Atendimento domiciliar da população idosa: potencialidades e desafios desta modalidade

Ana Priscila Feitosa Define, Celia Maria Francisco, Mayonne Beatrice Kpoghomou

Resumo

O Atendimento Domiciliar é uma tendência mundial que vem sendo implementada como estratégia através do processo de desospitalização. Com o objetivo conhecer as potencialidades e desafios no Atendimento Domiciliar da população idosa, foi feita uma revisão integrativa sobre a temática nas bases de dados LILACS e SCIELO. Os resultados mostram que a população idosa atendida em domicílio é predominantemente do sexo feminino, cujos principais problemas são: Hipertensão Arterial, Acidente Vascular Cerebral e Demência. Como potencialidades, destacam-se a desospitalização, redução de infecções e aumento da autonomia. As estratégias estão voltadas à capacitação dos profissionais, utilização de tecnologias e integração com redes de atenção à saúde. Conclui-se que apesar dos desafios relacionados aos serviços de atendimentos domiciliares, esta modalidade tem muitas potencialidades, como a redução de custos em saúde e infecções, além do cuidado mais centrado no paciente e familiares.

Descritores: Atendimento Domiciliar, Assistência Domiciliar aos Idosos, Serviços de Cuidados Domiciliares.

 

Home care of the elderly population: potentialities and challenges of this modality

Abstract: Home care is a global trend that has been implemented as a strategy through the process of dehospitalization. With the objective of knowing the potentialities and challenges in the home care of the elderly population, an integrative review was made on the theme in the LILACS and SCIELO databases. The results show that the elderly population attended at home is predominantly female, whose main problems are: Arterial hypertension, cerebrovascular accident and dementia. As potentialities, we highlight the dehospitalization, reduction of infections and increased autonomy. The strategies are focused on training professionals, using technologies and integrating with health care networks. It is concluded that despite the challenges related to home care services, this modality has many potential, such as the reduction of health costs and infections, in addition to the care more centered on the patient and family.

Descriptors: Home Care, Home Assistance to the Elderly, Household Services.

 

Atención domiciliaria para la población de personas mayores: potencialidades y desafíos de este modo

Resumen: La Atención Domiciliaria es una tendencia global que se ha implementado como estrategia a través del proceso de deshospitalización. Con el objetivo de conocer las potencialidades y retos en el cuidado domiciliaria de la población anciana, se realizó una revisión integradora del tema en las bases de datos LILACS y SCIELO. Los resultados muestran que la población de edad avanzada atendida en casa es predominantemente femenina, cuyos principales problemas son: hipertensión arterial, accidente cerebrovascular y demencia. Como potencialidades, se destacan la deshospitalización, la reducción de infecciones y el aumento de la autonomía. Las estrategias se centran en la formación de profesionales, el uso de tecnologías y la integración con redes de atención médica. Se concluye que a pesar de los desafíos relacionados con los servicios de cuidado en el hogar, esta modalidad tiene muchos potenciales, como la reducción de los costes sanitarios y las infecciones, además de la atención más centrada en el paciente y la familia.

Descriptors: Atención Domiciliaria, Asistencia domiciliaria a ancianos, Servicios para el hogar.

Texto completo:

PDF

Referências

Brasil. Lei nº 10.741, de 1° de outubro de 2003 (Estatuto do idoso), e legislação correlata. 5. ed., rev. e ampl. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara. 2017; 1-59.

Savassi LCM. Os atuais desafios da Atenção Domiciliar na Atenção Primária à Saúde: uma análise na perspectiva do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Med Família Comunidade. 2016; 11(38):1-12.

Lima AAD, Spagnuolo RS, Patrício KP. Revendo estudos sobre a assistência domiciliar ao idoso. Psicologia em Estudo. 2013; 18(2):343-51.

Vasconcellos JF, Ferreira CN, Santana CES, Souza CR, Valente MLF. Desospitalização para cuidado domiciliar: impactos clínico e econômico da linezolida. J Bras Econ Saúde. 2015; 7(2):110-5.

Nunes BP, Soares MU, et al. Hospitalização em idosos: associação com multimorbidade, atenção básica e plano de saúde. Rev Saúde Pública. 2017; 51:1-10.

Santos LR, Leon CGRMP, Funghetto SS. Princípios éticos como norteadores no cuidado domiciliar. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16:855-63.

Silva AE, Sena RR, Braga PP, et al. Desafios nos modos de pensar e fazer gestão na atenção domiciliar em Minas Gerais. Ciência Cuidado Saúde. 2017; 16(1):1-7.

Mendes KDS, Silveira RCdCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4):758-64.

Thumé E, Facchini LA, Tomasi E, Vieira LAS. Assistência domiciliar a idosos: fatores associados, características do acesso e do cuidado. Rev Saúde Pública. 2010; 44(6):1102-11.

Machado DO, Silva FM, Mahmud SJ, et al. Care demands regarding home care service: a descriptive study. Online Braz J of Nursing. 2014; 13(3):353-61.

Braga PP, Sena RR, Seixas CT, et al. Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21:903-12.

Ferreira FPC, Bansi LO, Paschoal SMP. Serviços de atenção ao idoso e estratégias de cuidado domiciliares e institucionais. Rev Bras Geriat Gerontol. 2014; 17(4):911-26.

Biscione FM, Szuster DAC, et al. Avaliação de efetividade da atenção domiciliar de uma cooperativa médica de Belo Horizonte/MG, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013; 29:s73-s80.

Wachs LS, Nunes BP, Soares MU, et al. Prevalência da assistência domiciliar prestada à população idosa brasileira e fatores associados. Cad Saúde Pública. 2016; 32:e00048515.

Day CB, Paskulin L. Benefícios da atenção domiciliar ao idoso portador de dano crônico: revisão sistemática da literatura. Rev Enferm UERJ. 2013; 21(3):384-90.

Yonekura T, Silva CA, Godoi GA. A desigualdade social e o perfil de saúde dos idosos atendidos por um serviço de assistência domiciliar do município de São Paulo. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. 2017; 22(1):117-127.

Freitas IBA, Meneghel SN, Selli L. A construção do cuidado pela equipe de saúde e o cuidador em um programa de atenção domiciliar ao acamado em Porto Alegre (RS, Brasil). Ciência Saúde Coletiva. 2011; 16:301-10.

Pozzoli SML, Cecílio LCO. Sobre o cuidar e o ser cuidado na atenção domiciliar. Saúde em Debate. 2017; 41:1116-29.

Pires MRGM, Gottems LBD, et al. Sistema de informação para a gestão do cuidado na rede de atenção domiciliar (SI GESCAD): subsídio à coordenação e à continuidade assistencial no SUS. Ciência Saúde Coletiva. 2015; 20:1805-14.

Andrade AM, Brito MJM, et al. Organização das redes de atenção à saúde na perspectiva de profissionais da atenção domiciliar. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(2):111-7.

Silva KL, Sena RR, Feuerwerker LCM, et al. O direito à saúde: desafios revelados na atenção domiciliar na saúde suplementar. Saúde e Sociedade. 2013; 22:773-84.

Castro Villas Bôas ML, et al. Tempo gasto por equipe multiprofissional em assistência domiciliar: subsídio para dimensionar pessoal. Acta Paul Enferm. 2015; 28(1):32-40.

Silva KL, Silva YC, Lage EG, et al. Por que é melhor em casa? a percepção de usuários e cuidadores da atenção domiciliar. Cogitare Enferm. 2017; 22(4):e49660.


Visualizações do PDF:

8 views


Visualizações do Resumo:

87 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud