Redeterapia: um caminho da percepção à aplicabilidade por enfermeiros

Amanda Raquel Dias Nobre, Amanda Soares, Thaynara Filgueiras Ferreira, Wellyson Souza do Nascimento, Carla Lidiane Jácome dos Santos, Thalys Maynnard Costa Ferreira

Resumo

A assistência qualificada ao recém-nascido prematuro promoveu avanços científicos e tecnológicos que contribuíram para redução da morbimortalidade neonatal. O uso de redes de balanço, a redeterapia pode ajudar no controle da frequência cardíaca e respiração dos bebês, segundo as evidências. O objetivo deste estudo foi verificar a percepção de enfermeiros sobre o uso da redeterapia em recém-nascidos em unidades de cuidados intensivos neonatais. Para isso realizou-se um estudo de campo com abordagem qualitativa, realizado em duas maternidades de referência no cuidado ao recém-nascido. Fizeram parte da amostra vinte profissionais de enfermagem de nível superior do setor de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. A análise dos dados deu-se por técnica de análise do conteúdo proposta por Bardin emergindo duas categorias: Concepções acerca do uso da redeterapia na assistência do enfermeiro ao RNPT; Desafios assistenciais cotidianos frente ao uso da redeterapia por enfermeiros; e benefícios da redeterapia ao RNPT.

Descritores: Enfermagem Neonatal, Procedimento Terapêutico, Recém-nascido Prematuro.

 

Redeterapy: a path of perception to applicability by nurses

Abstract: Qualified care for premature newborns has promoted scientific and technological advances that have contributed to reducing neonatal morbidity and mortality. The use of balance nets, redeterapia can help control the heart rate and breathing of babies, according to the evidence. The aim of this study was to verify the perception of nurses about the use of redeterapy in newborns in neonatal intensive care units. For this, a field study with a qualitative approach was carried out, carried out in two reference maternity hospitals in the care of the newborn. Twenty high-level nursing professionals from the Neonatal Intensive Care Unit sector were part of the sample. The data analysis was performed using the content analysis technique proposed by Bardin, with two categories emerging: Conceptions about the use of redeterapy in nurses' care for PTNB; Daily care challenges regarding the use of redeterapy by nurses; and benefits of PTN redeterapy.

Descriptors: Neonatal Nursing, Therapeutic Procedure, Premature Newborn.

 

Redeterapia: un camino de la percepción a la aplicabilidad por enfermeros

Resumen: La atención calificada para recién nacidos prematuros ha promovido avances científicos y tecnológicos que han contribuido a reducir la morbilidad y mortalidad neonatal. El uso de redes de equilibrio, redeterapia puede ayudar a controlar la frecuencia cardíaca y la respiración de los bebés, según la evidencia. El objetivo de este estudio fue verificar la percepción de las enfermeras sobre el uso de redeterapia en recién nacidos en unidades de cuidados intensivos neonatales. Para ello, se realizó un estudio de campo con un enfoque cualitativo, realizado en dos hospitales de maternidad de referencia al cuidado del recién nacido. Veinte profesionales de enfermería de alto nivel del sector de la Unidad de Cuidados Intensivos Neonatales formaron parte de la muestra. El análisis de datos se realizó utilizando la técnica de análisis de contenido propuesta por Bardin, con dos categorías emergentes: Concepciones sobre el uso de la redeterapia en la atención de enfermeras para PTNB; Desafíos de atención diaria con respecto al uso de la redeterapia por parte de las enfermeras; y beneficios de la redeterapia PTN.

Descriptores: Enfermería Neonatal, Procedimiento Terapéutico, Recién Nacido Prematuro.

Texto completo:

PDF

Referências

Zelkowitz P. Prematuridade e seu impacto sobre o desenvolvimento psicossocial e emocional da criança. In: Enciclopédia sobre o desenvolvimento na primeira infância. McGill University, Canadà. 2016. Disponível em: . Acesso em 20 mar 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual AIDPI Neonatal. Normas e manuais técnicos. Organização Pan-Americana da Saúde. 5ª ed. Brasília - DF. 2014. Disponível em: . Acesso em 15 mar 2018.

Saigal S. Funcionamento comportamental e emocional em bebês prematuros. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância. 2016. Disponível em: . Acesso em 20 mar 2018.

Brasil. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. 1986. Disponível em: . Acesso em 01 mar 2018.

Pereira RM, Gasparino RF, Martinez LB. Formas de assistência humanizada na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Saúde Foco. 2015; 7:203-211.

Otaviano FP. Duarte IP, Soares NS. Assistência da Enfermagem ao Neonato Prematuro em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (Utin). Rev Saúde foco. 2015; 2(1):60-7.

Gomes NRR. Monteiro RCS. As implicações do uso da ‘‘redinha” por bebês prematuros: uma revisão de literatura. Rev Ciênc Saúde. 2014; 16(2):94-97.

Marcelino J. Programas beneficiam bebês prematuros em Sobral. 2017. Disponível em: . Acesso em 04 mar 2018.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

Cintra FAF. Oliveira LD. A humanização do recém-nascido prematuro em Unidade De Terapia Intensiva Neonatal: Uma proposta de protocolo humanizado. 44 f. Monografia (Curso de Enfermagem). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da Universidade São Francisco. Bragança Paulista. 2015. Disponível em: . Acesso em 01 out 2018.

Lino LH, Coelho PG, Fonseca FLA, Filipini R. Os benefícios da rede de balanço em incubadoras utilizadas em recém-nascidos na UTI neonatal: uma estratégia de humanização. Rev Enferm. 2015; 18(1):88-100.

Leonel OS, Porto FR, Silva LJ, Santos IMM. Uso da rede para posicionamento do prematuro na UTI neonatal: análise de notícias eletrônicas. Rev Online Pesq. 2018; 10(1):106-112.

Diário da Assembleia Legislativa (Brasil). Projeto de Lei nº 367, de 2012. Dispõe sobre a implantação do Programa "Terapia da Rede" em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal na rede pública de saúde, e dá outras providências. 2012. Disponível em: . Acesso em 18 set 2018.

Costa KSF, Beleza LO, Souza LM, Ribeiro LM. Rede de descanso e ninho: comparação entre efeitos fisiológicos e comportamentais em prematuros. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 3(7):1-9.

Albuquerque TM, Albuquerque RC. Estratégias de posicionamento e contenção de recém-nascido pré-termo utilizadas em unidades de terapia intensiva neonatal. Rev Interinst Bras Ter Ocup. 2017; 1(1):40-51.

Queiroz CMB, Araújo ADS, Silva LMF, Silva Júnior JAG, Bassi D, Souza CTS et al. Repercussões no neonato da utilização de redes de descanso e posição prono. Rev Investigação Biom. 2017; 9(2):159-167.

Souza KMO, Ferreira SD. Assistência humanizada em UTI neonatal: os sentidos e as limitações identificadas pelos profissionais de saúde. Ciência Saúde Coletiva. 2010; 15(2):471-480.

Silva KL, Matos JAV, França BD. A construção da educação permanente no processo de trabalho em saúde no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Esc Anna Nery. 2017; 21(4):1-8.


Visualizações do PDF:

30 views


Visualizações do Resumo:

119 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud