Construção do circuito afetivo-representacional de adolescentes que vivem com HIV

Renê dos Santos Spezani, Denize Cristina de Oliveira

Resumo

Descrever como é construído o circuito afetivo-representacional dos adolescentes que vivem com HIV e analisar os desafios que emergem dessa construção para o conhecimento e a assistência de enfermagem. Pesquisa exploratória, desenvolvida em ambulatório de hospital de referência para tratamento de HIV/aids na cidade do Rio de Janeiro, com 42 adolescentes soropositivos ao HIV. Os dados foram coletados mediante instrumento de contextualização dos sujeitos e entrevistas semiestruturadas e analisados com base nas proposições metodológicas da Teoria Ego-ecológica e análise de conteúdo temática.  A construção do circuito afetivo-representacional dos adolescentes é mediada por um processo dialógico psicocontextual, que transcorre em meio a vivências demarcadas pela necessidade de encobrimento do diagnóstico em suas relações cotidianas. A valorização desse circuito se faz necessária para as práticas de enfermagem, visto que configura possibilidades de estabelecer percursos que possam dar maior resolutividade às demandas de saúde dos adolescentes que vivem com HIV.

Descritores: Adolescente, Cuidados de Enfermagem, Soropositividade para HIV.

 

Construction of the affective-representational circuit of adolescentes living with HIV

Abstract: Describe how the affective-representational circuit of adolescents living with HIV is constructed and analyze the challenges that emerge from this construction for nursing knowledge and care. Exploratory research, developed at a referral hospital for treatment of HIV / AIDS in the city of Rio de Janeiro, with 42 HIV-positive adolescents. Data were collected through subject contextualization instrument and semi-structured interviews and analyzed based on the methodological propositions of the Ego-ecological theory and thematic content analysis. The construction of adolescents affective-representational circuit is mediated by a contextual psychological process, that takes place in the midst of experiences marked by the need to cover up the diagnosis in their daily relationships. The evaluation of this circuit is necessary for nursing practices since it configures possibilities to establish pathways that can give greater resolution to the health demands of adolescents living with HIV.

Descriptors: Adolescent, Nursing Care, Seropositivity HIV.

 

Construcción del cicuito afectivo-representativo de adolescentes com VIH

Resumen: Describir cómo se construye el circuito afectivo-representativo de los adolescentes que viven con el VIH y analizar los desafíos que surgen de esta construcción para el conocimiento y la atención de enfermería. Investigación exploratoria, desarrollada en un hospital ambulatorio de referencia para el tratamiento del VIH / SIDA en la ciudad de Río de Janeiro, con 42 adolescentes VIH positivos. Los datos fueron recolectados por medio del instrumento de contextualización del sujeto y entrevistas semiestructuradas y analizados en base a las propuestas metodológicas de la Teoría Eco-Ecológica y el análisis de contenido temático. La construcción del circuito afectivo-representativo de los adolescentes está mediada por un proceso dialógico psico-contextual, que tiene lugar en medio de experiencias marcadas por la necesidad de encubrir el diagnóstico en sus relaciones cotidianas. La apreciación de este circuito es necesaria para las prácticas de enfermería, ya que configura posibilidades para establecer vías que puedan dar una mayor resolución a las demandas de salud de los adolescentes que viven con el VIH.

Descriptores: Adolescente, Cuidado de Enfermería, Seropositividad al HIV.

Texto completo:

PDF

Referências

Amaral RS, Carvalho STRF, Silva FMAM, Dias RS. Soropositividade para HIV/AIDS e características sociocomportamentais em adolescentes e adultos jovens. Rev Pesq Saúde. 2017; 18(2): 108-113.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV AIDS 2018. Brasília/DF. 2018. Disponível em: . Acesso em 20 nov 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Crianças e Adolescentes. Brasília/DF. 2018. Disponível em: . Acesso em 19 out 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei Orgânica de Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação de saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília/DF. 1990. Disponível em: . Acesso em 19 out 2019.

Zavalloni M, Louis-Guérin C. Identité sociale et conscience: introduction à l’égo ecologie. Quebec: Les Presses de I’ Université de Montreal. 1984.

Zavalloni M. The affective-representational circuit as the foundation os identity. New Ideas Psychol. 1986; 4(3):333-349.

Spezani RS. Entre sombras e representações: a construção da identidade psicossocial dos adolescentes que vivem com HIV/AIDS. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2015. Disponível em: . Acesso em 16 mai 2019.

Lacerda MR, Costenaro RG. Metodologias da pesquisa para enfermagem e saúde: da teoria à prática. Porto Alegre: Moriá. 2016.

Thompson ED, Ashwill JW. Uma introdução à enfermagem pediátrica. 6. ed. Porto Alegre: Artes Médicas. 1996.

Oliveira DC. Análise de conteúdo temático-categorial: uma proposta de sistematização. Rev Enferm. UERJ. 2008; 16(4):569-576.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/12. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília/DF. 2012. Disponível em: . Acesso em 19 out 2019.

Barreto MMM. As formas de transmissão do HIV AIDS determinando representações: um estudo entre adolescentes soropositivos. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2011. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2019.

Jesus GJ, Oliveira LB, Caliari JS, Queiroz AAFL, Gir E, Reis RK. Dificuldades do viver com HIV/Aids: Entraves na qualidade de vida. Acta Paul Enferm. 2017; 30(3):301-7.

Sousa PKR, Torres DVM, Miranda KCL, Franco AC. Vulnerabilidades presentes no percurso vivenciado pelos pacientes com HIV/AIDS em falha terapêutica. Rev Bras Enferm. 2013; 66(2):202-7.

Arcoverde MAM, Conter RS, Silva RMM, Santos MF. Sentimentos e expectativas da gestante vivendo com HIV: um estudo fenomenológico. REME - Rev Min Enferm. 2015; 19(3):561-566.

Goffman E. Estigma: notas sobre a identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC. 2008.

Jodelet D. O movimento de retorno ao sujeito e a abordagem das representações sociais. Soc Est. 2009; 24(3):679-712.

Caliari JS, Reinato LAF, Pio DPM, Lopes LP, Reis RK, Gir E. Qualidade de vida de idosos vivendo com HIV/aids em acompanhamento ambulatorial. Rev Bras Enferm. 2018; 71(sup.1):556-65.

Coutinho MFC, Dywer GO, Frossard V. Tratamento antirretroviral: adesão e a influência da depressão em usuários com HIV/Aids atendidos na atenção primária. Saúde Debate. 2018; 42(116):148-161.

Silva JAG, Dourado I, Brito AM, Silva CAL. Fatores associados à não adesão aos antirretrovirais em adultos com AIDS nos seis primeiros meses da terapia em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2015; 31(6):1188-1198.

Remor KVT, Ogliari LC, Sakae TM, Galato D. Adesão aos antirretrovirais em pessoas com hiv na grande Florianópolis. Arq Catarin Med. 2017; 46(2):53-64.

Rocha GSA, Angelim RCM, Andrade ARL, Aquino JM, Abrão FMS, Costa AM. Cuidados de enfermagem aos indivíduos soropositivos: reflexão à luz da fenomenologia. REME - Rev Min Enferm. 2015; 19(2):262-265.

Silva PEL, Monma JMA, Souza ACO, Barbosa EV, Carvalho FA, Lemos PEB, et al. O adolescente com a síndrome da imunodeficiência adquirida: a utilização da NANDA e da SAE. São Paulo: Rev Recien. 2017; 7(21):49-55.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Cuidado integral às pessoas que vivem com HIV pela Atenção Básica - Manual para a equipe multiprofissional. Brasília/DF. 2015. Disponível em: . Acesso em 20 ou 2019.


Visualizações do PDF:

0 views


Visualizações do Resumo:

2 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud