Estresse percebido em um grupo de idosos participantes de um núcleo de convivência em São Paulo

Maria Elisa Gonzalez Manso, Leticia Silva de Jesus, Celia Maria Francisco, Renata Laszlo Torres

Resumo

Verificar a relação entre o estresse percebido e variáveis sociodemográficas, autopercepção e presença de agravos a saúde em um grupo de idosos que frequentam um Núcleo de Convivência localizado no município de São Paulo. Participaram 64 idosos de um total de 68 atendidos pelo serviço. O estresse foi avaliado pela Escala de Estresse Percebido. A análise estatística foi realizada com os testes Análise de Variância, t-Student ou o não paramétrico de Mann-Whitney, além do Coeficiente de Correlação de Pearson. Para identificar quais variáveis influenciam maior pontuação na escala de estresse foi realizada Regressão Linear Múltipla. Dentre as variáveis estudadas depressão, morar acompanhado e dor crônica relacionaram-se ao aumento do estresse percebido, existindo forte correlação entre depressão e estresse. Entender as variáveis relacionadas ao estresse percebido e sua influência na vulnerabilidade da população idosa pode permitir criar estratégias de melhoria da qualidade de vida deste segmento etário.

Descritores: Idoso, Estresse Psicológico, Vulnerabilidade Social, Saúde do Idoso, Depressão.

 

Perceived stress in a group of elderly people participating in a community living center in the city of São Paulo

Abstract: To verify the relationship between perceived stress and sociodemographic variables, self-perception and the presence of health problems in a group of elderly people who attend a Community Living Center located in the city of São Paulo. Out of a total of 68 attendees of the service, 64 took part in the research. Stress was assessed using the Perceived Stress Scale. Statistical analysis was performed using the Analysis of Variance, Student’s T-test or Mann-Whitney U tests, in addition to Pearson's correlation coefficient. Multiple Linear Regression was performed to identify which variables influence the highest score on the stress scale. Among the variables studied, depression, living together and chronic pain were related to the increase in perceived stress, with a strong correlation between depression and stress. Understanding the variables related to perceived stress and its influence on the vulnerability of the elderly population may allow the creation of strategies to improve the quality of life of this age group.

Descriptors: Aged, Stress Psychological, Social Vulnerability, Health of the Elderly, Depression.

 

Estrés percibido en un grupo de personas mayores que participan de un centro de vida en São Paulo

Resumen: Verificar la relación entre el estrés percibido y las variables sociodemográficas, la autopercepción y la presencia de problemas de salud en un grupo de personas mayores que asisten a un Centro Comunitario ubicado en la ciudad de São Paulo. Participaron 64 personas mayores de un total de 68 personas atendidas por el servicio. El estrés se evaluó mediante la Escala de Estrés Percibido. El análisis estadístico se realizó mediante el análisis de varianza, t-Student o prueba no paramétrica de Mann-Whitney, además del coeficiente de correlación de Pearson. Se realizó una regresión lineal múltiple para identificar qué variables influyeran en la puntuación más alta de la escala de estrés. Entre las variables estudiadas, la depresión, la cohabitación y el dolor crónico se relacionaron con el aumento del estrés percibido, con una fuerte correlación entre depresión y estrés. La comprensión de las variables relacionadas con el estrés percibido y su influencia en la vulnerabilidad de la población de edad avanzada puede permitir la creación de estrategias para mejorar la calidad de vida de este grupo de personas.

Descriptores: Anciano, Estrés Psicológico, Vulnerabilidad Social, Salud del Anciano, Depresión.

Texto completo:

PDF

Referências

Centro Internacional Longevidade Brasil. Envelhecimento Ativo: Um Marco Político em Resposta a uma Revolução da Longevidade. Rio de Janeiro: CILC. 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais (SIS): uma análise das condições de vida da população brasileira 2015. Rio de Janeiro: IBGE. 2015.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília: MDS. 2014.

Carmo ME, Guizardi FL. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cad Saúde Pública. 2018; 34(3):e00101417.

Ministério do Desenvolvimento Social. Benefício de Prestação Continuada-BPC. 2018. Disponível em: . Acesso em 20 out 2018.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da violência 2019. Fórum Brasileiro de Segurança Pública: Brasília. 2019.

Manso MEG, Maresti LTP, Oliveira HSB. Analysis of quality of life and associated factors in a group of elderly persons with supplemental health plans in the city of São Paulo, Brazil. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2019; 22(4).

Lazarus RS, Folkman S. Stress, appraisal, and coping. New York: Springer. 1984.

Lazarus RS. Coping theory and research: Past, present, and future. Psychosoma. Med. 1993; 55:234-247.

Fortes-Burgos A, Neri A. Estresse no desenvolvimento adulto e na velhice: uma Revisão. Rev Bras Ciênc Envel Hum. 2008; 5(1):103-114.

Rocha TPO, et al. Anatomofisiologia do estresse e o processo de adoecimento. Rev Científ FMC. 2018; 13(2):31-37.

Ferreira GRS, Costa TF, Pimenta CJL, Silva CRR, Bezerra TA, Viana LRC, Costa KNFM. Capacidade funcional e eventos estressores em idosos. Rev Min Enferm. 2019;23:e-1238

Gomes LMC, Martins LNSL. Avaliação cognitiva e do humor. In: Manso MEG, Biffi ECA (Orgs.). Geriatria, Manual da Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento. São Paulo, SP: Martinari. 2015.

Luft CDB, Sanches SO, Mazo GZ, Alexandro A. Versão brasileira da escala de estresse percebido: tradução e validação para idosos. Rev Saúde Públ. 2007; 41(4).

Mira BC, Ferreira AMR, Ozela CS et al. Determinantes Socioeconômicos e Comportamentais que Permeiam o Envelhecimento Ativo dos Idosos de um Centro Comunitário de Convivência. Rev Fund Care Online. 2019; 11(5):1122-1128.

Padulla SAT, et al. Tempo de hemodiálise relacionado ao nível de estresse e depressão em pacientes do Instituto do Rim da Santa Casa da Misericórdia de Presidente Prudente. Rev Fisioter FCT/UNESP. 2009.

Medeiros SM, Silva LSR, Carneiro JA, Ramos GCF, Barbosa ATF, Caldeira AP. Fatores associados à autopercepção negativa da saúde entre idosos não institucionalizados de Montes Claros, Brasil. Ciênc Saúde Col. 2016; 21(11):3377-3386.

Ribeiro EG, Matozinhos FP, Guimarães GL, Couto AM, Azevedo RS, Mendoza IYQ. Autopercepção de saúde e vulnerabilidade clínico-funcional de idosos de Belo Horizonte/Minas Gerais. Rev Bras Enferm. 2018; 71(Supl.2):860-7.

Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: Ministério da Saúde. 2019.

Carvalho MAN, Silva IBS, Ramos SBP, Coelho FL, Gonçalves ID, Neto JAF. Qualidade de vida de pacientes hipertensos e comparação entre dois instrumentos de medida de QVRS. Arq Bras Cardiol. 2012; 98(5):442-451.

Sobrinho ACS, Silva MLA, Bueno Júnior CR. Associação de dor crônica com força, níveis de estresse, sono e qualidade de vida em mulheres acima de 50 anos. Fisioter Pesqui. 2019; 26(2).

Manso MEG, Lopes RGC. Violência contra a pessoa idosa, com ênfase no gênero feminino, no cenário da América Latina e Caribe: revisão narrativa. PAJAR. 2018; 6(1):29-37.

Organização das Nações Unidas. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Genebra: Organização das Nações Unidas. 2015.

Colussi EL, Kuyawa A, De Marchi ACB, Pichler NA. Percepções de idosos sobre envelhecimento e violência nas relações intrafamiliares. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2019; 22(4):e190034

Ramos FP, et al. Fatores associados à depressão em idoso. Rev Elet Acervo Saúde. 2019; (19):e239.


Visualizações do PDF:

3 views


Visualizações do Resumo:

13 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud