Características do acesso à visita domiciliar: visão de enfermeiros

Luciana Valadão Vasconcelos Alves, Sonia Acioli, Vanessa de Almeida Ferreira Corrêa, Juliana Roza Dias

Resumo

Caracterizar o acesso à visita domiciliar do enfermeiro da Estratégia Saúde da Família, em uma área de planejamento do município do Rio de Janeiro. Estudo descritivo, de abordagem qualitativa, cuja coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, com 25 enfermeiros. Para análise dos dados utilizou-se a técnica hermenêutica-dialética. O acesso à visita domiciliar ocorre através da demanda de agentes comunitários de saúde, observações na consulta de enfermagem e pelo próprio usuário. São visitas voltadas às principais linhas de cuidado, acamados e com dificuldades de deambulação. O acesso à visita domiciliar do enfermeiro volta-se principalmente a agravos específicos e não às práticas de promoção da saúde. Essas informações podem apoiar a construção de estratégias voltadas à ampliação do acesso dos usuários a visita domiciliar do enfermeiro.

Descritores: Saúde da Família, Enfermagem em Saúde Pública, Visita Domiciliar.

 

Analysis of cognitive ergonomics in nursing in hemodialysis clinic

Abstract: To characterize the access to home visits by nurses in the Family Health Strategy, in a planning area in the city of Rio de Janeiro. A descriptive study, with a qualitative approach, whose data collection was carried out through semi-structured interviews, with 25 nurses. For data analysis, the hermeneutic-dialectic technique was used. Access to home visits occurs through the demand for community health agents, observations in the nursing consultation and by the user himself. They are visits aimed at the main lines of care, bedridden and with walking difficulties. Access to the nurse's home visit is directed mainly to specific problems and not to health promotion practices. This information can support the construction of strategies aimed at expanding users access to nurses home visits.

Descriptors: Family Health, Nurses Public Health, House Calls.

 

Características del acceso a visitas domiciliarias: visión de las enfermeiras

Resumen: Caracterizar el acceso a las visitas domiciliarias por parte de enfermeras en la Estrategia de Salud Familiar, en un área de planificación en la ciudad de Río de Janeiro. Estudio descriptivo, con enfoque cualitativo, cuya recolección de datos se realizó mediante entrevistas semiestructuradas, con 25 enfermeras. Para el análisis de datos, se utilizó la técnica hermenéutica-dialéctica. El acceso a las visitas domiciliarias se produce a través de la demanda de agentes de salud comunitarios, observaciones en la consulta de enfermería y por el propio usuario. Son visitas dirigidas a las principales líneas de atención, encamadas y con dificultades para caminar. El acceso a la visita domiciliaria de la enfermera se dirige principalmente a problemas específicos y no a prácticas de promoción de la salud. Esta información puede apoyar la construcción de estrategias destinadas a ampliar el acceso de los usuarios a las visitas domiciliarias de las enfermeras.

Descriptores: Salud Familiar, Visita Domiciliaria, Enfermería en Salud Pública.

Texto completo:

PDF

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 183, 22 set. 2017. Seção I, p. 68.

Silva SA, Baitelo TC, Fracolli LA. Avaliação da atenção primária à saúde: a visão de usuários e profissionais sobre a estratégia de saúde da família. Rev Latino Am Enferm. 2015; 23(5):979-987.

Cecilio LCO, Reis AAC. Apontamentos sobre os desafios (ainda) atuais da atenção básica à saúde. Cad Saúde Pública. 2018; 34(8):1-14.

Kebian LVA; Acioli S. Práticas de cuidado de enfermeiros e agentes comunitários de saúde da estratégia saúde da família. Ciênc Cuid Saúde. 2015; 14:893-900.

Machado BC, Fracolli LP, Gomes MFP. Atenção domiciliar do enfermeiro na estratégia saúde da família. Mundo Saúde. 2015; 39(4): 470-75.

Andrade AM, Silva KL, Seixas CT, Braga PP. Nursing practice in home care: an integrative literature review. Rev Bras Enferm. 2017; 70(1):199-208.

Garcia MRL, Sacramento DS, Oliveira HM, Gonçalves MJF. Visitas domiciliares do enfermeiro e sua relação com as internações por doenças sensíveis à atenção básica. Esc Anna Nery. 2019; 23(2):1-9.

Acioli S, Kebian LVA, Dias JR, Corrêa VAF, Daher DV, Martins ALX. Scientific and popular knowledge in Family Health Strategies from a hermeneutic-dialectic perspective. Online Braz J Nurs. 2016; 15(4):644-54.

Taquette SR, Minayo MCS, Rodrigues AO. The perceptions of medical researchers on qualitative methodologies. Cad Saúde Pública. 2015; 31(4):722-32.

Magalhães KA, Giacomin KC, Santos WJ, Firmo JOA. A visita domiciliária do agente comunitário de saúde a famílias com idosos frágeis. Ciênc Saúde Colet. 2015; 20(12):3787-96.

Gaíva MAM, Siqueira VCA. A prática da visita domiciliária pelos profissionais da Estratégia Saúde da Família. Ciênc Cuid Saúde. 2011; 10(4):697-704.

Farias DN, Ribeiro KSQS, Anjos UU, Brito GEG. Interdisciplinaridade e interprofissionalidade na estratégia saúde da família. Trab Educ Saúde. 2018; 16(1):141-162.

Asensi FD, Aidar A, Ramos F, Pinheiro R. Judicialização, direito à saúde e prevenção. RECIIS - Rev Eletr Comun Inf Inov Saúde. 2015; 9(1):1-10.

Santos DS, Mishima SM, Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(3):861-70.

Mandú ENT, Gaíva MAM, Silva MA, Silva AMN. Visita domiciliária sob o olhar de usuários do programa saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(1):131-40.

Arruda CAM, Bosi MLM. Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: um estudo qualitativo no nordeste do Brasil. Interface. 2017; 21(61):321-32.

Ministério da Saúde. Protocolos da atenção básica: saúde das mulheres. Brasília: Ministério da Saúde. 2016. Disponível em: . Acesso em 13 abr 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Brasília: Ministério da Saúde. 2012. Disponível em: . Acesso em 10 abr 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: . Acesso em 10 abr 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde. 2006. Disponível em: . Acesso em 10 abr 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: . Acesso em 13 abr 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: . Acesso em 10 abr de 2020.

Tesser CD, Norman AH, Vidal TB. Acesso ao cuidado na Atenção Primária à Saúde brasileira: situação, problemas e estratégias de superação. Saúde Debate. 2018; 42(1):361-378.


Visualizações do PDF:

23 views


Visualizações do Resumo:

68 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud