Influência dos acidentes e dos procedimentos intra-hospitalares no óbito

Gisele Andrade Menolli, Eleine Aparecida Penha Martins

Resumo

Identificar a influência da gravidade do trauma e do atendimento intra-hospitalar no óbito, em vítimas de acidentes motociclísticos. Estudo transversal, quantitativo com 31 vítimas encaminhadas para o Hospital no norte do Paraná, entre dezembro de 2016 e março de 2017. 80,6% das vítimas eram homens, 48,4% das ocorrências aconteceram durante o dia. As escalas de trauma, Injury Severity Score (TRISS), Revised Trauma Score (RTS) e Injury Severity Score (ISS) evidenciaram escores leves com baixo risco de morte.  Houve associação entre gravidade do trauma e óbito, chegaram ao hospital com imobilizações corporais 61,3%; o protocolo de atendimento ao trauma foi utilizado em 45,2% dos casos; a cirurgia ortopédica compreendeu 43,4%; houve associação das cirurgias com o desfecho óbito; 90,3% das vítimas não tiveram infecção. A gravidade do trauma e cirurgias tiveram associação com o desfecho óbito, todas as vítimas de trauma devem ser atendidas conforme protocolo.

Descritores: Serviço Hospitalar de Admissão de Paciente, Acidentes de Trânsito, Índices de Gravidade do Trauma, Motocicletas.

 

Influence of accidents and in-hospital procedures on death

Abstract: Identification of the influence of trauma severity and the in-hospital care at death, in victims of motorcycle accidents. Cross-sectional, quantitative study, considering 31 victims referred to the Hospital in northern Paraná, between December 2016 and March 2017. 80.6% of the victims were men and 48.4% of the occurrences took place during the daytime. The trauma scales, Injury Severity Score (TRISS), Revised Trauma Score (RTS) and Injury Severity Score (ISS) presented soft scores of low risks of death. There was evidence of association between trauma severity and death, 61.3% of the patients arrived at the hospital with bodily immobilizations; the trauma care protocol was used in 45.2% of cases; surgery comprised 43.4% of cases; there was an association of surgeries with the outcome of death and 90.3% of the victims had no infection. The severity of trauma and surgeries were associated with the outcome of death; all trauma victims should be treated according to the protocol.

Descriptors: Hospital Service for patient Admission, Traffic-Accidents, Trauma Severity Indices, Motorcycles.

 

Influencia de los accidentes y procedimientos intrahospitales en la muerte

Resumen: Identificar la influencia de la gravedad del trauma y del atendimiento intrahospitalario en la muerte, en víctimas de accidentes motociclísticos. Estudio transversal, cuantitativo con 31 víctimas encaminadas para el Hospital en el Norte del Paraná, entre diciembre de 2016 y marzo de 2017. El 80.6% de las víctimas eran hombres, un 48.4% de los casos ocurrieron durante el día. La puntuación de los traumas, Injury Severity Score (TRISS), RevisedTrauma Score (RTS) y Injury Severity Score (ISS) evidenciaron scores leves con bajo riesgo de muerte. Hubo asociación entre la gravedad del trauma y la muerte, llegaron al hospital con inmovilizaciones corporales el 61.3%; el protocolo de atendimiento al trauma fué utilizado el 45.2% de los casos; la cirugía ortopédica comprendió 43.4%; hubo asociación de las cirugías con la muerte; el 90.3% de las víctimas no tuvieron infección. La gravedad del trauma y cirugías tuvieron asociación con la muerte, todas las víctimas de trauma deben ser atendidas según el protocolo.

Descriptores: Servicio Hospitalar de Admisión de Paciente, Accidentes de Transito, Indices de Gravedad del Trauma, Motocicletas.

Texto completo:

PDF

Referências

Organização Das Nações Unidas no Brasil. OMS recomenda limite de 50km/h para reduzir mortes no trânsito; velocidade alta causa um terço de óbitos por acidentes. Rio de Janeiro: ONU. 2017. Disponível em: .

Organização Pan-Americana da Saúde. Traumas matam mais que as três grandes endemias: malária, tuberculose e AIDS. Rio de Janeiro: OPAS. 2017. Disponível em: .

Novo FCF. Prevenção do trauma: atuação no trauma: uma abordagem para a enfermagem. São Paulo: Atheneu. 2009.

American College Of Surgeons. Resources for optimal care of the injured patient: 2006. Chicago: Committeeon Trauma American College of Surgeons. 2007.

Fraga GP, Mantovani M, Magna LA. Índices de trauma em pacientes submetidos à laparotomia. Rev Col Bras Cirur. 2004; 31(5):299-306.

Mantovani M, Fraga GP. Escores e índices do trauma. In: Souza HP, Breigeiron R, GabiattiG. Cirurgia do trauma: condutas diagnosticas e terapêuticas. São Paulo: Atheneu. 2003.

Pereira GA Jr, Scarpelini S.; Basile A Filho, Andrade JI. Índices de trauma. Medicina 1999; 32:237-50.

World Health Organization. Diretrizes para o desenvolvimento de programas de qualidade no atendimento ao trauma. Geneva: WHO. 2009. Disponível em: .

Carvalho ICCM, Saraiva IS. Perfil das vítimas de trauma atendidas pelo serviço de atendimento móvel de urgência. Rev Interd. 2015; 8(1):137-48.

Vieira RC, Hora EC, Oliveira DV, Vaez AC. Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um centro de referência ao trauma de Sergipe. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(6):1359-63.

Santos LFS, Fonseca JMA, Cavalcante BLS, Lima CM. Estudo epidemiológico do trauma ortopédico em um serviço público de emergência. Cad Saúde Colet. 2016; 24(4):397-403.

Araujo GL, Yamaguchi IW. Morbidade hospitalar de motociclistas acidentados: fatores associados ao tempo de internação. Acta Paul Enferm. 2016; 29(2):178-84.

Gomes SL, Santos YA, Dourado SBPB, Coêlho DMM, Moura MEB. Perfil das vítimas de acidentes motociclísticos admitidas nas terapias intensivas de um hospital público. Rev Enferm UFPE 2014; 8(7):2004-12.

Cavalcante ACB, Holanda VMH, Rocha CFM, Cavalcante SW, Sousa JPR, Sousa FHR. Perfil dos acidentes de trânsito atendidos por serviço pré-hospitalar móvel. Rev Baiana Enferm. 2015; 29(2):135-45.

Rodrigues APB, Santos AMR, Machado DG, Moura MEB. Caracterização dos acidentes motociclísticos atendidos pelo serviço de atendimento móvel de urgência. Rev Enferm UFPI. 2014; 3(3):73-8.

Dantas BAS, Gomes ATL, Silva MF, Dantas RAN, Torres GV. Avaliação do trauma nos acidentes com motocicletas atendidos por um serviço pré-hospitalar móvel de urgência. Rev. Cuba. Enferm. 2017; 33(2).

Parreira JG, Gregorut F, Perlingeiro JAG, Solda SC, Assef JC. Análise comparativa entre as lesões encontradas em motociclistas envolvidos em acidentes de trânsito e vítimas de outros mecanismos de trauma fechado. Rev Assoc Méd Bras. 2012; 58(1):76-81.

Oliveira NLB, Souza RMC. Fatores associados ao óbito de motociclistas nas ocorrências de trânsito. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(6):1379-86.

Monteiro KS. Perfil do paciente traumatizado: caracterização das variáveis pré e intra-hospitalar. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Ceilância: Universidade de Brasília. 2014.

Souza IM. A importância do colar cervical no APH em vítimas de trauma com grande desprendimento de energia generalizado: curso de formação de soldados [Internet]. Florianópolis: Biblioteca CEBM/SC. 2011. Disponível em: .

Malvestio MAA, Sousa RMC. Análise do valor predeterminante dos procedimentos da fase pré-hospitalar na sobrevivência das vítimas de trauma. Rev Latino Am Enferm. 2008; 16(3).

Arbabi S, Jurkovich GJ, Wahl WL, Franklin GA, Hemmila MR, Taheri PA, et al. A comparison of prehospital and hospital data in trauma patients. J Trauma. 2004; 56(5):1029-32.

Winchell RJ, Hoyt DB. Endotracheal intubation in the field improves survival in patients with severe head injury: trauma research and education foundation of San Diego. Arch Surg. 1997; 132(6):592-7.

Suporte avançado de vida no trauma: programa para médicos. 7a ed. Chicago: ATLS. 2005.

Marques VD, Lemos MM, Bandeira COP, Seidel AC, Peloso SM, Carvalho MDB. Evaluation of care for traffic accidents victims made by on duty emergency physicians and surgeons in the emergency room. Rev Col Bras Cir. 2016; 43(6):458-65.

Belmonte LM, Lange BAA, Silva CM, Silva TO, Belmonte LAO. Levantamento do perfil das vítimas de acidentes motociclísticos internadas em um hospital público de Santa Catarina. Rev Saúde Públ Santa Cat. 2017; 10(1):8-22.

Koizumi MS. Padrão das lesões nas vítimas de acidentes de motocicleta. Rev Saúde Públ. 1992; 26(5):306-15.

Andrade SSCA, Jorge MHPM. Internações hospitalares por lesões decorrentes de acidente de transporte terrestre no Brasil, 2013: permanência e gastos. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26(1):31-8.

Watanabe EM, Almeida VF, Ottunes AF, Dessunti EM, Pieri FM, Martins EAP, et al. Impacto das infecções relacionadas à assistência à saúde em pacientes acometidos por trauma. Semina: Ciênc Biol Saúde. 2015; 36(1):89-98.


Visualizações do PDF:

4 views


Visualizações do Resumo:

14 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud