Óbitos fetais e neonatais: análise do perfil sociodemográfico e clínico obstétrico de genitoras

Francidalma Soares Sousa Carvalho Filha, Elaine Ferreira do Nascimento, Janderson Castro dos Santos, Marcus Vinicius da Rocha Santos da Silva, Hilma Mirella Costa e Silva, Ava Fabian dos Anjos Lima

Resumo

Analisar o perfil sociodemográfico e clínico-obstétrico de mulheres das quais os conceptos evoluíram a óbito, consoante dados de Fichas e Declarações de Óbito Fetal e Infantil com ocorrência em um município maranhense. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, retrospectivo e de cunho documental, com abordagem quantitativa. As fontes de dados foram Fichas de Investigação e Declarações de Óbitos Fetais e Neonatais de mulheres residentes em Caxias-MA. 74,3% das mulheres tinham entre 20 e 39 anos; 61,5% completaram o esquema vacinal; 41% realizaram 6 ou mais consultas; 54% mantiveram a bolsa íntegra, 76,9% residiam na Zona Urbana. É preciso lembrar das atribuições do Estado em proporcionar as condições necessárias ao nascimento saudável e à continuidade da vida. Assim, desenvolver um cuidado integral, por parte de profissionais qualificados, sobretudo de Enfermagem, que mais próximo permanecem junto ao binômio mãe/filho, é essencial para que o direito à vida seja efetivado.

Descritores: Óbito Fetal, Mortalidade, Maternidade.

 

Fetal and neonatal deaths: analysis of the sociodemographic and obstetric clinical profile of the mothers

Abstract: To analyze the socio-demographic and clinical-obstetric profile of women whose conceptions evolved to death, according to data from Fetal and Infant Deaths and Fecal Cases with occurrence in a municipality of Maranhão. This is a descriptive-exploratory, retrospective and documental study, with a quantitative approach. The data sources were Fiches of Investigation and Declarations of Fetal and Neonatal Deaths of women residing in Caxias-MA. 74.3% of the women were between 20 and 39 years old; 61.5% completed the vaccination schedule; 41% had 6 or more consultations; 54% kept the scholarship in full, 76.9% lived in the Urban Zone. It is necessary to remember the attributions of the State in providing the necessary conditions for a healthy birth and the continuity of life. Thus, developing integral care by qualified professionals, especially nursing professionals, who are closest to the mother/child binomial, is essential for the realization of the right to life.

Descriptors: Fetal death, Mortality, Maternity.

 

Óbitos fetales y neonatales: análisis del perfil sociodemográfico y clínico obstétrico de genitoras

Resumen: Analizar el perfil sociodemográfico y clínico-obstétrico de mujeres cuyos nacimientos evolucionaron hasta la muerte, de acuerdo con los datos de los registros y declaraciones de defunciones fetales e infantiles que ocurrieron en un municipio de Maranhão. Se trata de un estudio exploratorio descriptivo, retrospectivo y documental, con enfoque cuantitativo. Las fuentes de datos fueron hojas de investigación y declaraciones de muerte fetal y neonatal de mujeres que viven en Caxias-MA. El 74,3% de las mujeres tenían entre 20 y 39 años; 61.5% completaron el calendario de vacunación; El 41% tuvo 6 o más consultas; El 54% mantuvo intacta su beca, el 76,9% vivía en la zona urbana. Es necesario recordar las atribuciones del Estado al proporcionar las condiciones necesarias para un parto saludable y la continuidad de la vida. Por lo tanto, el desarrollo de una atención integral por parte de profesionales calificados, especialmente Enfermería, más cercanos al binomio madre / hijo, es esencial para hacer realidad el derecho a la vida.

Descriptores: Muerte Fetal, Mortalidad, Maternidad.

Texto completo:

PDF

Referências

Sousa VB, Roecker S, Marcon SS. Ações educativas durante a assistência pré-natal: percepção de gestantes atendidas na rede básica de Maringá-PR. Rev Eletr Enferm. 2007;13(2):199-210.

Montenegro CAB, Rezende Filho J. Obstetrícia fundamental. 12ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2011.

Stovall TG. Abortamento Precoce e Gravidez Ectópica. In: Bereck JS Bereck & Novak: Tratado de Ginecologia. 14ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2012; 449-473.

Brasil. Supremo Tribunal Federal. Relator vota pela possibilidade da interrupção de gravidez de feto anencéfalo. 2012. Disponível em: . Acesso em 6 mai 2018.

Andrade LG, Amorim MMR, Cunha ASC, Leite SRF, Vital SA. Fatores associados à natimortalidade em uma maternidade escola em Pernambuco: estudo caso-controle. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31(6):285-292.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Sup.):S192-S207.

Bittencourt SDA, Reis LGC, Ramos MM, Rattner D, Rodrigues PL, Neves DCO, et al. Estrutura das maternidades: aspectos relevantes para a qualidade da atenção ao parto e nascimento. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Sup.):S208-S219.

Leal MC, Gama SGN, Campos MR, Cavalini LT, Garbayo LS, Brasil CLP, et al. Fatores associados à morbi-mortalidade perinatal em uma amostra de maternidades públicas e privadas do Município do Rio de Janeiro, 1999-2001. Cad Saúde Pública. 2004; 20(Sup.1):S20-S33.

Mcclure EM, Nalubamba-phiri M, Goldenberg RL. Stillbirth in developing countries. Int J Gynaecol Obstet. 2006; 94(2):82-90.

Montenegro CAB, Rezende Filho J. Obstetrícia Fundamental. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2008.

Silva M, Felismino DC, Dantas IC. Malformações fetais: estudo retrospectivo na maternidade da Fundação Assistencial da Paraíba no município de Campina Grande. Rev Biol Ciênc Terra. 2008; 8(1):231-239.

Schoeps D, Almeida MF, Alencar GP, França Jr. I, Novaes HMD, Siqueira AAF, et al. Fatores de risco para mortalidade neonatal precoce. Rev Saúde Pública. 2007; 41(6):1013-1022.

Maran E, Uchimura TT. Mortalidade Neonatal: fatores de risco em um município no sul do Brasil. Rev Eletrônica Enferm. 2008; 10(1):29-38.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar (Rede Cegonha). Área Técnica de Saúde da Mulher. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013.

Matinelli KG, Santos Neto ET, Gama SGN, Oliveira AE. Adequação do processo da assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014; 36(2):56-64.

Machado Filho AC, Sardinha JFJ, Ponte RL, Costa EP, Silva SS, Martinez-Espinosa FE. Prevalência de infecção por HIV, HTLV, VHB e de sífilis e clamídia em gestantes numa unidade de saúde terciária na Amazônia ocidental brasileira. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(4):176-183.

Brasil. Secretaria Executiva. Programa Humanização do Parto: Humanização no Pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde. 2002.

Franciscatto SHG. Delineamento do perfil epidemiológico de puérperas e recém-nascidos. Rev Enferm UFPE online. 2014; 8(5):1149-1156.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretário de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Programa Nacional de Imunizações. Coordenação Geral das Doenças Transmissíveis. Informe Técnico. Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. 2016; 1-41. Disponível em: . Acesso em 2 jul 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico para Implantação da Vacina Adsorvida Difteria, Tétano e Coqueluche (Pertussis Acelular) Tipo adulto - dTpa. 2014. Disponível em: . Acesso em 12 jul 2018.

Guia Prático de Vacinas 2016/2017. Padrão: medicina diagnóstica e preventiva. Minas Gerais: Sbim-MG. 2016.

Sociedade Brasileira de Imunizações - SBIM. Calendário de Vacinação da Mulher. 2016. Disponível em: . Acesso em 3 jan 2018.

Osava RH, Silva FMB, Oliveira SMJV, Tuesta EF, Amaral MCE. Fatores maternos e neonatais associados ao mecônio no líquido amniótico em um centro de parto normal. Rev Saúde Pública. 2012; 46(6):1023-1029.

Espinheira MC, Grilo M, Rocha G, Guedes B, Guimarães H. Síndrome de aspiração meconial: experiência de um centro terciário. Rev Port Pneumologia. 2011; 17(2):71-76.

Silva SL, Marques IR. Análise do registro de dados obstétricos em prontuários. Cogitare Enferm. 2007; 12(2):150-156.


Visualizações do PDF:

48 views


Visualizações do Resumo:

99 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud