Aspectos epidemiológicos da tuberculose: um estudo de coorte

Thaís Fernanda Leitão Casellato

Resumo

O domicílio é apontado como importante ambiente de transmissão da hanseníase. Identificar e descrever os fatores sociodemográficos e epidemiológicos dos contatos intradomiciliares de casos de hanseníase, numa cidade hiperendêmica. Pesquisa descritiva e transversal, com 146 contatos. A maioria (83,6%) residia de 10 ou mais anos no município; relatou que não fizeram exame neurodermatológico (69,1%). 124 (84,9%) contatos possuíam uma cicatriz da vacina BCG-id e desses, 65 (52,4%) não receberam nenhuma dose após a descoberta do caso. Foram 28 casos novos intradomiciliares que adoeceram após o diagnóstico do caso índice. Deve-se implementar ações de melhoria quanto a vigilância de contatos de hanseníase com monitoramento dos resultados dos processos assistenciais que incluam ações específicas de controle dos comunicantes intradomiciliares, o qual consideramos como um dos pilares estratégicos para a quebra da cadeia epidemiológica da doença

Descritores: Hanseníase, Epidemiologia, Transmissão de Doença Infecciosa, Habitação.

 

Intradomiciliary contacts: epidemiological aspects and their importance for the elimination of leprosy

Abstract: Leprosy is a public health problem in Brazil and is second on the list of endemic diseases in the world. The household has been identified as an important environment for the transmission of leprosy. To identify and describe the clinical and epidemiological profile of leprosy patients and the sociodemographic and epidemiological profile of their household contacts. Descriptive, transversal research with 146 households. The majority lived in the municipality for 10 years or more; reported that they had not taken the dermato-neurological examination. 124 (84.9%) contacts had a BCG-id vaccine scar and of these, 65 (52.4%) received no dose after the case was discovered. There were 28 new household cases that became ill after the diagnosis of the index case. Improvement actions regarding leprosy contacts should be implemented with monitoring of the results of care processes, including actions and specifications for document control with household documents, or which considerations are necessary

Descriptors: Leprosy, Epidemiology, Disease Transmission Infectious, Household.

 

Contactos intradomiciliarios: aspectos epidemiológicos y su importancia para la eliminación de la lepra

Resumen: El hogar se considera un importante entorno de transmisión de lepra. identificar y describir los factores sociodemográficos y epidemiológicos de los contactos domésticos en casos de lepra en una ciudad hiper-endémica. Investigación descriptiva y transversal, con 146 contactos. La mayoría (83,6%) vivió durante 10 años o más en el municipio; informaron que no se sometieron a un examen neurodermatológico (69,1%). 124 (84,9%) contactos tenían una cicatriz de vacuna BCG-id y de estos, 65 (52,4%) no recibieron ninguna dosis después del descubrimiento del caso. Hubo 28 nuevos casos en el hogar que enfermaron después del diagnóstico del caso índice. Se deben implementar acciones de mejora en relación con la vigilancia de los contactos de lepra con el monitoreo de los resultados de los procesos de atención que incluyen acciones específicas para el control de los contactos domésticos, que consideramos como uno de los pilares estratégicos para romper la cadena epidemiológica de la enfermedad.

Descriptores: Lepra, epidemiología, Transmisión de Enfermedad Infecciosa, Vivienda.

Texto completo:

PDF

Referências

Bertolli Filho C. História social da tuberculose e do tuberculoso: 1900-1950. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2001.

Raja A. Immunology of Tuberculosis Indian. Califórnia/USA. J Med Res. 2004; 120:213-32.

Rouquayrol MZ, Almeida Filho N. Epidemiologia & Saúde. 5°ed. Rio de Janeiro: MEDSI. 1999; 215-270.

World Health Organization. Global tuberculosis report 2018. Geneva: World Health Organization. 2018.

Stop Tb. The Global Plan to Stop TB. Geneva: World Health Organization. 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. 50. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. 2011.

Oliveira HB, Cardoso J. Tuberculose no sistema prisional de Campinas, São Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2004; 15(3):194-9.

Wallace F. Compliance of patients and physicians: experience and lessons from tuberculosis. Br Med J. 2003; 287:101-104.

Casellato TFL. Aspectos Epidemiológicos da Tuberculose no Município de Campinas, SP em 2006. Dissertação de mestrado. Campinas, SP: Faculdade de Ciências Médicas Universidade Estadual de Campinas. 2009.

Sánchez AR, Camacho LAB, Diuna V, Larouzé B. A tuberculose nas prisões: uma fatalidade? Cad. Saúde Pública. 2006; 22(12):2510-2510.

Walmsley R. The international Centre for Prision Population List. 5°ed. London, UK. King College. 2003.

Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Sistema prisional: dados consolidados. Brasília - DF, Brasil: 2008.

Prefeitura Municipal de Campinas. Secretaria Municipal de Saúde. Vigilância à Saúde. Campinas, 2007.

Nogueira PA, Abrahão RMCM, Malucelli MIC. Baciloscopia de escarro em pacientes internados nos hospitais de tuberculose do Estado de São Paulo. Rev Bras Epidemiol 2004; 7(1):54-63.

Aerts A, Hauer B, Wanlin, Veen J. Tuberculosis and tuberculosis control in European prisions. Int J Tuberc Lung Dis. 2004; 8(6):785-791.

Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. II Consenso Brasileiro de Tuberculose: diretrizes brasileiras para tuberculose. J Bras Pneumol. 2004; 30(1):25-32.

Brock NN, Reeves M, LaMarre, deVoe B. Tuberculosis case detection in a state prision system. Public Health Rep. 1998; 113(4):359-64.

Conix R, Maher D, Hernán R, Grzemska M. Tuberculosis in prisions in contries with high prevalence. BMJ. 2000; 320:440-442.

Sistema Nacional de Agravos de Notificação: SINAN. Campinas, SP. 2006.

Paula PF. Fatores associados à recidiva, ao abandono e ao óbito no retratamento da tuberculose pulmonar. Tese de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo. 2008.

Scott C, Mangan J, Tillova Z, Jensen PA, Ahmedov S, Ismoilova J, Trusov A. Evaluation of the tuberculosis infection control training center, Tajikistan, 2014-2015. Int J Tuberc Lung Dis. 2017; 21(5):579-585.

Diuana V, Lhuilier D, Sánchez AR, Amado G, Araújo L, Duarte AM et al., Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(8): 1887-1896.

Menezes POR. Projeto de implantação do controle da tuberculose nas instituições penais do município de Salvador/BA. Bol Pneumol Sanit. 2002; 10(2):35-40.

Kiter G, Arpaz S, Keskin S, Sezgin N, Budin D, Seref O. Tuberculosis in Nazili District Prision, Turkey, 1997-2001. Int J Tuberc Lung Dis. 2003; 7(2):153-158.

Rodrigo T, Cayla J, Garcia de Olalla P. Effectiveness of TB control programmes in prisions, Barcelona 1987-2000. Int J Tuberc Lung Dis. 2002; 6:1091-1097.

Vitti WJ. Tuberculose em pessoas privadas de liberdade: situação no Sistema Penitenciário da região de Botucatu-SP, 1993-2003. [Mestrado em Saúde Pública]. Botucatu (SP). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. 2005.

Rutz HJ, Bur S, Lobato MN, Baucom S, Bohle E, Baruch NG. Tuberculosis Control in a Large Urban Jail: Discordance between policy and reality. Journal of Public Health Management & Pratice 2008; 14(5): 442-447.


Visualizações do PDF:

12 views


Visualizações do Resumo:

154 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud