Representações sociais da AIDS de pessoas vivendo com HIV assistidos na atenção primária à saúde

Sergio Corrêa Marques, Denize Cristina de Oliveira, Isadora Siqueira de Souza, Hellen Pollyanna Mantelo Cecílio, Renata Lacerda Marques Stefaisk

Resumo

Analisar as representações sociais da aids de pessoas vivendo com HIV atendidas em três centros municipais de saúde. Estudo descritivo, qualitativo, apoiado na abordagem estrutural da Teoria das Representações Sociais. Os cenários foram três Centros de Saúde do Rio de Janeiro. Participaram 180 pessoas vivendo com HIV. Dados coletados por questionário sociodemográfico e com a técnica de evocações livres de palavras ao termo indutor aids. Os dados sociodemográficos foram organizados numa planilha do software Excel. A análise das evocações foi realizada com o software EVOC. O núcleo central foi integrado pelos elementos doença-normal, medo, ruim, vida-normal e morte. A árvore máxima aponta os léxicos doença-normal e preconceito como indicação da centralidade. Demonstra a existência de um processo de mudança sendo operado, com a consolidação da possibilidade de convivência com a doença, através de elementos que caracterizam a adaptação às evoluções de novo contexto da síndrome.

Descritores: HIV, Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde.

 

Social representations of AIDS by people living with HIV assisted in primary health care

Abstract: To analyze the social representations of AIDS in people living with HIV who are attended at three municipal health centers. Descriptive, qualitative study, supported by the structural approach of the Theory of Social Representations. The scenarios were three Health Centers in Rio de Janeiro. 180 people living with HIV participated. Data collected through a sociodemographic questionnaire and with the technique of free evocation of words to the inducing term aids. Sociodemographic data were organized in an Excel spreadsheet. Evocation analysis was performed using the EVOC software. The central nucleus was integrated by the elements disease-normal, fear, bad, normal life and death. The maximum tree points out the lexicons disease-normal and prejudice as an indication of centrality. It demonstrates the existence of a process of change being operated, with the consolidation of the possibility of living with the disease, through elements that characterize the adaptation to the evolution of the new context of the syndrome.

Descriptors: HIV, Acquired Immunodeficiency Syndrome, Health Knowledge, Attitudes and Practice.

 

Representaciones sociales del SIDA por personas que viven con el VIH asistidas en la atención primaria de salud

Resumen: Analizar las representaciones sociales del SIDA en personas viviendo con VIH que son atendidas en tres centros de salud municipales. Estudio descriptivo, cualitativo, sustentado en el enfoque estructural de la Teoría de las Representaciones Sociales. Los escenarios fueron tres Centros de Salud en Río de Janeiro. Participaron 180 personas que viven con el VIH. Los datos recogidos a través de un cuestionario sociodemográfico y la técnica de evocación libre de palabras al término inductor ayudan. Los datos sociodemográficos se organizaron en una hoja de cálculo de Excel. El análisis de evocación se realizó utilizando el software EVOC. El núcleo central estaba integrado por los elementos enfermedad: normal, miedo, mal, vida normal y muerte. El árbol máximo señala el léxico normal de enfermedad y el prejuicio como una indicación de centralidad. Demuestra la existencia de un proceso de cambio operando, con la consolidación de la posibilidad de convivir con la enfermedad, a través de elementos que caracterizan la adaptación a la evolución del nuevo contexto del síndrome.

Descriptores: VIH, Síndrome de Inmunodeficiencia Adquirida, Conocimientos, Actitudes y Práctica en Salud.

Texto completo:

PDF

Referências

Jodelet D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: Jodelet D. (Org.) As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001; 17-44. Disponível em: . Acesso em 8 set 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico Especial. Boletim Epidemiológico HIV e Aids. Número Especial, Dez. 2019. Brasília: Ministério da Saúde. 2019.

Gomes AMT, Silva EMP, Oliveira DC. Representações sociais da AIDS para pessoas que vivem com HIV e suas interfaces cotidianas. Rev Latino-Am Enferm. 2011; 19(3).

Oliveira DC, Formozo GA, Gomes AMT, Acioli S, Marques SC, Costa TL, et al. A produção de conhecimento sobre HIV/AIDS no campo da Teoria de Representações Sociais em 25 anos de epidemia. Rev Eletr Enferm. 2007; 9(3):821-834.

Moscovici S. On social representation. In: Forgas JP. (Orgs). Social cognition. London: Academic Press. 1981.

Moscovici S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. 1978.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 7. ed, Petrópolis: Vozes. 2010; 404.

Oltramari L. Um esboço sobre as representações sociais da AIDS nos estudos produzidos no Brasil. Cad Pesq Interdiscip Ciênc Hum. 2003; 4(45):2-17.

Abric J-C. A abordagem estrutural das representações sociais. In: Moreira ASP, Oliveira DC. (Orgs.), Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB. 2000; 27-38.

Abric J-C. La recherche du noyau central et la zone muette des représentations sociales. In: ______. Méthodes d’études des représentations sociales. Ramonville Saint-Agne. 2003; 60-80.

Abric J-C. A abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: Campos PHF, Loureiro MCS. Representações sociais e práticas educativas. Goiânia (GO): Ed. UCG. 2003; 37-57.

Sá CP. Núcleo Central das Representações Sociais. 2ª ed. Petrópolis: Vozes. 2002.

Oliveira DC. A Enfermagem e as Necessidades Humanas Básicas: o saber/fazer a partir das representações sociais. 225 p. Tese (Professor Titular) - Faculdade de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2001.

Vergès P. Ensemble de programmes permettant l’analyse des evocations (EVOC 2005): manuel version 6/2006. Aix-en-Provence: LAMES. 2006.

Pecora ARP. Memórias e representações sociais de Cuiabá e da sua juventude, por três gerações, na segunda metade do século XX. 2007; 218. Tese (doutorado em Psicologia). Rio de Janeiro (RJ): Faculdade de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Pecora ARP, Sá CP. Memórias e representações sociais da cidade de Cuiabá ao longo de três gerações. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2008; 21(2):319-325.

Moscovici S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Tradução de Sonia Fuhrmann. Petrópolis: Vozes. 2012.

Oliveira DC. Construção e transformação das representações sociais da aids e implicações para os cuidados de saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2013; 21(Spec):[10 telas].

Pontes APM, Oliveira DC, Gomes AMT. Os princípios do Sistema Único de Saúde estudados a partir da análise de similitude. Rev Latino-Am Enferm. 2014; 22(1):59-67.

Bezerra EO, Pereira MLD, Maranhão TA, Monteiro PV, Brito GCB, Chaves ACP, et al. Análise estrutural das representações sociais sobre a aids entre pessoas que vivem com vírus da imunodeficiência humana. Texto Contexto Enferm. 2018; 27(2): e6200015.

Costa TL. Representações Sociais do HIV/AIDS e da qualidade de vida: um estudo entre pessoas que vivem com o agravo em contexto de interiorização. 2012; 398. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2012.

Flores-Palacios F, Leyva-Flores R. Representación Social del SIDA em estudiantes de la Cuidad de México. Salud Publica Mex. 2003; 45(sup.5):624-31.

Marques SC, Oliveira DC, Francisco MTR. Abordagem estrutural das representações sociais sobre a AIDS entre os servidores de um hospital universitário. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2003; 7(2):186-195.

Camargo BV. Sexualidade e Representações Sociais da AIDS. Rev Ciênc Humanas. 2000; 97-110.

Tura LFR. Aids e estudantes: a estrutura das representações sociais. In: Jodelet D, Madeira M. (Org.). Aids e Representações Sociais: à busca de sentidos. Natal: EdUFRN. 1998; 121-54.

Flament C. Représentations sociales, consensus et corrélations. Papers on Social Représentations. 1994; 3(2):184-193.

Oliveira DC, Costa TL. A zona muda das representações sociais sobre o portador de HIV/Aids: elementos normativos e contranormativos do pensamento social. Psicol Teor Prát. 2007; 9(2):73-91.

Silva GA, Takahashi RF. A busca pela assistência à saúde: reduzindo a vulnerabilidade ao adoecimento entre os portadores do HIV. Rev APS. 2008; 11(1):29-41.

Costa TL, Oliveira DC, Formozo GA. Qualidade de vida e AIDS sob a ótica de pessoas vivendo com o agravo: contribuição preliminar da abordagem estrutural das representações sociais. Cad Saúde Pública. 2015; 31(2):365-376.

Marques SC, Oliveira DC, Gomes AMT. Aids e representações sociais: uma análise comparativa entre subgrupos de trabalhadores. Psicologia: Teoria e Prática. 2004; 91-104.

Marques SC, Francisco MTR, Clos AC. A identificação da representação social da AIDS a partir da Técnica de Correspondências Múltiplas. Rev Enferm UERJ. 2003; 11:328-36.


Visualizações do PDF:

7 views


Visualizações do Resumo:

17 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud