Caracterização dos óbitos decorrentes de sepse em um pronto socorro do Estado de São Paulo

Rosangela Malderran, Camila Kirdeikas Rodrigues, Yara Juliano Novo

Resumo

O objetivo foi identificar os tipos de focos de sepse mais frequentes em pacientes que foram á óbito, e a doença base no momento de sua internação. O estudo analisou retrospectivamente o tipo de foco de sepse descrito na declaração de óbito e comparou com a doença de entrada dos pacientes, a amostra foi composta por prontuários e declarações de óbito do período de janeiro a março de 2018. Evidenciou-se que a maioria dos pacientes era do sexo masculino com idade superior a 60 anos, o foco mais encontrado foi o pulmonar, a intubação orotraqueal foi o procedimento invasivo mais utilizado. As doenças pulmonares foram as que mais apareceram como diagnostico de internação, seguidas pelos quadros de sepse já estabelecidos, o que pode ser justificado por pacientes com histórico de reinternação.  Através da identificação da doença base e do tipo de sepse é possível apontar a necessidade da caracterização precoce dos mesmos.

Descritores: Sepse, Óbito, Mortalidade.

 

Characterization of severe occurs in a safe department of the State of São Paulo

Abstract: The objective was to identify the most frequent types of sepsis in patients who died and the disease at the time of hospitalization. The present study analyzed retrospectively the type of sepsis outbreak described in the death certificate and compared with the patients' entry disease, the sample was composed of medical records and death certificates from January to March 2018. This research showed that the majority of patients were male over 60 years of age, the most common focus was the pulmonary, orotracheal intubation, the most frequently used invasive procedure. Pulmonary diseases were the ones that appeared the most as a diagnosis of hospitalization, followed by established sepsis, which can be justified by patients with a history of rehospitalization. Through the identification of the underlying disease and the type of sepsis, it is possible to point out the necessity of the early characterization of the same.

Descriptors: Sepsis, Death, Mortality.

 

Caracterizacion de muertes resulting de sepsis en un Estado de São Paulo

Resumen: El objetivo fue identificar los tipos más frecuentes de brotes de sepsis en pacientes fallecidos y la enfermedad subyacente en el momento de la hospitalización. El estudio analizó retrospectivamente el tipo de brote de sepsis descrito en el certificado de defunción y lo comparó con la enfermedad entrante de los pacientes. La muestra consistió en registros médicos y certificados de defunción de enero a marzo de 2018. Se descubrió que la mayoría La mayoría de los pacientes eran hombres mayores de 60 años, y el foco más común era la intubación orotraqueal pulmonar, que era el procedimiento invasivo más utilizado. Las enfermedades pulmonares fueron los diagnósticos más frecuentes de hospitalización, seguidos de sepsis establecida, que puede estar justificada por pacientes con antecedentes de reingreso. Al identificar la enfermedad subyacente y el tipo de sepsis, es posible señalar la necesidad de su caracterización temprana.

Descriptores: Sepsis, Muerte, Mortalidad.

Texto completo:

PDF

Referências

Instituto Latino Americano de Sepse. São Paulo. 2016. Disponível em: .

Sepse: Um problema de saúde pública. Instituto Latino Americano. São Paulo. 2016; 16-17. Disponível em: .

Machado FR, Assunção MS, Cavalcanti AB, Japiassú AM, Azevedo LC, Oliveira MC. Chegando a um consenso: vantagens e desvantagens do Sepsis 3 considerando países de recursos limitados. Rev Bras Ter Intensiva. 2016; 28(4):361-365.

Todeschini AB, Trevisol FS. Sepse associada ao cateter venoso central em pacientes adultos internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Clin Med. 2011; 9(5):334-7.

Barreto MFC, Gomes Dellaroza MS, Kerbauy G, Grion CMC. Sepse em um hospital universitário: estudo prospectivo para análise de custo da hospitalização. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(2):299-305.

Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Sepse: um problema de saúde pública. Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Brasília: CFM. 2015; 20.

Baracho NCV, Lopes GF, Araujo TD, Buissa T, YanoWK. Fatores de risco associados à mortalidade em pacientes com sepse grave e choque séptico na unidade de terapia intensiva de um hospital escola do sul de Minas Gerais. Rev Ciênc Saúde. 2011; 1(1).

Taniguchi LU, Bierrenbach AL, Toscano CM, Schettino GP, Azevedo LC. Sepsis-related deaths in Brazil: an analysis of thenational mortality registry from 2002 to 2010. Crit Care. 2014; 18(6):608.

Fedeli U, Piccinni P, Schievano E, Saugo M, Pellizze G. Growing burden of sepsis-related mortalityin northeastern Italy: a multiple causes ofdeath analysis. BMC Infectious Diseases. 2016; 16:330.

Ministério da Saúde (BR). Resolução 466/12 de 12 de Dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde. 2012. Disponível em: .

Siegel SE, Castellan Jr NJ. Estatística não paramétrica para ciência do comportamento. 2ª edição. Porto Alegre: Artemed. 2006; 448.

Farias LL. et al. Perfil clínico e laboratorial de pacientes com sepse, sepse grave e choque séptico admitidos em uma unidade de terapia intensiva. Rev Saúde Públ. 2013; 6(3):50-60.

Diament D, et al. Georeferencing of deaths from sepsis in the city of São Paulo. Braz J Infect Dis. 2016; 20(2):149-154.

Zanon F. Sepse na Unidade de Terapia Intensiva: Etiologias, Fatores Prognosticos e Mortalidade. Rev Bras Ter Intensiva. 2008; 20(2).

Palomba H, Corrêa TD, Silva E, Pardini A, Assuncao MS. Análise comparativa da sobrevida de idosos e não idosos com sepse grave ou choque séptico ressuscitados. Einstein. 2015; 13(3):357-63.

Júnior LCMC, Silva RR. Sepse em pacientes com traumatismo craniencefálico em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2014;26(2):148-154.

Barros LLS, Maia CSF, Monteiro MC. Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. Cad Saúde Colet. 2016; 24(4):388-396.

Carvalho RH, Vieira JF 1, Gontijo PP, Ribas RM. Sepse, sepse grave e choque séptico: aspectos clínicos, epidemiológicos e prognóstico em pacientes de Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Universitário. Rev Soc Bras Med Tropical. 2010; 43(5):591-593.

Grothe C, Belasco A, Bittencourt A, Vianna L, Sesso R, Barbosa D. Incidência de infecção da corrente sanguínea nos pacientes submetidos à hemodiálise por cateter venoso central. Rev Latino Am Enferm. 2010; 18(1):08 telas.


Visualizações do PDF:

62 views


Visualizações do Resumo:

150 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud