Acolhimento com classificação de risco em um pronto socorro do município de São Paulo: análise dos desfechos dos casos

Camila Kirdeikas Rodrigues, Rosangela Malderran, Neil Ferreira Novo

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar o fluxo de atendimento dos pacientes quanto à classificação de risco e seu desfecho. O Estudo analisou de forma retrospectiva, descritiva e exploratória a classificação de risco recebida pelo paciente e como se deu o desfecho dos casos. Foi realizado em um Hospital Municipal de São Paulo através de busca nos prontuários de pacientes maiores de 18 anos que apresentavam dados da classificação de risco e da alta ou do óbito no mês de abril de 2018. A classificação amarela foi a mais recebida com 34,5%, 87% receberam alta e 13 % foram à óbito. Conclui-se que a Classificação de Risco realizada no hospital através do Sistema de Triagem de Manchester é um bom preditor da gravidade e que avaliar como está sendo realizada é de suma importância, tanto para a segurança dos usuários como para a gestão e o planejamento do Sistema Único de Saúde.

Descripitores: Classificação de Risco, Manchester, Avaliação.

 

Risk classification help in a safe department of the municipality of São Paulo: analysis of case outcome in studying

Abstract: The objective of the study was to evaluate the flow of care of the patients regarding the classification of risk and its outcome. The study analyzed retrospectively, descriptively and exploratory the classification of risk received by the patient and how the outcome of the cases occurred. It was performed at a Municipal Hospital of São Paulo through a search of medical records of patients older than 18 years who presented data on the risk classification and discharge or death in April 2018. The yellow classification was the most received with 34, 5%, 87% were discharged, and 13% died. It is concluded that the risk classification performed at the hospital through the Manchester Screening System is a good predictor of severity and that assessing how it is performed is of paramount importance, both for the safety of users and for the management and planning of the Health Unic System.

Descriptors: Risk Rating, Manchester, Assessment.

 

Hospitalización de clasificación de riesgos en un municipio de São Paulo: análisis de resultados de casos

Resumen: El objetivo del estudio fue evaluar el flujo de atención al paciente con respecto a la clasificación del riesgo y su resultado. El estudio analizó retrospectiva, descriptiva y exploratoriamente la clasificación de riesgo recibida por el paciente y cómo ocurrió el resultado de los casos. Se realizó en un Hospital Municipal de São Paulo mediante la búsqueda en los registros médicos de pacientes mayores de 18 años que presentaron datos de clasificación de riesgo y alta o muerte en abril de 2018. La clasificación amarilla fue la más recibida con 34, 5%, 87% fueron dados de alta y 13% murieron. Se concluye que la Clasificación de Riesgos realizada en el hospital a través del Sistema de Detección de Manchester es un buen predictor de gravedad y que evaluar cómo se realiza es de suma importancia tanto para la seguridad del usuario como para la gestión y la planificación. Sistema único de Salud.

Descriptores: Calificación de Riesgo, Manchester, Calificación.

Texto completo:

PDF

Referências

Pagliotto LF, Souza PB, Thomazini JO, et al. Classificação de risco em uma unidade de urgência e emergência do interior paulista. Cuid Arte Enferm. 2016; 10(2):148-155.

Silva PL, Paiva L, Faria VB, Ohl RIB, Ribeiro SR. Acolhimento com classificação de risco do serviço de pronto-socorro adulto: satisfação do usuário. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(3):427-433.

Souza CC, Toledo AD, Tadeu LFR, Chianca TCM. Classificação de risco em um pronto socorro: concordância entre um protocolo institucional brasileiro e Manchester. Rev Latino Am Enferm. 2011; 19(1):[08 telas].

Guedes HM, Martins JCA, Chianca TCM. Valor de predição do sistema de triagem de Manchester: avaliação dos desfechos clínicos de pacientes. Rev Bras Enferm. 2015; 68(1):45-51.

Perez Junior EF, Paula VG, Santiago LC, et al. Implementação da classificação de risco em unidade de emergência de um hospital público do rio de janeiro - um relato de experiência. Rev Pesq Cuid Fundam Online. 2012; 4(1):2723-32.

Rezende MRM, Ercole FF, et al. Protocolo de Manchester em pronto atendimento de hospital escola. Rev Rene. 2016; 17(6):843-9.

Lo-Biondo-Wood G, Haber J. Pesquisa em enfermagem - métodos, avaliação crítica e utilização. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2001.

Ministério da Saúde (BR). Resolução 466/12 de 12 de Dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. [citado em: 2015, mar 14]. Disponível em: .

Siegel SE, Castellan Jr NJ. Estatística não paramétrica para ciência do comportamento. Segunda edição. Porto Alegre: Arteme. 2006; 448.

Anziliero F, Dal Soler BE, et al. Sistema Manchester: tempo empregado na classificação de risco e prioridade para atendimento em uma emergência. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(4):e64753.

Chianca TCM, et al. Tempos de espera para atendimento usando Sistema de Triagem de Manchester em um hospital de urgência. Rev Min Enferm. 2016; 20:e988.

Gonçales PC, Júnior DP, et al. Relationship between risk stratification in emergency medical services, mortality and hospital length of stay. Invest Educ Enferm. 2015; 33(3): 424-431.

Pinto D Júnior, Salgado PO, Chianca TCM. Validade preditiva do protocolo de classificação de risco de Manchester: avaliação da evolução dos pacientes admitidos em um pronto atendimento. Rev Latino Am Enferm. 2012; 20(6):[08 telas].

Roncalli AA, Oliveira DN, Silva ICM, et al. Protocolo de Manchester e população usuária na classificação de risco: visão do enfermeiro. Rev Baiana Enferm. (2017); 31(2):e16949.


Visualizações do PDF:

41 views


Visualizações do Resumo:

108 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud