Repercussões físicas e psicológicas na vida de mulheres que sofreram violência obstétrica

Brenda Freitas Pontes, Jane Baptista Quitete, Daniela Matos de Oliveira, Maithê de Carvalho e Lemos Goulart, Isabel Cristina Ribeiro Regazzi, Virgínia Maria de Azevedo Oliveira Knupp

Resumo

Descrever as repercussões da violência obstétrica na vida de mulheres que pariram em uma maternidade pública do município de Rio das Ostras/RJ. Pesquisa descritiva com abordagem qualitativa, realizada em 2016, com oito mulheres que pariram em uma maternidade pública do município de Rio das Ostras/RJ. Utilizou-se entrevista semiestruturada, tendo como pergunta norteadora: “Fale-me como foi seu trabalho de parto e o seu parto e quais as repercussões deste na sua vida?”. Os depoimentos foram tratados por análise de conteúdo. O parto vivido pelas participantes foi repleto de violência obstétrica, configurando duas categorias temáticas: repercussões físicas e psicológicas. As repercussões físicas foram a incontinência urinária e dificuldade no retorno a vida sexual. As repercussões psicológicas foram estresse pós-traumático, dificuldades na relação mãe e filho e formação do vínculo materno, dificuldades na amamentação. Evidencia-se a necessidade de qualificar os profissionais de saúde que assistem mulheres durante o parto, com subsídios das evidências científicas.

Descritores: Violência Contra a Mulher, Parto, Direitos Sexuais e Reprodutivos, Enfermagem Obstétrica.

 

Physical and psychological repercussions in the lives of women who have suffered obstetric violence

Abstract: To describe the repercussions of obstetric violence in the lives of women who gave birth in a public maternity hospital in the city of Rio das Ostras / RJ. Descriptive research with a qualitative approach, conducted in 2016, with eight women who participated in the public maternity hospital in the city of Rio das Ostras / RJ. The semi-structured interview was used, with the guiding question: “Tell me about your labor and delivery and what are the repercussions of your life?”. The testimonials were created by content analysis. The set experienced by the participants was replaced by obstetric violence, configuring two thematic categories: physical and psychological repercussions. The physical repercussions were urinary incontinence and difficulty in returning to sexual life. The psychological repercussions were post-traumatic, difficulties in the mother-child relationship and formation of the maternal bond, difficulties in breastfeeding. It is evident the need to qualify health professionals who assist women during childbirth, with subsidies from clinical sciences

Descriptors: Violence Against Women, Childbirth, Sexual and Reproductive Rights, Obstetric Nursing.

 

Repercusiones físicas y psicológicas en la vida de mujeres que han sufrido violencia obstétrica

Resumen: Describir las repercusiones de la violencia obstétrica en la vida de las mujeres que dieron a luz en un hospital público de maternidad en la ciudad de Rio das Ostras/RJ. Investigación descriptiva con enfoque cualitativo, realizada en 2016, con ocho mujeres que participaron en el hospital público de maternidad en la ciudad de Rio das Ostras/RJ. Se utilizó la entrevista semiestructurada, con la pregunta orientadora: “¿Cuéntame sobre tu trabajo de parto y parto y cuáles son las repercusiones de su vida?”. Los testimonios fueron creados por análisis de contenido. El conjunto experimentado por los participantes fue reemplazado por violencia obstétrica, configurando dos categorías temáticas: repercusiones físicas y psicológicas. Las repercusiones físicas fueron incontinencia urinaria y dificultad para volver a la vida sexual. Las repercusiones psicológicas fueron postraumáticas, dificultades en la relación madre-hijo y formación del vínculo materno, dificultades en la lactancia. Es evidente la necesidad de calificar a los profesionales de la salud que ayudan a las mujeres durante el parto, con subsidios de las ciencias clínicas.

Descriptores: Violencia Contra la Mujer, Parto, Derechos Sexuales y Reproductivos, Enfermería Obstétrica.

Texto completo:

PDF

Referências

Diniz, SG et al. Abuse and disrespect in childbirth care as a public health issue in Brazil: origins, definitions, impacts on maternal health, and proposals for its prevention. Journal of Human Growth and Development. 2015; 25(3):377-384.

Jardim DMB, Modena CM. A violência obstétrica no cotidiano assistencial e suas características. Rev Latino Am Enferm. 2018; 26:3069.

Telo SV, Witt RR. Saúde sexual e reprodutiva: competências da equipe na Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2018; 23(11):3481-3490.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. (Cadernos de Atenção Básica, n. 26). Brasília: Ministério da Saúde. 2010; 300.

Ministério da Saúde. Direitos sexuais e reprodutivos: uma prioridade do governo. Disponível em: . Acesso em: 04 de nov. 2017.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. (Cadernos de Atenção Básica, n. 26). Brasília: Ministério da Saúde. 2010; 300.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde da Mulher. Princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde. 2007.

Nascimento LC, et al. Relato de puérperas acerca da violência obstétrica nos serviços públicos. Rev Enferm UFPE online. 2017; 11(5):2014-23.

Rodrigues, DP, et al. A violência obstétrica no contexto do parto e nascimento. Rev Enferm UFPE Online. 2018; 12(1):236-46.

Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2017.

Moura RCM, et al. Cuidados de enfermagem na prevenção da violência obstétrica. Enferm Foco. 2018; 9(4):60-65.

Silva FLS, Siqueira AL, Leite CDB. Reflexões sobre as agressões causadas ao psicológico materno pela violência obstétrica: um estudo de revisão integrativa. Rev Uningá. 2019; 56(1)159-171.

Zorzam B. Direito das mulheres no parto: conversando com profissionais da saúde e do direito / Bianca Zorzam, Priscila Cavalcanti. 1. ed. São Paulo: Coletivo Feminista de Sexualidade e Saúde. 2016.

Goodman LA. Snowball Sampling. Ann. Math. Statist. 1961; 32(1):148-70.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2011. Bardin L. Análise de conteúdo. Tradução de Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70/Livraria Martins Fontes. 1979.

Zanardo, GLP et al. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade. 2017; 29(155043).

Fiocruz. Nascer no Brasil. Brasília (DF) 2014. Disponível em: . Acesso em 21 jun 2019.

Alves AMA, Cirqueira RP. Sintomas do vaginismo em mulheres submetidas à episiotomia. Rev Mult. 2019; 13(43)329-339.

Carvalho IS, Brito RS. Formas de violência obstétrica vivenciadas por puérperas que tiveram parto normal. Rev Enfermería. 2017; 16(47):71-97.

Mccalman J, et al. Empowering families by engaging and relating Murri way: a grounded theory study of the implementation of the Cape York Baby Basket program. BMC Pregnancy and Childbirth. 2015; 15(119)1-13.

Odent M. O renascimento do parto. Tradução de Roland B. Calheiros. Florianópolis (SC): Saint-Germain. 2002.

Silva FM, Silva ML, Araújo FNP. Sentimentos causados pela violência obstétrica em mulheres de Município do Nordeste Brasileiro. Rev Pre Infec Saúde. 2017; 3(4):25-34.

Maia JS, et al. A mulher diante da violência obstétrica: consequências psicossociais. Rev Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 2018; 11, 07(11).

Safe prevention of the primary cesarean deliveryObstetric Care Consensus No. 1.American College of Obstetricians and Gynecologists. Obstet Gynecol. 2014; 123:693–711.

Rezende J. Montenegro CAB. Obstetrícia. 13a edição. Guanabara Koogan. 2016.


Visualizações do PDF:

9 views


Visualizações do Resumo:

17 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud