A maternidade no sistema prisional brasileiro

Larissa Silva Pereira, Adailda Silva dos Santos Santana, Janize Silva Maia

Resumo

Compreender como se dá a maternidade no sistema prisional brasileiro. Revisão integrativa nas bases de dados PUBMED, LILACS e SCIELO, a partir da questão norteadora “como se dá à maternidade no sistema prisional brasileiro?”, resultando em 8 referências selecionadas, categorizadas por semelhança. Mulheres privadas de liberdade têm direito à saúde em ambientes apropriados, devendo ser transferidas para uma unidade que possua estrutura adequada para o acompanhamento gestacional. O nascimento da criança deve ocorrer em unidade hospitalar da secretaria da administração penitenciária e, posteriormente em locais para o acolhimento adequado do bebê, no entanto, a ausência de acomodação e alimentação necessárias, o ambiente insalubre e a superlotação das celas podem prejudicar o processo gravídico puerperal, quando necessidades especiais de saúde são ignoradas. Os programas gestacionais cobertos pelo SUS, não possuem grande relevância dentro das prisões brasileiras prejudicando a integralidade e, sobretudo, a equidade do binômio.

Descritores: Aleitamento Materno, Cuidado Pré-natal, Prisões.

 

The maternity in the brazilian prison system

Abstract: To understand how motherhood occurs in the Brazilian prison system. Integrative review in the PUBMED, LILACS and SCIELO databases, based on the guiding question “How does motherhood occur in the Brazilian prison system?”, resulting in 8 selected versions, categorized by similarity. Women deprived of their liberty have the right to health in appropriate environments and should be transferred to a unit that has adequate structure for gestational follow-up. The birth of the child should occur in the hospital unit of the penitentiary administration department and, subsequently, in places for the proper reception of the baby, however, loss of food, unhealthy environment and overcrowding of cells may impair the puerperal pregnancy process when special health needs are ignored. The managed programs covered by SUS do not have great relevance within the Brazilian prisons harming the completeness and, especially, the equity of the binomial.

Descriptors: Breast Feeding, Prenatal Care, Prisons.

 

Maternidad en el sistema de prisiones brasileñas

Resumen: Comprender cómo se produce la maternidad en el sistema penitenciario brasileño. Revisión integradora en las bases de datos PUBMED, LILACS y SCIELO, basada en la pregunta guía "¿Cómo es la maternidad en el sistema penitenciario brasileño?", Que da como resultado 8 referencias seleccionadas, clasificadas por similitud. Las mujeres privadas de libertad tienen derecho a la salud en entornos apropiados y deben ser transferidas a una unidad que tenga una estructura adecuada para el seguimiento gestacional. El nacimiento del niño debe ocurrir en una unidad hospitalaria de la secretaría de administración penitenciaria y, posteriormente, en lugares para la recepción adecuada del bebé, sin embargo, la falta de alojamiento y alimentación necesarios, el entorno poco saludable y el hacinamiento de las células pueden afectar el proceso de embarazo puerperal, cuando se ignoran las necesidades especiales de salud. Los programas gestacionales cubiertos por el SUS no tienen gran relevancia dentro de las cárceles brasileñas, perjudicando la integridad y, sobre todo, la equidad del binomio.

Descriptores: Lactancia Materna, Atención Prenatal, Prisiones.

Texto completo:

PDF

Referências

Andrade ABCA, Gonçalves MJF. Maternidade em regime prisional: desfechos maternos e neonatais. Rev Enferm UFPE Online. 2018; 12(6):1763-71.

Diuana V, Ventura M, Simas L, Larouzé B, Correa M. Direitos reprodutivos das mulheres no sistema penitenciário: tensões e desafios na transformação da realidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(7):2041-2050.

Barroso SF, Ferrari IF. Mãe encarcerada: laços e desenlaces com a criança. Pesquisas e Práticas Psicossociais. 2016; 11(1):1809-8908.

Brasil. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: INFOPEN. Brasília. 2018. Disponível em: . Acessado em 19 set 2019.

Brasil. Conselho Nacional de Justiça. Cartilha da mulher presa. 2012. Disponível em: . Acessado em 19 set 2019.

Fochi MCS, Higa R, Camisão AR, Turato ER, Lopes MHBM. Vivências de gestantes em situação de prisão. Rev Eletr Enferm. 2017; 19(1):a57.

Matos KKC, Silva SPC, Lima JKS. Representações de mulheres encarceradas sobre gestar na prisão. Rev Enferm UFPE Online. 2018; 12(11):3069-77.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1Pt1):102-6.

Cúnico SD, Brasil MV, Barcinski M. A maternidade no contexto do cárcere: uma revisão sistemática. Estud Pesq Psicol. 2015; 15(2):509-528.

Pereira TG. Atitudes e intervenções de profissionais que atuam junto a mulheres grávidas ou com bebês em contexto prisional. Dissertação mestrado. Faculdade de Saúde Pública da USP. 2015; 134.

Santana AT, Oliveira GRSA, Bispo TCF. Mães do cárcere: vivências de gestantes frente à assistência no pré-natal. Rev Baiana Saúde Pública. 2016; 40(1):38-54.

Oliveira LV, Miranda FAN, Costa GMC. Vivência na maternidade para presidiárias. Rev Eletr Enferm. 2015; 17(2):360-9.

Guimarães ML, Guedes TG, Lima LS, Morais SCRV, Javorski M, Linhares FMP. Promoção do aleitamento materno no sistema prisional a partir da percepção de nutrizes encarceradas. Texto Contexto Enferm. 2018; 27(4):e3030017.

Audi CAF, Santiago MS, Andrade MGG, Francisco PMSB. Inquérito sobre condições de saúde de mulheres encarceradas. Saúde Debate. 2016; 40(109):112-124.

Herdman TH, Kamitsuru S. (org) Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: definições e classificação 2015-2017. Porto Alegre: Artmed. 2015; 496.

Felix RS, França DJR, Nunes JT, Cunha ICBC, Davim RMB, Pereira JB. O enfermeiro na atenção pré-natal às mulheres em sistema carcerário. Rev Enferm UFPE. 2017; 11(10):3936-47.

Matão MEL, Miranda DB, Malaquias A, Souza EL. Maternidade atrás das grades: particularidades do binômio mãe e filho. Rev Enferm Centro-Oeste Mineiro. 2016; 6(2):2235-2246.

Ferrari IF. Mulheres encarceradas e seus filhos: exercício da perversão no mundo capitalista? Rev Latinoam Psicopatol Fundam. 2016; 19(4):678-690.


Visualizações do PDF:

24 views


Visualizações do Resumo:

193 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud