Medo e dor no trabalho de parto e parto

Ana Paula de Araújo Lima, Marcileide Mendes dos Santos Lima, Glaucia Pereira de Lucena

Resumo

O parto quando é vivenciado com dor, angústia, medo e isolamento, pode levar a distúrbios psicológicos, afetivos e emocionais, podendo influenciar o relacionamento mãe/filho, além de sua vida afetiva e conjugal. A busca dos artigos incluídos na revisão integrativa foi realizada nas seguintes bases de dados: Literatura latino-americana em Ciências de Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e Google Acadêmico. Os 15 artigos selecionados para os resultados foram expostos em forma de quadro para melhor visualização. A discussão dos resultados foi organizada em três subtemas: medo, dor e assistência durante a gestação, parto e pós-parto. Conclui-se que a informação e o conhecimento adquiridos pelas gestantes sobre a dor do trabalho de parto e parto podem minimizar o medo do desconhecido, é necessário que os profissionais de saúde revejam seus conceitos por meio da educação continuada, bem como, a disseminação de informações.

Descritores: Medo, Dor, Parto.

 

Fear and Pain in Labor and Delivery

Abstract: Childbirth when experienced with pain, anguish, fear and isolation can lead to psychological, affective and emotional disturbances, which may influence the mother / child relationship, as well as their affective and conjugal life. The search for the articles included in the integrative review was performed in the following databases: Latin American Literature in Health Sciences (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Virtual Health Library (VHL) and Google Scholar. The 15 articles selected for the results were exposed as a frame for better visualization. The discussion of the results was organized into three sub-themes: fear, pain and assistance during pregnancy, childbirth and postpartum. It is concluded that the information and knowledge acquired by pregnant women about the pain of labor and delivery can minimize the fear of the unknown, it is necessary for health professionals to review their concepts through continuing education, as well as the dissemination of information.

Descriptors: Fear, Pain, Childbirth.

 

Miedo y dolor en el trabajo de parto y parto

Resumen: El parto cuando es vivido con dolor, angustia, miedo y aislamiento, puede llevar a disturbios psicológicos, afectivos y emocionales, pudiendo influenciar la relación madre/hijo, además de su vida afectiva y conyugal. La búsqueda de los artículos incluidos en la revisión integrativa se realizó en las siguientes bases de datos: Literatura latinoamericana en Ciencias de la Salud (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Biblioteca Virtual en Salud (BVS) y Google Académico. Los 15 artículos seleccionados para los resultados fueron expuestos en forma de cuadro para una mejor visualización. La discusión de los resultados fue organizada en tres subtemas: miedo, dolor y asistencia durante la gestación, parto y posparto. Se concluye que la información y el conocimiento adquiridos por las gestantes sobre el dolor del trabajo de parto y parto pueden minimizar el miedo a lo desconocido, es necesario que los profesionales de salud revisen sus conceptos a través de la educación continuada, así como la diseminación de información.

Descriptores: Miedo, Dolor, Parto.

Texto completo:

PDF

Referências

Silva EF, Strapasson MR, Fischer ACS. Métodos não farmacológicos de alívio da dor durante trabalho de parto e parto. R. Enferm. UFSM. 2011; 1(2):261-271.

Silva DAO, Ramos MG, Jordão VRV, Silva RAR, Carvalho JBL, Costa MMN. Uso de métodos não farmacológicos para o alívio da dor durante o trabalho de parto normal: revisão integrativa. Recife: Rev enferm UFPE on line 2013; 7(esp):4161-70.

Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: Assistência humanizada à mulher. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, 2001.

Pereira RR, Franco SC, Baldin N. A dor e o protagonismo da mulher na parturição. Rev Bras Anestesiol. 2011; 61(3):376-388.

Ministério da Saúde. Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal: Versão resumida. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, 2017.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4):758-64.

Botelho LLR, Cunha CCA, Macedo M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Belo Horizonte: Rev. eletronica Gestão e Sociedade. 2011; 5(11):121-136.

Melo LPT, Pereira AMM, Rodrigues DP, Dantas SLC, Ferreira ALA, Fontenele FMC, et al. Representações de puérperas sobre o cuidado recebido no trabalho de parto e parto. Av Enferm. 2018; 36(1):22-30.

Ferreira MLSM, Giaxa TE, Popim RC, Meneguin S. Dor como motivo de busca para assistência ao trabalho de parto hospitalar. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2017. Disponível em: . Acesso em 24 mar 2019.

Rett MT, Oliveira DM, Soares ECG, DeSantana JM, Araújo KCGM. Satisfação e percepção de dor em puérperas: um estudo comparativo após parto vaginal e cesariana em maternidades públicas de Aracaju. ABCS Health Sci. 2017; 42(2):66-72.

Silva SPC, Prates RCG, Campelo BQA. Parto normal ou cesariana? Fatores que influenciam na escolha da gestante. Rev Enferm UFSM. 2014; 4(1):1-9.

Benute GRG, Nomura RY, Santos AM, Zarvos MA, Lucia MCS, Francisco RPV. Preferência pela via de parto: uma comparação entre gestantes nulíparas e primíparas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(6):281-5.

Almeida NAM, Medeiros M, Souza MR. Sentidos da dor do parto normal na perspectiva e vivência de um grupo de mulheres usuárias do Sistema Único de Saúde. Rev. Min. Enferm. 2012; 16(2):241-250.

Almeida NAM, Medeiros M, Souza MR. Perspectivas de dor do parto normal de primigestas no período pré-natal. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2012; 21(4):819-27.

Nilsen E, Sabatino H, Lopes, MHBM. Dor e Comportamento de Mulheres durante o Trabalho de Parto e Parto. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2011; 45(3):557-565.

Silva LM, Barbieri M, Fustinoni SM. Vivenciando a experiência da parturição em um modelo assistencial humanizado. Brasília: Rev Bras Enferm. 2011; 64(1):60-5.

Pereira RR, Franco SC, Baldin N. Representações sociais e decisões das gestantes sobre a parturição: protagonismo das mulheres. São Paulo: Saúde Soc. 2011; 20(3):579-589.

Figueiredo NSV, Barbosa MCA, Silva TAS, Passarini TM, Lana BN, Barreto J. Fatores culturais determinantes da escolha da via de parto por gestantes. Juiz de Fora:HU Revista. 2010; 36(4): 296-306.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC, Felipe GF. Percepção de mulheres sobre a vivência do trabalho de parto e parto. Rev. Rene. 2010; 11(esp):32-41.

Ronconi APL, Perdichizzi FS, Pires OC, Constantino E, Lopes VR, Posso IP. Dor e satisfação durante o trabalho de parto em primigestas: visão da parturiente e do obstetra. São Paulo: Rev Dor. 2010; 11(4):277-281.

Santana LS, Gallo RBS, Marcolin AC, Quintana SM. Avaliação da intensidade da dor na fase ativa do trabalho de parto em primigestas. São Paulo: Rev Dor. 2010; 11(3):214-217.

World Health Organization (WHO). Strategic directions for strengthening nursing and midwifery services 2011-2015. Geneva: WHO; 2010.

Portaria/GM Nº 569, de 1º de junho de 2000 (BR) [Internet]. Institui o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. 1 jun 2000. Disponível em: . Acesso em 24 mar 2019.


Visualizações do PDF:

11 views


Visualizações do Resumo:

18 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud