A ampla conceituação da violência obstétrica: uma revisão integrativa

Ana Patrícia Fonseca Coelho Galvão, Vitória Barros Pinto, Rafael Mondego Fontenele, Natalie Rosa Pires Neves, Nayra Michelle Anjos Amorim, Raylena Pereira Gomes

Resumo

A violência obstétrica consiste em qualquer conduta ou ato que leva à apropriação indevida dos processos corporais e reprodutivos das mulheres. O objetivo do presente estudo foi identificar as formas de violência obstétrica apontadas na literatura brasileira. Tratou-se de uma revisão integrativa da literatura, através das bases de dados Scientific Eletronic Library Online (Scielo), Latino Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs), Base de Dados de Enfermagem (BDENF). Constatou-se que há mais de 40 caracterizações da violência obstétrica dentre os estudos revisados. Os tipos de violência física, verbal e psicológica, assim como a realização de procedimentos desnecessários estão presentes em 100% das pesquisas. Concluiu-se que há necessidade de divulgação do tema através de políticas públicas e conscientização da população sobre o parto normal humanizado, assim como a mudança de modelo assistencial e na formação dos profissionais, pois ambos se baseiam em práticas intervencionistas.

Descritores: Violência, Parto, Obstetrícia.

 

The broad conceptualization of obstetric violence: an integrative review

Abstract: Obstetric violence consists of any conduct or act that leads to the misappropriation of women's bodily and reproductive processes. The objective of the present study was to identify the forms of obstetric violence pointed out in the Brazilian literature. This was an integrative review of the literature, using the Scientific Electronic Library Online (Scielo), Latin American and Caribbean in Health Sciences (Lilacs), Nursing Database (BDENF) databases. It was found that there were more than 40 characterizations of obstetric violence among the reviewed studies. The types of physical, verbal and psychological violence, as well as the performance of unnecessary procedures are present in 100% of the researches. Concludes that there is a need for disclouse the topic through public policies and public awareness about normal humanized delivery, as well as a change in care model and the training of professionals, since both are based on interventionist practices.

Descriptors: Violence, Parturition, Obstetrics.

 

La amplia conceptualización de la violencia obstétrica: una revisión integrativa

Resumen: La violencia obstétrica consiste en cualquier conducta o acto que conduzca a la apropiación indebida de los procesos corporales y reproductivos de las mujeres. El objetivo de este estudio fue identificar las formas de violencia obstétrica señaladas en la literatura brasileña. Esta fue una revisión integradora de la literatura, a través de la Biblioteca Electrónica Científica En Línea (Scielo), bases de datos latinoamericanas y caribeñas en Ciencias de la Salud (Lilacs), Base de Datos de Enfermería (BDENF). Se encontró que hay más de 40 caracterizaciones de violencia obstétrica entre los estudios revisados. Los tipos de violencia física, verbal y psicológica, así como la realización de procedimientos innecesarios están presentes en el 100% de los estudios. Se llegó a la conclusión de que es necesario difundir el tema a través de políticas públicas y la concienciación de la población sobre la prestación normal humanizada, así como el cambio de modelo de atención y la formación de los profesionales, porque ambos se basan en prácticas Intervencionista.

Descriptores: Violencia, Parto, Obstetricia.

Texto completo:

PDF

Referências

Silva MG, Marcelino MC, Rodrigues LSP, Toro RC, Shimo AKK. Violência obstétrica na visão de enfermeiras obstetras. Rev Rene. 2014; 15(4):720-8.

Velho MB, Santos EKA, Collaço VS. Parto norma e cesárea: representações sociais de mulheres que os vivenciaram. Brasília: Rev Bras Enferm. 2014; 67(2):282-9.

Diniz SG, et al. Violência Obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. J Hum Growth Dev. 2015; 25(3):377-384.

Sauaia ASS, Serra MCM. Uma dor além do parto: violência obstétrica em foco. Brasília: Rev Dir Humanos. 2016; 2(1):128-147.

Martins AC, Barros GM. Parirás na dor? Revisão integrativa da violência obstétrica em unidades públicas brasileiras. Rev Dor. 2018; 17(3):215-218.

Silva FAR. Atuação do enfermeiro obstetra frente ao parto natural humanizado intra-hospitalar: uma revisão de literatura. Monografia (Graduação de Bacharel em Enfermagem) - Faculdade Pitágoras. São Luís: 2013.

Wolff LR, Waldow RV. Violência Consentida: mulheres em trabalho de parto e parto. Saúde Soc. 2008; 17(3):138-151.

Jamas MT, Hoga LAK, Reberte LM. Narrativas de mulheres sobre a assistência recebida em um centro de parto normal. Cad Saúde Pública. 2013; 29(12):2436-2446.

Sena LM, Tesser CD. Violência Obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Botucatu: Interface. 2017; 21(60):209-220.

Andrade PON, et al. Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2016; 16(1):29-37.

Ganong LH. Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health. 1987; 10(1):1-11.

Aguiar JM, D'oliveira AFPL. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Botucatu: Interface. 2011; 15(36):79-92.

Porto AMF, Amorim MMR, Souza ASR. Assistência ao primeiro período do trabalho de parto baseada em evidências. Rev Femina. 2010; 38(10):527-537.

Mouta RJ, et al. Relação entre posição adotada pela mulher no parto, integridade perineal e vitalidade do recém-nascido. Rev Enferm UERJ. 2008; 16(4):472-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde. 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Brasília: Ministério da Saúde. 2017.

Tesser CD, et al. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015; 10(35):1-12.

Andrade BP, Aggio CM. Violência obstétrica: a dor que cala. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas. Universidade Estadual de Londrina. 2014.

Biscegli TS, et al. Violência Obstétrica: perfil assistencial de uma maternidade escola do interior do estado de São Paulo. CuidArte Enferm. 2015; 9(1):18-25.


Visualizações do PDF:

22 views


Visualizações do Resumo:

61 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud