Estudo do uso de psicoestimulantes por acadêmicos de enfermagem

Micael Franco Alves, Jessica Pires de Aguiar, Aline Zandonadi Lamas

Resumo

Psicoestimulantes são drogas que tem em comum o aumento da atividade motora e a redução da necessidade de sono. No ambiente acadêmico, a introdução dessas drogas tem como objetivo o aumento da atenção, concentração e disposição. O objetivo desta pesquisa é identificar o percentual de acadêmicos de enfermagem, de uma faculdade privada do Espírito Santo, que usam psicoestimulantes com a finalidade de obterem maiores rendimentos nos estudos. Realizado um estudo observacional quantitativo e descritivo. Constatou-se que 50 alunos (30,3%) afirmam ter usado algum psicoestimulante, ocorrendo principalmente, por meio de influências de amigos ou por conta própria (68%). O Metilfenidato (Ritalina®) demonstrou ser a substância mais prevalente (63%). É possível observar que o consumo de psicoestimulantes por acadêmicos de enfermagem tem por finalidade obter aumento na performance acadêmica, além disso, o meio de obtenção desses fármacos nos deixa em alerta, pois a maioria não possui nenhuma indicação médica para o uso.

Descritores: Psicoestimulantes, Acadêmicos de Enfermagem, Metilfenidato.

 

Study of the use of psycho-stimulators by nursing academic

Abstract: Psychostimulants are drugs that have in common actions increased motor activity and reduced the need for sleep.  In the academic environment, the introduction of these drugs aims to increase attention, concentration and disposition. The aim of this research is to identify the percentage of nursing students from a private college at Espírito Santo - Brazil who use psychostimulants in order to obtain higher incomes in studies. A quantitative and descriptive observational study was conducted. It was found that 50 students (30.3%) claim to have used some psychostimulant, occurring mainly, through influences of friends or on their own (68%). Methylphenidate (Ritalin®) proved to be the most prevalence substance (63%). It is possible to observe that the consumption of psychostimulants by nursing students aims to obtain an increase in academic performance, in addition, the means of obtaining these drugs puts us on alert, because most of them do not have any medical indication for use.

Descriptors: Psychostimulants, Nursing Students, Methylphenidate.

 

Estudio del uso de psicostimuladores en enfermería académica

Resumen: Los psicoestimulantes son medicamentos que en acciones comunes aumentan la actividad motora y reducen la necesidad de dormir.  En el entorno académico, la introducción de estos fármacos tiene como objetivo aumentar la atención, concentración y disposición. El objetivo de esta investigación es identificar el porcentaje de estudiantes de enfermería de un colegio privado en Espírito Santo que utilizan psicoestimulantes con el fin de obtener mayores ingresos en estudios. Se llevó a cabo un estudio observacional cuantitativo y descriptivo. Se encontró que 50 estudiantes (30,3%) afirman haber utilizado algún psicoestimulante, que ocurre principalmente, a través de influencias de amigos o por su cuenta (68%). El metilfenidato (Ritalin®) mostró una mayor prevalencia en el uso (63%). Es posible observar que el consumo de psicoestimulantes por parte de los estudiantes de enfermería tiene como objetivo obtener un aumento en el rendimiento académico, además, el medio de obtener estos fármacos nos deja alerta, ya que la mayoría no tiene ninguna indicación médica para su uso.

Descriptores: Psicoestimulantes, Estudiantes de Enfermería, Metilfenidato.

Texto completo:

PDF

Referências

Silveira VI, Oliveira RJF, Caixeta MR, Andrade BBP, Costa GL, Santos GB. Uso de psicoestimulantes por acadêmicos de medicina de uma universidade do sul de Minas Gerais. 7f. Projeto de Pesquisa Científica - Universidade do Sul de Minas Gerais, Minas Gerais, 2015. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.

Coli ACM, Silva MPS, Nakasu MVP. Uso não prescrito de metilfenidato entre estudantes de uma faculdade de medicina do sul de Minas Gerais. 11f. Projeto de Pesquisa Científica - Faculdade de Medicina de Itajubá, Minas Gerais, 2016. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.

Silva ACP, Luzio CA, Santos KYP, Yasui S, Dionísio GH. A explosão do consumo de ritalina. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, vol.2, n.11, 2012. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.

Pereira S, Costa A. Consumo de psicoestimulantes no meio universitário: aspetos clínicos e bioéticos. Rev Serviço Psiq Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca. 2016; 14(1). Disponível em: . Acesso em 03 abr 2019.

Moura MH. As Consequências do uso prolongado e não terapêutico do metilfenidato. 28 f. Dissertação de Graduação - Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Rondônia. 2017. Disponível em: . Acesso em 03 abr 2019.

Guerra RO, Bernardo GC, Gutiérrez CV. Cafeína e esporte. Rev Bras Med Esporte. 2000; 6(2):60-62.

Sores J. O uso de medicamentos controlados por estudantes do curso de odontologia na Universidade Federal de Santa Catarina. 90f. Dissertação de Graduação - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2017. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.

Iuras A. Prevalência da automedicação entre estudantes da Universidade do Estado do Amazonas (Brasil). Rev Portuguesa Estomatologia Med Dentária Cirurgia Maxilofacial. 2016; 2(57). Disponível em: . Acesso em 05 abr 2019.

Affonso RS, Lima KS, Oyama YMO, Deuner MC, Garcia DR, Barboza LL, et al. O uso indiscriminado do cloridrato de metilfenidato como estimulante por estudantes da área da Saúde da Faculdade Anhanguera de Brasília (FAB). Infarma - Ciências Farmacêuticas. 2016; 28(3):166-172.

Rocha B. Avaliação da frequência do uso do metilfenidato por estudantes de ensino superior. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Farmácia) Universidade de Santa Cruz do Sul-UNISC, Santa Cruz do Sul, 2016. Disponível em: . Acesso em 03 abr 2019.

Louzã MR, Mattos P. Questões atuais no tratamento farmacológico do TDAH em adultos com metilfenidato. J Bras Psiquiatr. 2007; 56(1):53-56.

Andrade LS, Gomes AP, Nunes AB, Rodrigues NS, Lemos O, Rigueiras PO, et al. Ritalina, uma droga que ameaça a inteligência. Rev Med Saúde Brasília. 2018; 7(1). Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.

Santos ALP, Santos CO, Rosa NR, Souza P, Mazeto TK. Efeito da cafeína no organismo. III Ciclo Científico da Faculdade de São Paulo - FSP. 2015; 45-52. Disponível em: . Acesso em 03 abr 2019.

Centro colaborador do SUS (CATES). Dimesilato de lisdexanfetamina para transtorno de déficit de atenção com hiperatividade. Nota Técnica 03 - 2016. Belo Horizonte, MG. 2016. Disponível em: . Acesso em 06 abr 2019.

Freitas AFS, Santos KLM, Soares MI. Analise do uso de nootrópicos relacionando-se seus principais mecanismos de ação. Faculdade Mauricio de Nassau-FMN. II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde, 2017. Disponível em: . Acesso em 03 abr 2019.

Fernandes HA. Efeitos do modafinil sobre o aprendizado e a memória de camundongos avaliados na esquiva discriminativa em labirinto em cruz elevado. 2011. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.


Visualizações do PDF:

15 views


Visualizações do Resumo:

70 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud