedish general practitioners from reporting to child protective services? Scand J Prim Health Care. 2015; 33(1):21-26.

Moreira MF, Nóbrega MML, Silva MIT. Comunicação escrita: contribuição para elaboração de material educativo em saúde. Rev Bras Enferm. 2003; 56(2):184-188.


Visualizações do PDF:

9 views


Visualizações do Resumo:

17 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud