Evidências do uso da via subcutânea na assistência de enfermagem

Ana Luíza de Siqueira Simão, Bárbara Paparello Negrini, Catharina Luiza Issa Gaspar, Célia Maria Francisco, Gislene Fabiana Morales

Resumo

A via subcutânea é utilizada para hipodermóclise por meio de infusão contínua de soluções em volumes maiores e para injeção que consiste na administração do medicamento em bolus ou diluído em pequeno volume. Identificar as evidências científicas sobre o uso da via subcutânea no âmbito da prática da enfermagem. Trata-se de uma revisão integrativa realizada nas bases de dados BDENF, LILACS, MEDLINE e SCIELO, no período de outubro de 2019 a junho de 2020. A utilização da via subcutânea tem sido indicada como eficaz, de baixo custo, seguro, confortável e menos dolorosa para o paciente, no entanto, observou-se que o conhecimento profissional de enfermagem ainda é incipiente em relação a hipodermóclise. Apesar de algumas similaridades, ainda existem divergências nas pesquisas e a falta de ênfase na qualificação profissional, o que pode refletir na falta de segurança e no conhecimento dos profissionais no âmbito da prática.

Descritores: Hipodermóclise, Injeção Subcutânea, Infusões Subcutâneas, Técnicas Subcutâneas.

 

Evidence of the use of the subcutaneous path in nursing care

Abstract: The subcutaneous route is used for hypodermoclysis through continuous infusion of solutions in larger volumes and for injection that consists of administration of the drug in bolus or diluted in small volume. To identify the scientific evidence on the use of the subcutaneous route in the context of nursing practice. This is an integrative review carried out in the databases BDENF, LILACS, MEDLINE and SCIELO, in the period from October 2019 to June 2020. The use of the subcutaneous route has been indicated as effective, low cost, safe, comfortable and less painful for the patient, however, it was observed that professional nursing knowledge is still incipient in relation to hypodermoclysis. Despite some similarities, there are still divergences in research and the lack of emphasis on professional qualification, which may reflect the lack of security and knowledge of professionals in the field of practice.

Descriptors: Hypodermoclysis, Subcutaneous Injection, Subcutaneous Infusions, Subcutaneous Techniques.

 

Evidencia del uso de la via subcutánea en la atención de enfermería

Resumen: La vía subcutánea se utiliza para la hipodermoclisis mediante infusión continua de soluciones en mayores volúmenes y para inyección que consiste en administrar el fármaco en bolo o diluido en un pequeño volumen. Identificar evidencia científica sobre el uso de la vía subcutánea en la práctica de enfermería. Se trata de una revisión integradora realizada en las bases de datos BDENF, LILACS, MEDLINE y SCIELO, de octubre de 2019 a junio de 2020. El uso de la vía subcutánea se ha indicado como eficaz, de bajo coste, seguro, cómodo y menos doloroso para el paciente. Sin embargo, se observó que el conocimiento profesional de enfermería es aún incipiente en relación a la hipodermoclisis. A pesar de algunas similitudes, aún existen diferencias en la investigación y una falta de énfasis en la calificación profesional, lo que puede reflejar la falta de seguridad y conocimiento de los profesionales en el campo de la práctica.

Descriptores: Hipodermoclisis, Inyección Subcutánea, Infusiones Subcutáneas, Técnicas Subcutáneas.

Texto completo:

PDF

Referências

Gomes NS, Silva AMB, Zago LB, Lima EC, Barichello E. Conhecimentos e práticas da enfermagem na administração de fluidos por via subcutânea. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1155-64.

Araújo CP. Hipodermóclise: uma proposta de protocolo de segurança do paciente em uso de infusão subcutânea. [Dissertação de Mestrado]. [Goiânia]: Universidade Federal de Goiás. 2017.

Perry A, Potter P. Guia Completo de Procedimentos e Competências de Enfermagem. Tradução da 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 2015.

Moore K, Dalley AF, Agur AMR. Anatomia orientada para a clínica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2018.

Miller D. Administração de Medicamentos. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores. 2002.

Godinho N, Silveira L. Manual de hipodermóclise. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina Botucatu. Botucatu. 2017.

Conselho Regional de Enfermagem. São Paulo. Ementa: Técnica de administração de injeção/vacina por via subcutânea. Parecer COREN-SP. 2018; 10.

Guedes NDAB, Melo LSD, Santos FBO, Barbosa JAG. Complicações da via subcutânea na infusão de medicamentos e soluções em cuidados paliativos. Fortaleza: Rev Rene. 2019; 2.

Duems O, Blasco SA. Eficacia de la vía subcutánea frente a la hidratación intravenosa en el paciente anciano hospitalizado: estudio controlado aleatorizado. Rev Española Geriatría Gerontología: Organo oficial de la Sociedad Española de Geriatría y Gerontología. 2014; 49(3):103-7.

Neo SH-S, Khemlani MH, Sim LK, Seah AST. Winged Metal Needles versus Plastic Winged and Nonwinged Cannula e for Subcutaneous Infusions in Palliative Care: A Quality Improvement Project to Enhance Patient Care and Medical Staff Safety in a Singaporean Hospital. Journal of Palliative Medicine. 2016; 19(3):318-22.

Pereira IB, Oliveira MMM, Ferreira PBP, Coutinho RP, Cameron LE, Porto IS. Avaliação ultraestrutural de agulhas e seu papel no conforto durante a administração subcutânea de medicamentos. Rev Esc Enferm USP. 2018; 52.

Faria LBG, Santos CTB, Faustino AM, Oliveira LMAC, Cruz KCT. Conhecimento e adesão do enfermeiro às precauções padrão em unidades críticas. Texto Contexto Enferm. 2019; 28.

Takaki CYI, Klein GFS. Hipodermóclise: o conhecimento do enfermeiro em unidade de internação. ConScientia Saúde. 2010; 9(3):486-96.

Azevedo D. O uso da via subcutânea em geriatria e cuidados paliativos: um guia da SBGG e da ANCP para profissionais. 2. ed. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Gerontologia e Gerontologia. 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de normas e procedimentos para vacinação. 2014.

Lamblet LCR, Meira ESA, Torres S, Ferreira BC, Martucchi SD. Ensaio clínico randomizado para avaliação de dor e hematoma em administração de medicamentos por via subcutânea e intramuscular: há necessidade de troca de agulhas? Rev Latino Am Enferm. 2011; 19(5):1-9.

Norman JJ, Brown MR, Raviele NA, Prausnitz MR, Felner EI. Faster pharmacokinetics and increased patient acceptance of intradermal insulin delivery using a single hollow microneedle in children and adolescents with type 1 diabetes. Pediatric Diabetes. 2013; 14(6):459-65.

Carvalho JVB, Anjos MK, Paes GO. Preparo e administração de medicamentos por via subcutânea: os saberes da equipe de enfermagem. Rev Enferm Atual In Derme. 2019; 87(25).

Brasil. Ministério do trabalho. NR 32 - Segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. 2011.

Veras GL, Faustino AM, Reis PED, Simino GPR, Vasques CI. Evidências clínicas no uso da hipodermóclise em pacientes oncológicos: revisão integrativa da literatura. Rev Eletr Gestão Saúde. 2014; (1):2877-93.

Vidal M, Hui D, Williams J, Bruera E. A prospective study of hypodermoclysis performed by caregivers in the home setting. Journal of Pain and Symptom Management. 2016; 52(4):570-4.

Pontalti G, Rodrigues ESA, Firmino F, Fabris M, Stein MR, Longaray VK. Via subcutânea: segunda opção em cuidados paliativos. Clinical Biomedical Research. 2012; 32(2).

Lopes AP, Esteves R, Sapeta P. Vantagens e desvantagens da terapêutica e hidratação subcutânea. Vantagens e desvantagens da terapêutica e hidratação subcutânea. 2012.

Freitas IM, de Oliveira HA, Braga PG, Santos POO, Oliveira C. Análise do uso de hipodermóclise em pacientes oncológicos em Cuidados Paliativos internados em dois hospitais públicos de Belo Horizonte. Rev Med Minas Gerais. 2018; 28(Supl 5):S280516.

D’Aquino M, de Souza RM. Hipodermóclise ou via subcutânea. Rev Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2012; 11(2).


Visualizações do PDF:

5 views


Visualizações do Resumo:

15 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud