Uso e negociação de preservativos por acadêmicos de enfermagem

Thelma Spindola, Cláudia Silva Rocha Oliveira, Daniela Marques da Costa, Nathália Lourdes Nepomuceno de Oliveira, Catarina Valentim Vieira da Motta, Laércio Deleon de Melo

Resumo

Identificar o uso e a negociação do preservativo por acadêmicos de enfermagem e discutir as práticas sexuais destes estudantes na perspectiva da prevenção das infecções sexualmente transmissíveis. Descritivo, transversal com abordagem quantitativa, realizado com 153 estudantes de enfermagem de uma instituição privada. Foi empregado um questionário estruturado com 60 perguntas fechadas. Para a análise, utilizou-se a estatística descritiva com o auxílio do Excel for Windows. Foram atendidos todos os aspectos ético-legais. 91% participantes tinham vida sexual ativa. Destes: 72% não faziam uso do preservativo em todos os intercursos sexuais; 59% não usavam com parceria fixa; 76% utilizavam-no nas parcerias sexuais casuais e 90) informaram não usar preservativo feminino. A negociação do uso era realizada por 32 dos participantes. Evidenciou-se uma baixa adesão para o uso contínuo de preservativo, o que, juntamente com as situações de negociações de seu uso, favoreceu a exposição às infecções sexualmente transmissíveis.

Descritores: Negociação, Preservativos, Comportamento Sexual, Infecções Sexualmente Transmissíveis.

 

Use and negotiation of condoms by nursing academics

Abstract: To identify the use and negotiation of condoms by nursing students and discuss the sexual practices of these students with a view to preventing sexually transmitted infections. Descriptive, cross-sectional with a quantitative approach, carried out with 153 nursing students from a private institution. A structured questionnaire with 60 closed questions was used. For the analysis, descriptive statistics was used with the aid of Excel for Windows. All ethical and legal aspects were met. 91% participants had an active sex life. Of these: 72% did not use condoms in all sexual intercourse; 59% did not use with a fixed partnership; 76% used it in casual sexual partnerships and 90% reported not using female condom. Use negotiation was carried out by 32 of the participants. There was a low adherence to the continued use of condoms, which, together with situations of negotiation of their use, favored exposure to sexually transmitted infections.

Descriptors: Negotiating, Condoms, Sexual Behavior, Sexually Transmitted Diseases.

 

Uso y negociación de condones por los académicos de enfermería

Resumen: Identificar el uso y la negociación de condones por parte de académicos de enfermería y discutir las prácticas sexuales de estos estudiantes con miras a prevenir las infecciones de transmisión sexual. Descriptivo, transversal con enfoque cuantitativo, realizado con 153 estudiantes de enfermería de una institución privada. Se utilizó un cuestionario estructurado con 60 preguntas cerradas. Para el análisis, se utilizó estadística descriptiva con la ayuda de Excel para Windows. Se cumplieron todos los aspectos éticos y legales. El 91% de los participantes tenían una vida sexual activa. De estos: 72% no usaban condones en todas las relaciones sexuales; El 59% no lo usó con una sociedad fija; ell 76% lo usó en parejas sexuales casuales y 90) informaron que no usaban condón femenino. La negociación de uso fue realizada por 32 de los participantes. Hubo una baja adherencia al uso continuado de condones, lo que, junto con situaciones de negociación de su uso, favoreció la exposición a infecciones de transmisión sexual.

Descriotores: Negociación, Condones, Conducta Sexual, Enfermedades de Transmisión Sexual.

Texto completo:

PDF

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Brasília: MS; 2018. 232 p.: il. Disponível em: .

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis - DCCI SRTVN. Boletim Epidemiológico de HIV e Aids. Brasília (DF); 2019. 72 p.: il. Disponível em: .

Organização Mundial da Saúde (OMS). Organização Pan-Americana de Saúde (OPA). Escritório Regional das Américas. Plano de Ação para a prevenção e o controle do HIV e de infecções sexualmente transmissíveis 2016-2021. Washington (DC). 2016. 46 p.: il. Disponível em: .

Queiroz CM, Arreguy-Sena C, Krempser P, Leonel M, Melo LD. Triangulation of Methods in Social Representation: Self-Injection of Drugs in (Ex)Users With HIV. RECOM, 2014; 3(4):1229-47.

Holzmann APF, Silva CSDO, Soares JAS, Vogt SE, Alves CDR, Taminato M, et al. Preventing vertical HIV virus transmission: hospital care assessment. Rev Bras Enferm. 2020;73(3):e20190491.

Fonte VRF, Spindola T, Lemos A, Francisco MTR, Oliveira CSR. Knowledge and Perception of Risks Related to Sexually Transmissible Infections Among Young University Students. Cogitare Enfermagem, 2018;23(3):e55903. Doi: Cogitare Enferm. 2018; (23)3:e55903.

Programa das Nações Unidas sobre HIV/Aids. Declaração de Posição sobre Preservativos e a Prevenção do HIV, outras Infecções Sexualmente Transmissíveis e Gravidez Indesejada. [Internet]. 2015. 6 p.: il. Disponível em: .

Spindola T, Oliveira CSR, Ferreira LM, Peixoto HA, Cunha TF, Motta CVV, et al. Dialogging with university students on the prevention of sexually transmitted infections-experience report. Brazilian Journal of Health Review. 2020; 3(2):2612-21.

Francisco MTR, Fonte VRF, Pinheiro CDP, Silva MES, Spindola T, Lima DVM. O uso do preservativo entre os participantes do Carnaval - perspectiva de gênero. Esc Anna Nery. 2016; 20(1):106-113.

Campos HM, Nogueira MJ, Fonseca MC, Schall VT. Saúde sexual, gênero e percepções de adolescentes sobre o preservativo feminino. Rev Adolesc Saude. 2016; 13(suppl.2):26-32.

Schuyler AC, Masvawure TB, Smit JA, Beksinska M, Mabude Z, Ngoloyi C, Mantell JE. Building Young Women’s Knowledge and Skills in Female Condom Use: lessons learned from a South African intervention. Health Education Research, United Kingdom. 2016; 3(2):260-272.

Chaves JC. Juvenile Affective-Sexual Practices: Between Superficiality and Romantic Deepening. Psicologia Sociedade. 2016; 28(2):320-30.

Spindola T, Oliveira CSR, Santana RSC, Sodré CP, André NLNO, Brochado EJ. Práticas Sexuais, Conhecimento e Comportamento dos Universitários em Relação às Infecções Sexualmente Transmissíveis. Rev Fund Care Online. 2019; 11(5):1135-41.

Spindola T, Sodré CP, Oliveira CSR, Oliveira BI, Santana RSC, André NLNO. Práticas sexuais e cuidados relacionados à saúde sexual de graduandos de enfermagem frente às infecções sexualmente transmissíveis. Rev Enferm UFSM, 2019; 9(20):1-17.

Lima EGS, Almeida IBP, Stevão CBG, Miranda AC. O Embate Qualitativo/Quantitativo no Processo de Avaliação. Revista da Faculdade de Educação, 2019; 9(11):81-96.

Brasil. Diário Oficial da União (DOU). Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Brasília, DF, Ago, 2013. Disponível em: .

Silvestre AL. Análise de dados e estatística descritiva. Escolar editora. 2007. 245 p. Disponível em: .

Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior 2018: notas estatísticas. 2019. Disponível em: .

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem no Brasil. 2015. Disponível em: .

Delatorre MZ, Dias ACG. Conhecimentos e práticas sobre métodos contraceptivos em estudantes universitários. Rev. SPAGESP, 2015; 16(1):60-73.

Meneses AFS, Santos EC. Sexo e Religião: Um estudo entre jovens evangélicos sobre o sexo antes do casamento. Clínica e Cultura. 2013; 11(1):83-92.

Brasil. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola (PSE), e dá outras providências. Disponível em: .

Coutinho RZ, Miranda-Ribeiro P. Religião, religiosidade e iniciação sexual na adolescência e juventude: lições de uma revisão bibliográfica sistemática de mais de meio século de pesquisas. Rev Bras Est Pop. 2014; 31(2):333-65.

Dantas KTB, Spindola T, Teixeira SVB, Lemos ACM, Ferreira LEM. Young academics and the knowledge about sexually transmitted diseases - contribution to care in nursing. J Res: Fundam Care Online. 2015; 7(3):3020-36.

Sales WB, Caveião C, Visentin A, Mocelin D, Costa PM, Simm EB. Comportamento sexual de risco e conhecimento sobre IST/SIDA em universitários da saúde. Rev Enferm Ref. 2016; 4(10):19-27.


Visualizações do PDF:

4 views


Visualizações do Resumo:

11 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud