Conhecimento da enfermagem sobre as práticas integrativas e complementares

Aline Silva Martins, Deyvid Ferreira Santos, Giulia Oliveira Camacho Ribeiro, Juliana Prudente Santos, Eduardo Sodré de Souza

Resumo

Identificar como as Práticas Integrativas e Complementares participam do processo de trabalho da enfermagem. Utilizou-se como estratégia de estudo, revisão integrativa da literatura. Obteve-se uma amostra de 8 artigos, sendo eles: pesquisa qualitativa, seguido de ensaio clínico controlado e pesquisa quantitativa, publicados em maior quantidade no Rio de Janeiro e Paraíba. Foram utilizadas 3 categorias: dimensão interpessoal do cuidado por meio das PICS, processo de enfermagem e as PICS e dimensão educativa e ampliação de perspectivas sobre o cuidado. E 3 subcategorias: educação em saúde; recomendações sobre as PICS e mudança e ampliação da perspectiva. Evidenciou-se que os enfermeiros que utilizam as práticas relatam diversos benefícios entre enfermeiro-paciente. Por isso é importante o interesse da enfermagem em relação ao uso das práticas alternativas.

Descritores: Cuidados de Enfermagem, Terapias Complementares, Enfermagem.

 

Nursing knowledge about integrative and complementary practices

Abstract: To identify how the Complementary and Integrative Practises participate in the nursing's work process. The strategy used was an integrative review of the literature. A sample with 8 articles was obtained, using qualitative research, a controlled and randomized clinical trial and quantitative research published mainly on Rio de Janeiro and Paraíba. 3 categories were established: Interpersonal Dimension of care through PICS; Nursing Process and the PICS and educative dimension and extension of caring perspectives. And 3 subcategories: Education on Health; Recommendations about the PICS and Adjustment and extension of the perspective. Nurses using the practises on their routine report benefits on the nurse-pacient relationship. That's why it's important to show interest in the practises that can be more used in the attitudes of nurses.

Descriptors: Nursing Precautions, Complementary Therapy, Nursing.

 

Conocimiento de enfermería sobre prácticas integradoras y complementarias

Resumen: Identificar cómo las Prácticas Integradoras y Complementarias participan del proceso de trabajo de la enfermería. Se utilizó como estrategia de estudio, revisión integrativa de la literatura. Se obtuvo una muestra de 8 artículos, siendo: investigación cualitativa, seguido de ensayo clínico controlado e investigación cuantitativa, publicados en mayor cantidad en Rio de Janeiro y Paraíba. Se utilizaron 3 categorías: dimensión interpersonal del cuidado por medio de las PIC, proceso de enfermería y las PIC y dimensión educativa y ampliación de perspectivas sobre el cuidado. Y, 3 subcategorías: educación en salud; recomendaciones sobre PICS y cambio y ampliación de la perspectiva. Se evidenció que los enfermeros que utilizan las prácticas relatan diversos beneficios entre enfermero-paciente. Por eso es importante el interés de la enfermería en relación al uso de las prácticas alternativas.

Descriptores: Cuidado de Enfermería, Terapias Complementarias, Enfermería.

Texto completo:

PDF

Referências

Brasil, Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde MS, São Paulo, SP, 05 maio. 2006; Página 1; Disponível em: .

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. 2008; 759.

Jales RD, Nelson ICA, Solano LC, Oliveira KKD. Conhecimento e implementação das práticas integrativas e complementares pelos enfermeiros da atenção básica. Rev Online Pesq Cuidado é Fundamental. 2020; 810-812.

Soares DP, Coelho AM, Silva LEA, Silva RJR, Figueiredo CR, Fernandes MC. Política nacional de práticas integrativas e complementares em saúde: discursos dos enfermeiros da atenção básica. Rev Enferm Centro-Oeste Mineiro. 2019.

Beulke SL, Vannucci L, Salles LF, Turrini RNT. Reiki no alívio de sinais e sintomas biopsicoemocionais relacionados à quimioterapia. Rev Cogitare Enferm. 2019.

Soares DP, Coelho AM, Silva LEA, Silva RJR, Figueiredo CR, Fernandes MC. Fatores intervenientes das práticas integrativas e complementares em saúde na atenção básica pelos enfermeiros. Rev Enferm Atenção Saúde. 2019.

Nascimento MC, Romano VF, Chazan ANC, Quaresma CH. Formação em práticas integrativas e complementares em saúde: desafios para as universidades públicas. Rev Trabalho, Educação Saúde. 2018.

Matos PC, Laverde CR, Martins PG, Souza JM, Oliveira NF, Pilger C. Práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde. Rev Cogitare Enferm. 2018.

Melo SCC, Santana RG, Santos DC, Alvim NAT. Práticas complementares de saúde e os desafios de sua aplicabilidade no hospital: visão de enfermeiros. Rev Bras Enferm. 2013; 843-844.

Santos LF, Cunha AZS. A utilização de práticas complementares por enfermeiros do Rio Grande do Sul. Rev Enferm UFSM. 2011; 372.

Sampaio LRF, Filho ADS, Simioni CD, Sampaio T, Rodrigues AG, Lima L, et al. Atitude de ampliação do acesso. Brasília. Ministério da Saúde. 2006; 1° Edição: 9. Disponível em: . Acesso em 5 dez 2020.

Matos CA, Daltro FF, Henriques JM, Franças JRMD, Muniz MBDS, Lima MADD, et al. SUS princípios e conquistas. Brasília. Ministério da Saúde. 2000. Disponível em: . Acesso em 5 dez 2020.

Enfermagem em Números: quantitativo de profissionais por regional. 2020. Enfermagem em Números. Disponível em: . Acesso em 5 dez 2020.

Mendes DS, Moraes FS, Lima GO, Silva PR, Cunha TA, Crossetti MGO, et al. Benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem. Journal Health NPEPS. 2019; 308.

Pontes AC, Leitão IMT, Ramos IC. Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado. Rev Bras Enferm. 2007; 314.

Azevedo C, Moura CC, Corrêa HP, Mata LRF, Chaves ECL, Chianca TCM. Práticas integrativas e complementares no âmbito da enfermagem: aspectos legais e panoramas acadêmico-assistencial. Esc Anna Nery. 2019; 3.

Silva EGC, Oliveira VC, Neves GBC, Guimarães TMR. O conhecimento do enfermeiro sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem: da teoria à prática. Pernambuco. Rev Esc Enferm USP. 2011; 1381.

Oliveira HM, Gonçalves MJF. Educação em Saúde: uma experiência transformadora. Rev Bras Enferm. 2004; 761.

Pontes RAD. Educação em Saúde e Práticas Integrativas. Ceará - Brasil: Secretaria da Educação. 2018. Disponível em: . Acesso em 5 dez 2020.

Júnior ET. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. São Paulo. Rev Estudos Avançados. 2016; 101-102.

Pinto HA, Cavalcanti FOL, Rodrigues AG, Silva MAS, Teixeira RS, Brito AS, et al. Política Nacional de práticas integrativas e complementares no SUS. 2ªth ed. Brasília - Brasil: Ministério da Saúde; 2015. Disponível: . Acesso em 5 dez 2020.


Visualizações do PDF:

4 views


Visualizações do Resumo:

35 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud