Boas práticas obstétricas para um parto seguro: estudo de validação

Maraysa Jéssyca de Oliveira Vieira, Amuzza Aylla Pereira dos Santos, Thaís Honório Lins Bernardo, Karlayne Reynaux Vieira de Oliveira, Larissa de Morais Teixeira, Rosa Patrícia Gomes Tenório Omena Rodrigues

Resumo

As políticas públicas no campo da saúde materno-infantil têm apontado para a importância da humanização da assistência por meio da adoção de boas práticas baseadas em evidências científicas que respeitem os direitos, a individualidade, a integralidade e a autonomia feminina. Nesse sentido, esse estudo tem por objetivo validar o conteúdo de um instrumento que tem por finalidade avaliar a utilização das boas práticas obstétricas por profissionais de saúde na atenção ao parto seguro. Trata-se de pesquisa metodológica, com abordagem quantitativa, pautada na validação de instrumento baseado na técnica de validação do conteúdo segundo Pasquali. Participaram da pesquisa 10 juízes, sendo cinco médicos e cinco enfermeiros que atuam na assistência direta à mulher no período parturitivo. O instrumento foi validado quanto ao seu conteúdo, sendo que mais de 80% dos 23 itens propostos no instrumento foram considerados representativos para avaliar a utilização das boas práticas obstétricas na atenção ao parto seguro.

Descritores: Assistência Perinatal, Estudos de Validação, Enfermagem Obstétrica.

 

Good obstetric practices for safe delivery: validation study

Abstract: Public policies in the field of maternal and child health have pointed to the importance of humanizing care through the adoption of good practices based on scientific evidence that respect women's rights, individuality, integrality and autonomy. In this sense, this study aims to validate the content of an instrument that aims to assess the use of good obstetric practices by health professionals in the care of safe delivery. This is a methodological research, with a quantitative approach, based on the validation of an instrument based on the content validation technique according to Pasquali. Ten judges participated in the research, five of whom were doctors and five nurses who work in direct assistance to women during the delivery period. The instrument was validated for its content, and more than 80% of the 23 items proposed in the instrument were considered representative to assess the use of good obstetric practices in the care for safe delivery.

Descriptors: Perinatal Care, Validation Studies, Obstetric Nursing.

 

Buenas prácticas obstétricas para un parto seguro: estudio de validación

Resumen: Las políticas públicas en el campo de la salud materna e infantil han señalado la importancia de humanizar la atención a través de la adopción de buenas prácticas basadas en evidencia científica que respete los derechos, la individualidad, la integralidad y la autonomía de las mujeres. En este sentido, este estudio tiene como objetivo validar el contenido de un instrumento que tiene como objetivo evaluar el uso de buenas prácticas obstétricas por parte de los profesionales de la salud en el cuidado del parto seguro. Esta es una investigación metodológica, con un enfoque cuantitativo, basada en la validación de un instrumento basado en la técnica de validación de contenido según Pasquali. Diez jueces participaron en la investigación, cinco de los cuales eran médicos y cinco enfermeras que trabajan en asistencia directa a las mujeres durante el período de parto. El instrumento fue validado por su contenido, y más del 80% de los 23 ítems propuestos en el instrumento se consideraron representativos para evaluar el uso de buenas prácticas obstétricas en la atención para un parto seguro.

Descriptores: Atención Perinata, Estudios de Validación, Enfermería Obstétrica.

Texto completo:

PDF

Referências

Dulfe PAM, Lima DVM, Alves VH, Rodrigues DP, Barcellos JG, Cherem EO. Presence of a companion of the woman’s choice in the process of parturition: repercussions on obstetric care. Cogitare Enferm. 2016;21(4):01-08.

Santos FAPS, Enders BC, Santos VEP, Dantas DNA, Miranda LSMV. Comprehensive and obstetric care in the Unified Health System (SUS): reflection in the light of Edgar Morin's complexity theory. Esc Anna Nery. 2016;20(4):e20160094.

Aquino EML. Reinventing delivery and childbirth in Brazil: backto the future. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Sup1):S1-S3.

Gomes ARM, Pontes DS, Pereira CCA, Brasil AOM, Moraes LCA. Assistência de enfermagem obstétrica na humanização do parto normal. Rev Recien. 2014; 4(11):23-27.

Gonçalves LD, Costa e Silva J, Rodrigues MS. Boas práticas na assistência ao parto: implicações do plano de parto. Rev Bras Ciênc Vida. 2018; 6(esp).

Pasche DF, Vilela MEA, Gionanni MD, Almeida PVB, Franco Netto TL. Rede Cegonha: desafios de mudanças culturais nas práticas obstétricas e neonatais. Divulg Saúde Debate. 2014; (52):58-71.

Medeiros RKS, Ferreira Júnior MA, Pinto DPSR, Vitor AF, Santos VEP, Barichello E. Modelo de validação de conteúdo de Pasquali nas pesquisas em Enfermagem. Rev Enferm Ref. 2015; serIV(4):127-135.

Coluci MZO, Alexandre NMC, Milani D. Construção de instrumentos de medida na área da saúde. Ciência Saúde Coletiva. 2015; 20(3):925-936.

Pasquali L, colaboradores. Validade dos testes. Rev Examen. 2017; 1(1):14-48.

Pinto JS, Lopes JM, Oliveira JV, Amaro JP, Costa LD. Métodos para estimação de reprodutividade de medidas. Portugal: Faculdade de Medicina do Porto. 2018. Disponível em: https://users.med.up.pt/~joakim/intromed/estatisticakappa.htm. Acesso 20 nov 2019.

Pasquali L. Instrumentação psicológica: fundamentos e práticas. 1th ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Carvalho EMP, Göttems LBD, Pires MRG. Adherence to best care practices in normal birth:construction and validation of an instrument. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(6):889-897.

Lima WS, Santana MDO, Sá JS, Oliveira MC. Assistência ao parto e suas mudanças ao longo do tempo no Brasil. Rev Multidebates. 2018; 2(2):41-55.

Cavalcante LA. O parto no Brasil: pressupostos para uma assistência humanizada à gestante e ao nascituro. Arquivos CRM-PR. 2016; 33(131):1-12.

Rodrigues CF, Poblete M, Lipinski J, Zamberlan C. Práticas atuais de amamentação na primeira hora de vida em uma maternidade de risco habitual. Rev Eletr Acervo Saúde. 2020; 12(1):2-10.

Pereira SB, Diaz CMG, Backes MTS, Ferreira CLL, Backes DS. Good practices of labor and birth care from the perspective of health professionals. Rev Bras Enferm. 2018; 71(suppl3):1313-9.

Feijão LBV, BoeckmannL.MM, Melo MC. Conhecimento de enfermeiras residentes acerca das boas práticas na atenção ao parto. Enferm. Foco. 2017; 8(3):35-39.

Brasil. Ministério da Saúde. Rede cegonha. Brasília (DF). 2017. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-mulher/rede-cegonha. Acesso 20 nov 2019.

Gottems LBD, Carvalho EMP, Guilhem D, Pires MRGM. Good practices in normal childbirth: reliability analysis of an instrument by Cronbach’s Alpha. Rev Latino Am Enferm. 2018; 26:e3000.


Visualizações do PDF:

37 views


Visualizações do Resumo:

53 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud