Razão de exames citopatológicos do colo do útero em mulheres de 25 a 64 anos em Santa Catarina: um estudo ecológico

Dione Lúcia Prim Laurindo, Sabrina da Silva de Souza, Ana Claudia da Cunha, Samara Eliane Rabelo Suplici, Katheri Maris Zamprogna

Resumo

Este estudo tem por objetivo avaliar a Cobertura de exames citopatológicos de Colo Uterino na população de 25 a 64 anos e sua relação com a cobertura populacional pelas equipes de Saúde da Família nos municípios de Santa Catarina. Estudo transversal que utilizou dados secundários do banco de dados oficiais do Estado de Santa Catarina dos indicadores de Cobertura de exames citopatológicos e cobertura populacional pelas equipes de Saúde da Família nos anos de 2017 e 2018. Análise descritiva incluindo média, desvio padrão, mediana, percentil 25 e 75, mínimos e máximos para todos os indicadores de estudo e correlação de Spearman.  O estudo confirmou a hipótese de que quanto maior a cobertura de Equipes de Saúde da Família (ESF) melhores são os indicadores de saúde, pois os municípios com melhor cobertura de ESF apresentaram melhor a razão de exames citopatológicos de Colo Uterino na população de 25 a 64 anos no período estudado.

Descritores: Enfermagem, Citopatológico, Indicadores de Saúde Comunitária.

 

Reason for cervical cytopathological exams in women aged 25 to 64 years in Santa Catarina: an ecological study

Abstract: This study aims to evaluate the coverage of cervical cytological examinations in the population aged 25 to 64 years and its relationship with population coverage by the Family Health teams in the municipalities of Santa Catarina. Cross-sectional study using secondary data from official databases of the State of Santa Catarina, indicators of coverage of cytopathological examinations, and population coverage by family health teams in the years 2017 and 2018. Descriptive analysis including mean, standard pattern, median, 25th, and 75th percentile, minimum and maximum for all study indicators, and Spearman correlation. The study confirmed the hypothesis that the greater the coverage of family health equipment (FHS), the better health indicators, as the municipalities with the best FHS coverage consider the ratio of cervical cytopathological examinations better in the population aged 25 to 64 years in the studied period.

Descriptors: Nursing, Cytopathological, Health Indicators.

 

Motivo de los exámenes citopatológicos del cuello uterino en mujeres de 25 a 64 años en Santa Catarina: un estudio ecológico

Resumen: Este estudio tiene como objetivo evaluar la cobertura de los exámenes citológicos del cuello uterino en la población de 25 a 64 años y su relación con la cobertura poblacional por parte de los equipos de salud familiar en los municipios de Santa Catarina. Estudio transversal que utiliza datos secundarios de bases de datos oficiales del Estado de Santa Catarina, indicadores de cobertura de exámenes citopatológicos y cobertura poblacional por equipos de salud familiar en los años 2017 y 2018. Análisis descriptivo que incluye la media, patrón estándar, mediana, 25 y percentil 75, mínimo y máximo para todos los indicadores de estudio y la correlación de Spearman. El estudio confirmó la hipótesis de que cuanto mayor es la cobertura del equipo de salud familiar (FHS), mejores son los indicadores de salud, ya que los municipios con la mejor cobertura de FHS consideran mejor la proporción de exámenes citopatológicos del cuello uterino en la población de 25 a 64 años el periodo estudiado

Descriptores: Enfermería, Citopatológico, Indicadores de Salud Comunitaria.

Texto completo:

PDF

Referências

Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. 2018. Disponível em: . Acesso em 05 jun 2020.

World Health Organization. National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. 2 ed. Geneva: WHO. 2002.

Nascimento GWC, Pereira CCA, Nascimento DIC, Lourenço GC, Machado CJ. Cobertura do exame citopatológico do colo do útero no Estado de Minas Gerais, Brasil, no período entre 2000-2010: um estudo a partir dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO). Cad Saúde Colet. 2015; 23(3):253-260.

Ministério da Saúde. DATASUS/SIM. Disponível em: . Acesso em 29 mai 2020.

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Estimativa 2020. Incidência do Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2020. Disponível em: . Acesso em 12 jun 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: . Acesso em 29 mai 2020.

Conass, 2016. Resolução CIT n. 08, de 24 de novembro de 2016. Dispõe sobre o processo de pactuação interfederativa de indicadores para o período 2017-2021, relacionados a prioridades nacionais em saúde. Disponível em: . Acesso em 29 mai 2020.

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de atenção primária à saúde que traz resultados. Saúde Debate. 2018; 42(spe1):18-37.

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. Rio de Janeiro: INCA. 2011. Disponível em: . Acesso em 12 jun 2020.

Estado de Santa Catarina. Deliberação 2018 de 23 de agosto de 2018 - Indicadores Interfederativo. Metas do rol dos indicadores interfederativos do Estado de Santa Catarina, período de 2018. Disponível em: . Acesso em 11 jun 2020.

Ministério da Saúde. Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde. 2011. Disponível em: . Acesso em 04 mai 2020.

Instituto Nacional de Câncer. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: INCA. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 mai 2020.

Rodrigues Neto JF, Figueiredo MFS, Siqueira LG. Exame citopatológico do colo do útero: fatores associados a não realização em ESF. Rev Eletr Enferm. 2008; 10(3):610-21.

Thuler LCS, Zardo LM, Zeferino LC. Perfil dos laboratórios de citopatologia do Sistema Único de Saúde. J Bras Patol Med Lab. 2007; 43(2):103-114.

Santa Catarina. Secretaria de Saúde do Estado de Santa Catarina. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: . Acesso em 23 set 2019.

Santa Catarina. Secretaria de Saúde do Estado de Santa Catarina. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: . Acesso em 23 set 2019.


Visualizações do PDF:

23 views


Visualizações do Resumo:

44 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud