Dificuldades dos enfermeiros no cuidado ao paciente com morte encefálica

Veronica Silva de Souza Matos, Maria Imaculada Cardoso Sampaio

Resumo

Compreender quais são as atribuições do enfermeiro na assistência ao paciente com morte encefálica e expor as dificuldades desses profissionais que são indispensáveis nos serviços de saúde. Trata-se de uma revisão integrativa, construída a partir de materiais já publicados, especificamente artigos científicos, entre 2008 e 2018.  Foram consultadas as fontes BVS e SCIELO. Logo após a busca, foram identificados 10 artigos relevantes para este estudo. Concluiu-se a importância e a diferença que este profissional proporciona nos casos de paciente com morte encefálica, sendo este profissional que muitas vezes notifica a existência de um paciente com morte encefálica para a organização de procura de órgãos ou central estadual de transplante.

Descritores: Morte Encefálica, Cuidados de Enfermagem, Transplante de Órgãos.

 

Nursing difficulties do not care for the patient with encephalic death

Abstract: To understand the nurse's role in assisting the patient with brain death and to explain the difficulties of these professionals that are indispensable in health services. It is an integrative review, built from materials already published, scientific articles between 2008 and 2018. The sources VHL and SCIELO were consulted. Soon after the search 10 relevant articles were identified for this study. It was concluded the importance and the difference that this professional provides in cases of patients with brain death, being this professional that often reports the existence of a patient with brain death for the organ procurement organization or state transplant center.

Descriptors: Brain Death, Nursing Care, Organ Transplantation.

 

Dificultades de los enfermeros en el cuidado al paciente con muerte encefálica

Resumen: Comprender cuáles son las atribuciones del enfermero en la asistencia al paciente con muerte encefálica y exponer las dificultades de estos profesionales que son indispensables en los servicios de salud. Se trata de una revisión integrativa, construida a partir de materiales ya publicados, artículos científicos entre 2008 y 2018. Se consultó a las fuentes BVS y SCIELO. Después de la búsqueda se identificaron 10 artículos relevantes para este estudio. Se concluyó la importancia y la diferencia que este profesional proporciona en los casos de paciente con muerte encefálica, siendo este profesional que muchas veces notifica la existencia de un paciente con muerte encefálica para la organización de demanda de órganos o central estadual de trasplante.

Descriptores: Muerte Cerebral, Cuidado de Enfermería, Trasplante de Órganos.

Texto completo:

PDF

Referências

Rodrigues CC, Pereira LC, Nicoly AA. A enfermagem e o paciente em morte encefálica na UTI. Rev Bioét. 2016; 24(2):368-373.

Cavalcante LP, Ramos IC, Araújo MA, Alves MD, Braga VA. Cuidados de enfermagem ao paciente em morte encefálica e potencial doador de órgãos. Acta Paul Enferm. 2014; 27(6):567572.

Adrieno WG, Duro GV, Lisboa RS de, Augusto FC, Daberkow VK, Zaclikevis VBR, et al. Diretrizes para avaliação e validação do potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev Bras Ter Intensiva. 2016; 28(3):220255.

Leal EM, Ferreira FN, José MS, Merighi MAM, Massarollo MCKB. Experiências e expectativas de enfermeiros no cuidado ao doador de órgãos e à sua família. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(spe2):129135.

Registro Brasileiro de Transplante-RBT. Dados numéricos de doação de órgãos e transplantes realizados por estado e instituição no período: jane/set 2018. São Paulo: Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. 2018.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvao CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2008.

Siqueira MM, Araújo CA, Aguiar RB, Schirmer J. Indicadores de eficiência no processo de doação e transplante de órgãos: revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica. 2016; 40(2):90-97.

Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 292/2004. Normatiza a atuação do enfermeiro na captação e transplante de órgãos e tecidos. Rio de Janeiro, 07 de junho de 2004.

Doria DL, Leite PMG, Brito FPG, Brito GMG, Resende GGS, Santos FLLSM. Conhecimento do enfermeiro no processo de doação de órgãos. Brasília: Enferm Foco. 2015; 6(1/4):31-35.

Silva TRB, Nogueira MA, Sá AMM. Conhecimento da equipe de enfermagem acerca dos cuidados com o potencial doador em morte encefálica. Rev Enferm UFPI. 2016; 5(4):24-30.

Rodrigues HB, Nogueira DL, Félix TA, Gomes TA. Assistência e enfermagem a indivíduos em morte encefálica: avaliação de qualidade. Rev Bras Ci Saúde. 2017, 21(4):333-340.

Guetti NR, Marques IR. Assistência de enfermagem ao potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev Bras Enferm. 2008; 61(1):91-7.

Brasil. Lei nº 10.211, de 23 de março de 2001. Altera dispositivos da Lei nº9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento. Publicado no Diário Oficial da União de 24 de março de 2001, edição extra. 2001.

Magalhães ALP, Lanzoni GMM, Knihs NS, Silva EL, Erdmann AL. Segurança do paciente no processo de doação e transplante de órgãos e tecidos. Cogitare Enferm. 2017; 22:e45621.

Magalhães ALP, Erdmann AL, Sousa FGM, Lanzoni GMM, Silva EL, Mello ALSF. Significados do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica potencial doador. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e2017-0274.


Visualizações do PDF:

50 views


Visualizações do Resumo:

256 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud