Violência doméstica: caracterização das mulheres vítimas de agressão física em Joinville

Larissa de Jesus Sampaio, Nathalia Pereira Gomes, Tadiana Maria Alves Moreira

Resumo

As mulheres são agredidas apenas por serem do sexo feminino, reafirmando que o gênero pode ser um fator de risco tão discriminador e nocivo quanto raça, cor, religião, classes sociais entre outros. Conhecer as características socioeconômicas, demográficas e epidemiológicas de mulheres agredidas no município de Joinville-SC, além de compreender em qual contexto ocorre a violência doméstica. Pesquisa descritiva, transversal com abordagem quantitativa. Os dados foram coletados do SINAN. As vítimas de violência doméstica possuem em média 34 anos, são de cor branca, escolaridade ensino fundamental, são casadas ou vivem em união consensual e residem nos bairros das Regiões Sul e Sudeste. Verificou-se que houve falta de preenchimento das fichas na maioria das notificações. Todas as mulheres estão sujeitas à violência doméstica, especialmente as pertencentes a grupos vulneráveis; faz-se necessário melhorias na capacitação dos profissionais acerca da identificação destas vítimas e preenchimento das fichas de investigação.

Descritores: Violência Doméstica, Mulheres, Política Pública.

 

Domestic violence: characterization of women victims of physical aggression in Joinville

Abstract: Women are assaulted just by being of the feminine sex, reasserting that gender can be a risk factor as discriminating and harmful as race, color, religion, and social classes among others. Know the socioeconomic, demographic, and epidemiological characteristics of women assaulted in the city of Joinville-SC, besides comprehending in which context domestic violence occurs. Descriptive and transversal research with a qualitative approach. The data were collected from SINAN. The victims of domestic violence were identified as having an average age of 34 years, are white, with basic education, are married or live in a consensual union and reside in the neighborhoods of the South and Southeast regions. A lack of fully filled out forms was identified in most of the notifications. All women are subjected to domestic violence, especially the ones belonging to vulnerable groups; the improvement of professional training is necessary concerning the identification of these victims, as well as the filling out of the epidemiological investigation forms. 

Descriptors: Domestic Violence, Women, Public Policy.

 

Violencia doméstica: caracterización de las mujeres víctimas de agresión física en Joinville

Resumen: Las mujeres son agredidas sólo por ser femeninas, reafirmando que el género puede ser un factor de riesgo tan discriminador y nocivo como raza, color, religión, clases sociales entre otros. Conocer las características socioeconómicas, demográficas y epidemiológicas de mujeres agredidas en el municipio de Joinville-SC, además de comprender en qué contexto ocurre la violencia doméstica. Investigación descriptiva y transversal con enfoque cuantitativo. Los datos fueron recolectados del SINAN. Las víctimas de violencia doméstica poseen en promedio 34 años de edad, son de color blanco, escolaridad primaria, están casadas o viven en unión consensual y residen en los barrios de las Regiones Sur y Sudeste. Se encontró que hubo falta de llenado de los formularios en la mayoría de las notificaciones. Todas las mujeres están sujetas a la violencia doméstica, especialmente a las pertenecientes a grupos vulnerables; se hacen necesarias mejoras en la capacitación de los profesionales acerca de la identificación de estas víctimas y el llenado de los formularios de investigación.

Descriptores: Violencia Doméstica, Mujeres, Política Pública.

Texto completo:

PDF

Referências

Amaral NA, Amaral CA, Amaral TLM. Mortalidade feminina e anos de vida perdidos por homicídio/agressão em capital brasileira após promulgação da Lei Maria da Penha. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2013; 22(4):980-988. Disponível em: . Acesso em 31 mar 2018.

Brasil. Instituto de Pesquisa Datasenado. Secretaria de Transparência. Violência doméstica e familiar contra a mulher: Pesquisa DataSenado. 7. ed. Brasília, 2017a. 82 p. Disponível em: . Acesso em 30 mar 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência intrafamiliar: Orientações para a prática em serviço. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. 100 p. (Série Cadernos de Atenção Básica n.8). Disponível em: . Acesso em 30 mar 2018.

Faundes A, Rosas CF, Bedone AJ, Orozco LT. Violência sexual: procedimentos indicados e seus resultados no atendimento de urgência de mulheres vítimas de estupro. Rio de Janeiro: Rev Bras Ginecologia Obstetrícia. 2006; 28(2):126-135. Disponível em: . Acesso em 31 mar. 2018.

Santa Catarina. Gerência de Estatística e Análise Criminal/diretoria de Informação e Inteligência. Secretaria de Segurança Pública. Violência contra a mulher, 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

Cordeiro LAM, Cordeiro SM, Lima CC, Franco TLB, Gradim CVC. Violência contra a mulher: Revisão integrativa. Recife: Rev Enferm UFPE Online. 2013; 7(3):862-869. Disponível em: . Acesso em 25 set 2017.

Rouquayrol MZ, Gurgel M. Epidemiologia e Saúde. 7. ed. Rio de Janeiro: Medbook. 2013. 708.

Joinville. Prefeitura de Joinville. Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável. Cidades em dados, 2017. Disponível em: . Acesso em 26 set 2017.

Mattos PR, Ribeiro IS, Camargo VC. Análise dos casos notificados de violência contra mulher. Curitiba: Cogitare Enferm. 2012; 17(4):738-744. Disponível em: . Acesso em 10 set 2018.

Zart L, Scortegagna SA. Perfil sociodemográfico de mulheres vítimas de violência doméstica e circunstâncias do crime. Erechim: Perspectiva. 2015; 39(148):85-93. Disponível em: . Acesso em 10 set 2018.

Sousa AKA, Nogueira DA, Gradim CVC. Perfil da violência doméstica e familiar contra a mulher em um município de Minas Gerais, Brasil. Rio de Janeiro: Cadernos Saúde Coletiva. 2013; 21(4):425-431. Disponível em: . Acesso em 10 set 2018.

Lettiere A, Nakano AMS. Violência doméstica: as possibilidades e os limites de enfrentamento. Ribeirão Preto: Rev Latino Am Enferm. 2011; 19(6):1-8. Disponível em: . Acesso em 10 set 2018.

Silva LEL, Oliveira MLC. Características epidemiológicas da violência contra a mulher no Distrito Federal, 2009 a 2012. Brasília: Epidemiologia Serviços Saúde. 2016; 25(2):331-342. Disponível em: . Acesso em 12 set 2018.

Ferreira RM, Vasconcelos TB, Moreira Filho RE, Macena RHM. Características de saúde de mulheres em situação de violência doméstica abrigadas em uma unidade de proteção estadual. Rio de Janeiro: Ciência Saúde Coletiva. 2016; 21(12):3937-3946. Disponível em: . Acesso em 12 set 2018.

Bozzo ACB, Matos GC, Beraldi LP, Souza MD. Violência doméstica contra a mulher: Caracterização dos casos notificados em um município do interior paulista. Rio de Janeiro: Enferm UERJ. 2017; 25(11173):1-5. Disponível em: . Acesso em 12 set 2018.

Dias IJ, Santiago BM. Violência de Gênero Contra a Mulher: Perfil de Registros Periciais da Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (GEMOL) - João Pessoa/PB. João Pessoa: Rev Bras Ciências da Saúde. 2014; 18(4):315-324. Disponível em: . Acesso em 12 set 2018.

Silva CD, Gomes VLO, Acosta DF, Barlem ELD, Fonseca AD. Epidemiologia da violência contra a mulher: Características do agressor e do ato violento. Recife: Rev Enferm UFPE Online. 2013; 7(1):8-14. Disponível em: . Acesso em 12 set 2018.

Segato RL. Ensayos sobre género entre la antropología. In: SEGATO, Rita Laura. Las estructuras elementales de la violencia. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes. 2003.

Acosta DF, Gomes VLO, Barlem ELD. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. São Paulo: Acta Paul Enferm. 2013; 26(6):547-553. Disponível em: . Acesso em 12 out 2018.

Rio de Janeiro. Instituto de Segurança Pública. Secretaria de Segurança. Dossiê mulher. 2017. Disponível em: . Acesso em 12 out 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Viva: Vigilância de Violências e Acidentes: 2013 e 2014. Brasília: Ministério da Saúde. 2017. Disponível em: . Acesso em 10 set 2018.

Vasconcelos MS, Holanda VR, Albuquerque TT. Perfil do agressor e fatores associados à violência contra mulheres. Curitiba: Cogitare Enferm. 2016; 21(1):1-10. Disponível em: . Acesso em 12 set 2018.

BRASIL. Instituto de Pesquisa DataSenado. Secretaria de Transparência. Panorama da violência contra as mulheres no Brasil: indicadores nacionais e estaduais. 2. ed. Brasília. 2018; 39. Disponível em: . Acesso em 12 out 2018.


Visualizações do PDF:

42 views


Visualizações do Resumo:

123 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud