Análise epidemiológica dos partos em uma região do nordeste brasileiro

Eláine da Costa Ribeiro, Ana Carolina Patrício de Albuquerque Sousa, Lívia de Azevedo Dantas, Samilania Almeida Marcelino, Lizandra Torres Lima, Gilvania Oliveira Ferreira

Resumo

Verificou-se os partos realizados na 4ª região de saúde do Rio Grande do Norte, possíveis relações entre variáveis sóciodemográficas, obstétricas e condições de saúde do nascido vivo. Estudo epidemiológico. Com registro dos partos, de 2011 a 2015. Há predominância de parto cesáreo. Mulheres que se submeteram ao parto cesáreo apresentaram maior assiduidade no pré-natal, os índices foram semelhantes nas vias parto na gravidez única, o sexo masculino predominante nas cesarianas e feminino no vaginal; na variável cor, não houve diferença significante. O peso foi um fator considerável para o tipo de parto; não houve disparidades entre as vias de nascimento para anomalia congênita e APGAR. Nas mulheres com idade abaixo de 20 anos, prevaleceu o parto normal, já as com idade superior a 20 anos, o parto cesáreo se sobressaiu. O estado civil e o grau de instrução influenciaram a via de parto. Vários achados corroboram com outras pesquisas semelhantes.

Descritores: Indicadores Básicos de Saúde, Saúde Materno Infantil, Parto Normal, Cesárea.

 

Epidemiological analysis and parts in a northeast brazilian region

Abstract: The births performed in the fourth health region of Rio Grande do Norte were analyzed, possible relationships between sociodemographic, obstetric variables and health conditions of the live birth. Epidemiological study. With registration of deliveries, from 2011 to 2015. There is predominance of cesarean delivery. Women who underwent cesarean delivery had higher prenatal attendance, rates were similar in the single-pregnancy delivery, the predominant male cesarean and the vaginal female; in the color variable, there was no significant difference. Weight was a considerable factor for the type of delivery; there were no differences between the birthpaths for congenital anomaly and APGAR. In women under 20 years of age, normal delivery prevailed, while those over 20 years of age, the cesarean section was prominent. Marital status and education influenced the way of delivery. Several findings corroborate other similar research.

Descriptors: Health Status Indicators, Maternal and Child Hearth, Natural Childbirth, Cesarean Sections.

 

Análisis epidemiológico de los partos en una región del nordeste brasileño

Resumen: Se verificaron los partos realizados en la cuarta región de salud de Rio Grande do Norte, posibles relaciones entre variables sociodemográficas, obstétricas y condiciones de salud del nacido vivo. Estudio epidemiológico. Con registro de los partos, de 2011 a 2015. Hay predominio de parto cesáreo. Las mujeres que se sometieron al parto cesáreo presentaron mayor asiduidad en el prenatal, los índices fueron similares en las vías parto en el embarazo único, el sexo masculino predominante en las cesáreas y femeninas en el vaginal; en la variable de color, no hubo diferencia significativa. El peso fue un factor considerable para el tipo de parto; no hubo disparidades entre las vías de nacimiento para la anomalía congénita y APGAR. En las mujeres con edad inferior a 20 años, prevaleció el parto normal, ya las con edad superior a 20 años, el parto cesáreo se sobresalió. El estado civil y el grado de instrucción influenciaron la vía de parto. Varios hallazgos corroboran con otras investigaciones similares.

Descriptores: Indicadores Básicos de Salud, Salud Materno Infantil, Parto Normal, Cesárea.

Texto completo:

PDF

Referências

Sánchez JA, Roche MEM, Vigueras MDN, Peña EB, López MR, Munárriz LA. Los conceptos del parto normal, natural y humanizado. El caso del área I de salud de de la región de Murcia. AIBR, Rev Antropología Iberoamericana. 2012; 7(2):225-47.

Ministério da Saúde (BR). Impactos da cesariana na saúde materna e neonatal. Brasília: Ministério da Saúde. 2013.

Freitas PF, Savi EP. Desigualdades sociais nas complicações da cesariana: uma análise hierarquizada. Cad Saúde Pública. 2011; 27(10):2009-2020.

Costa AP, Bustorff LACV, Cunha ARR, Soares MCS, Araújo VS. Contribuições do pré-natal para o parto vaginal: percepções de puérperas. Rev Rene. 2011; 12(3):548-54.

Rio Grande Do Norte (BR). Secretaria de Estado da Saúde Pública Coordenadoria de Planejamento e Controle de Serviços de Saúde. Plano Estadual de Saúde - PES 2016 - 2019. Natal/RN. 2016.

United nations children’s fund. Committing to child survival: a promise renewed. Progress report. New York. 2014; 104. Disponível em: http://files.unicef.org/ publications/files/APR_2018_web_15Sept14.pdf.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: ATLAS. 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Indicadores populacionais 2015. Rio Grande do Norte. 2015.

Carvalho IS, Costa Júnior PB, Macedo JBPO, et al. Caracterização epidemiológica de partos e nascimentos: estudo ecológico com base em um sistema de informação. Recife: Rev Enferm UFPE online. 2014; 8(3):616-23.

Nolêto MJO. Perfil clinico-epidemiológico das usuárias do SUS no hospital e maternidade dona regina em Palmas - TO no período de 2003 - 2008 [Dissertação]. Brasilia: Universidade de Brasilia. 2011.

World Health Organization. Appropriate technology for birth. Lancet. 1985; 2(8452):436-7.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes de atenção à gestante: a operação cesariana. Brasília: Ministério da Saúde. 2015; 5.

Andrade SG, Vasconcelos YA, Carneiro ARS, Severiano ARG, Terceiro AJMD, Silva TB, et al. Perfil sociodemográfico, epidemiológico e obstétrico de parturientes em um hospital e maternidade de Sobral, Ceará. Rev Pre Infec Saúde. 2018; (4):7283.

Pádua KS, et al. Fatores associados à cesariana. Rev Saúde Pública. 2010; 44(1):70-9.

Ministério da saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde. Série A. normas e manuais técnicos. Cadernos de Atenção Básica n° 32. 2012.

Araujo KRS, Ribeiro JF, Visgueira AF, et al. Estudo sociodemográfico e obstétrico do parto cesariano em uma maternidade pública. Brasília: Rev Gest Saúde. 2016; 7(1):949-62.

Ricci AG, Brizot ML, Liao AW, Nomura RMY, Zugaib M. Acurácia da estimativa ultrassonográfica do peso fetal e influência de fatores materno e fetais. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011; 33(9):240-5.

Fontoura FC. Recém-nascidos com malformações congênitas: prevalência e cuidados de enfermagem na unidade neonatal [dissertação]. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceará. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. 2012.

Barbosa JF, Toé TFD, Simões PW. Incidência de cesariana entre usuárias de um plano de saúde privado. Medicina (Ribeirão Preto). 2015;48(4): 336-41.

Colacioppo MP, Koiffman MD, Riesco MLG, Schneck CA, Osava RH. Parto domiciliar planejado: resultados maternos e neonatais. Rev Enferm Referência. 2010; 3(2):81-90.

Padilha JF, Torres RPP, Gasparetto A, Farinha LB, Mattos KM. Parto e idade: características maternas do estado do Rio Grande do Sul. Santa Maria: Rev Saúde. 2013; 39(2):99¬108.

Sousa WC, Knupp VMAO, Regazzi ICR, Silva ACSS. Perfil epidemiológico do parto no estado do Rio de Janeiro em 2015. Rio de Janeiro: REVA Acad Rev Cient Saúde. 2017; 2(3):43-52.

Cardoso PO, Alberti LR, Petroianu A. Morbidade neonatal e maternas relacionada ao tipo de parto. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(2):427-35.

Bruggemann OM, Parpinelli MA. Evidências sobre o suporte durante o trabalho de parto/parto: uma revisão de literatura. Cad Saúde Pública. 2015; 21(5):1316-327.


Visualizações do PDF:

50 views


Visualizações do Resumo:

122 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud