Confiabilidade do instrumento atenção sanitária às demências: a visão da atenção básica

Gislaine Desani da Costa, Odineide Gomes dos Santos, Maria Amélia de Campos Oliveira

Resumo

O artigo avalia a confiabilidade do instrumento Atenção Sanitária às Demências: a visão da Atenção Básica, nas versões para médicos e enfermeiros. Um estudo correlacional foi conduzido em Unidades Básicas de Saúde da Estratégia Saúde da Família do município de São Paulo. A amostra foi composta por 87 médicos e 132 enfermeiros atuantes nas Unidades selecionadas. A confiabilidade foi avaliada por meio da estabilidade dos itens (teste-reteste). A coleta de dados foi realizada mediante a autoaplicação do instrumento pelos profissionais e a etapa de reteste ocorreu no 14° dia após o teste. Os resultados revelaram que 86,0% dos itens do instrumento possuem estabilidade entre forte e quase perfeita/alta; 13,3%, estabilidade moderada e 0,7%, regular. Tais resultados permitem indicar seu uso para identificar as necessidades educacionais de médicos e enfermeiros da Atenção Básica à Saúde no acompanhamento às demências.

Descritores: Reprodutibilidade dos Testes, Atenção Primária à Saúde, Educação Profissional em Saúde Pública, Demência.

 

Reliability of the health care instrument for dementias: the vision of primary care

Abstract: The article assesses the reliability of the instrument Health Care for Dementia: the Primary Care perspective, in versions for doctors and nurses. A correlational study was conducted in Basic Health Units of the Family Health Strategy belonging to the municipality of São Paulo, Brazil. The sample consisted of 87 doctors and 132 nurses working in the selected Units. Reliability was assessed by means of item stability (test-retest). Data collection was performed by the self-application of the instrument by professionals and the retesting step occurred on the 14th day after the test. The results revealed that 86.0% of the instrument's items have stability between strong and almost perfect/high; 13.3%, moderate stability and 0.7%, regular. These results allow us to indicate its use to identify the educational needs of doctors and nurses in Primary Health Care in monitoring dementias.

Descriptors: Reproducibility of Results, Primary Health Care, Education Public Health Professional, Dementia.

 

Fiabilidad del instrumento asistencial para las demencias: la visión de la atención primaria

Resumen: El artículo evalúa la confiabilidad del instrumento Atención Sanitaria para la Demencia: la mirada de la Atención Primaria, en versiones para médicos y enfermeras. Se realizó un estudio correlacional en las Unidades Básicas de Salud de la Estrategia Salud de la Familia del municipio de São Paulo. La muestra estuvo conformada por 87 médicos y 132 enfermeros que laboravan en las Unidades seleccionadas. La fiabilidad se evaluó mediante la estabilidad del ítem (test-retest). La recolección de datos se realizó mediante la autoaplicación del instrumento por parte de profesionales y el paso de reevaluación ocurrió el día 14 después de la prueba. Los resultados revelaron que el 86.0% de los ítems del instrumento tienen una estabilidad entre fuerte y casi perfecta/alta; 13,3%, estabilidad moderada y 0,7%, regular. Estos resultados nos permiten indicar su uso para identificar las necesidades educativas de los médicos y enfermeras de la Atención Primaria de Salud en el seguimiento de las demencias.

Descriptores: Reproducibilidad de los Resultados, Educación Profesional en Salud Pública, Atención Primaria a la Salud, Demencia.

Texto completo:

PDF

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tábua completa de mortalidade para o Brasil - 2017. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro. 2018. Disponível em: . Acesso em 19 mar 2019.

Nichols E, Szoeke CEI, Vollset SE, Abbasi N, Abd-Allah F, Abdela J, et al. Global, regional, and national burden of Alzheimer’s disease and other dementias, 1990-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. Lancet Neurol. 2019; 18(1):88-106.

Veras RP, Oliveira M. Aging in Brazil: the building of a healthcare model. Ciênc. Saúde Colet. 2018; 23(6):1929-36.

Borges GM, Campos MB, Silva LGC. Transição da estrutura etária no Brasil: oportunidades e desafios para a sociedade nas próximas décadas. 2015. In: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Informação demográfica e econômica. Mudanças demográficas no Brasil no início do século XXI. Subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro. 2015. Disponível em: . Acesso em 23 mai 2016.

São Paulo. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo - 461 anos de São Paulo - O envelhecimento e a dinâmica populacional dos distritos paulistanos. São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em 22 set 2017.

World Health Organization. Global action plan on the public health response to dementia 2017-2025. 2017. Disponível em: . Acesso em 02 ago 2017.

Alcântara AO, Camarano AM, Giacomin KC. Política nacional do idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: Ipea. 2016. Disponível em: . Acesso em 02 ago 2020.

Burlá C, Camarano AA, Kanso S, Fernandes D, Nunes R. Panorama prospectivo das demências no Brasil: um enfoque demográfico. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(10):2949-56.

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. Envelhecimento populacional e os desafios para o sistema de saúde brasileiro. São Paulo: IESS; 2013. Disponível em: . Acesso em 26 mai 2019.

Nieuwboer MS, Richters A, Van der Marck MA. Triple aim improvement for individuals, services and society in dementia care: the DementiaNet collaborative care approach. Z Gerontol Geriatr. 2017; 50(Suppl 2):78-83.

Guimarães TMR, Silva KNF, Cavalcanti HGO, Souza, ICA, Leite JS, Silva JTB, et al. Assistência de enfermagem aos pacientes com Doença de Alzheimer em cuidados paliativos: revisão sistemática. REAS/EJCH. 2020; Sup(38):1-10.

Mattos EBT, Kovacs MJ. Doença de Alzheimer: a experiência única de cuidadores familiares. Psicol USP. 2020; (31):e180023.

Barbosa LFLN. Conhecimento e atitude dos médicos e enfermeiros do PSF de Piracicaba no atendimento de idosos demenciados. Piracicaba: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia. 2014. Disponível em: . Acesso em 19 mar 2019.

Poltroniere S, Cecchetto FH, Souza EN. Doença de Alzheimer e demandas de cuidados: o que os enfermeiros sabem? Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(2):270-8.

Tuero GC, Garre-Olmo J, Lòpez-Pousa S, Vilalta J, Limon E, Caja C. Percepción, actitudes y necesidades de los profesionales de atención primaria con relación al paciente con demencia. Atenc Primaria. 2011; 43(11):585-94.

Van den Dungen P, Van Marwijk HW, Van der Horst HE, Moll Van Charante EP, Macneil Vroomen J, Van de Ven PM, et al. The accuracy of family physicians' dementia diagnoses at different stages of dementia: a systematic review. Int J Geriatr Psychiatry. 2012; 27(4):342-54.

Martín-Carrasco M, Arranz FJ. Perspectives of Spanish psychiatrists on the management of dementias: the PsicoDem survey. Rev Psiquiatr Salud Ment. 2014; 9(14):1-9.

Parmar J, Dobbs B, McKay R, Kirwan C, Cooper T, Marin A, et al. Diagnosis and management of dementia in primary care: exploratory study. Can Fam Physician. 2014; 60(5):457-65.

Costa GD, Souza RA, Yamashita CH, Pinheiro JCF, Alvarenga MRM, Oliveira MAC. Avaliação de conhecimentos e atitudes profissionais no cuidado às demências: adaptação transcultural de um instrumento. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(2):298-308.

Souza AC, Alexandre NMC, Guirardello EB. Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiol Serv. Saúde. 2017; 26(3):649-59.

Lwanga SK, Lemeshow S. Sample size determination in health studies: a practical manual. Geneva: World Health Organization. 1991.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos da pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 9ª ed. Porto Alegre: Artmed. 2018; 339-426.

Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics 1977; 33(1):159-74.

Fleiss JL, Cohen J. The Equivalence of Weighted Kappa and the Intraclass Correlation Coefficient as Measures of Reliability. Educ Psychol Measurement. 1973; 33(3):613-9.

Menezes JRM, Luvisaro BMO, Rodrigues CF, Muzi CD, Guimarães RM. Confiabilidade teste-reteste da versão Brasileira do instrumento Memorial Symptom Assessment Scale para avaliação de sintomas em pacientes oncológicos. Einstein. 2017; 15(2):148-54.

Souza AC, Alexandre NMC, Guirardello EB. Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26(3):649-59.

Carpenter BD, Balsis S, Otilingam PG, Hanson PK, Gatz M. The Alzheimer's Disease Knowledge Scale: development and psychometric properties. Gerontologist. 2009; 49(2):236-47.

O’Connor M, McFadden, S. Development and psychometric validation of the dementia attitudes scale. Int J Alzheimers Dis. 2010; 1-10.

Marques CS. Escala de atitudes frente à demência - contributos para a validação. Aveiro: Universidade de Aveiro, Secção Autónoma de Ciências da Saúde. 2012. Disponível em: . Acesso em 19 mar 2019.

Malta EMBR, Araújo DD, Brito MFSF, Pinho L. Práticas de profissionais da Atenção Primária à Saúde (APS) no cuidado a idosos com demência. Interface. 2020; 24(Suppl 1):1-18.


Visualizações do PDF:

3 views


Visualizações do Resumo:

14 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud