Comunicação ineficaz e suas consequências para o paciente grave

Rafael Mondego Fontenele, Victória Ribeiro da Silva Santini, Fernanda Cecília Monroe Santos, Darly Serra Cutrim, Rose Daiana Cunha dos Santos, Josiel Freitas do Nascimento

Resumo

A comunicação eficaz é importante para garantia do cuidado centrado na segurança do paciente. O objetivo do presente estudo foi identificar os principais problemas relacionados à comunicação ineficaz e suas consequências para a saúde de pacientes graves na unidade de terapia intensiva. Tratou-se uma revisão integrativa da literatura realizada nas bases científicas da SCIELO, LILACS e BIREME a partir da combinação de descritores em ciências da saúde no portal da Biblioteca Virtual em Saúde. Os principais problemas estão relacionados à comunicação verbal e escrita e na subutilização dos recursos disponíveis por falta de treinamento, bem como a interpretação equivocada dos dados sem relevância clínica para os doentes, favorecendo a tomada de condutas desnecessárias. Concluiu-se que a comunicação é imprescindível para melhorar vínculos e favorecer a humanização no ambiente hospitalar. Sugere-se a ampliação de espaços que se possa discutir a cultura de segurança do paciente.

Descritores: Comunicação em Saúde, Cuidados Críticos, Segurança do Paciente, Near Miss.

 

Ineffective communication and its consequences for the severe patient

Abstract: Effective communication is important to ensure patient-centered care. The objective of the present study was to identify the main problems related to ineffective communication and its consequences for the health of serious patients in the intensive care unit. An integrative review of the literature on the scientific bases of Scielo, Lilacs and Bireme was done by combining descriptors in health sciences in the Virtual Health Library portal. The main problems are related to verbal and written communication and underutilization of resources available for lack of training, as well as misinterpretation of data without clinical relevance to patients, favoring the taking of unnecessary behaviors. It was concluded that communication is essential to improve links and promote humanization in the hospital environment. It is suggested to widen spaces that one can discuss the safety culture of the patient.

Descriptors: Health Communication, Critical Care, Patient Safety, Near Miss.

 

Comunicación ineficaz y sus consecuencias para el paciente grave

Resumen: La comunicación eficaz es importante para garantizar el cuidado centrado en la seguridad del paciente. El objetivo del presente estudio fue identificar los principales problemas relacionados con la comunicación ineficaz y sus consecuencias para la salud de pacientes graves en la unidad de terapia intensiva. Se trató una revisión integrativa de la literatura realizada en las bases científicas de Scielo, Lilacs y Bireme a partir de la combinación de descriptores en ciencias de la salud en el portal de la Biblioteca Virtual en Salud. Los principales problemas están relacionados a la comunicación verbal y escrita y en la infrautilización los recursos disponibles por falta de entrenamiento, así como la interpretación equivocada de los datos sin relevancia clínica para los pacientes, favoreciendo la toma de conductas innecesarias. Se concluyó que la comunicación es imprescindible para mejorar vínculos y favorecer la humanización en el ambiente hospitalario. Se sugiere la ampliación de espacios que se pueda discutir la cultura de seguridad del paciente.

Descriptores: Comunicación en Salud, Cuidados Críticos, Seguridad del Paciente, Near Miss.

Texto completo:

PDF

Referências

Coriolano-Marinus MWL, Queiroga BAM, Ruiz-Moreno L, Lima LS. Comunicação nas práticas em saúde: revisão integrativa da literatura. Saúde Soc São Paulo. 2014; 23(4):1356-1369.

Santos MC, Grilo A, Andrade G, Guimarães T, Gomes A. Comunicação em saúde e a segurança do doente: problemas e desafios. Rev Port Saúde Pública. 2010; 28(10):47-57.

Santos GRS, Campos JF, Silva RC. Comunicação no handoff na terapia intensiva: nexos com a segurança do paciente. Escola Anna Nery. 2018; 22(2):1-12.

Alves KYA, Costa TD, Barros AG, Lima KYN, Santos VEP. Segurança do paciente na terapia intravenosa e unidade de terapia intensiva. J Res Fundam Care Online. 2016; 8(1):3714-3724.

Duarte SCM, Queiroz ABA, Büscher A, Stipp MAC. O erro humano no cotidiano da assistência de enfermagem em terapia intensiva. Rev Latino Am Enferm. 2015; 23(6):1074-1081.

D'Empaire PP, Amaral KB. O que todo intensivista deveria saber sobre a passagem de plantão na unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2017; 29(2):121-123.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.095, de 24 de setembro de 2013. Aprova os Protocolos Básicos de Segurança do Paciente. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 set. 2013. Seção 1, p. 113. Disponível: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/0SEGURANCA_DO_PACIENTE/portaria_2095_2013.pdf. Acesso em 10 ago 2018.

Cruz FF, Gonçalves RP, Raimundo RP, Amaral MS. Segurança do paciente na UTI: uma revisão da literatura. Rev Científica FacMais. 2018; 12(1)1-10.

Ganong LH. Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health. 1987; 10(1):1-11.

Luiz FF, Caregnato RCA, Costa MR. Humanization in the Intensive Care: perception of family and healthcare professionals. Rev Bras Enferm. 2017; 70(5):1040-7.

Evangelista VC, Domingos TS, Siqueira FPC, Braga EM. Multidisciplinary team of intensive therapy: humanization and fragmentation of the work process. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):1037-44.

Pott FS, Taniclaer S, Felix JVC, Meier MJ. Medidas de conforto e comunicação nas ações de cuidado de enfermagem ao paciente crítico. Rev Bras Enferm. 2013; 66( 2 ):174-179.

Pena MM, Melleiro MM. O método de análise de importância para a investigação de eventos adversos. Rev Enferm UFPE Online. 2017; 11(Supl.12):297-304.

Ribeiro GSR, Silva RC, Ferreira MA, Silva GR. Slips, lapses and mistakes in the use of equipment by nurses in an intensive care unit. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(3):419-426.

Bridi AC, Silva RCL, Farias CCP, Franco AS, Santos VLQ. Tempo estímulo-resposta da equipe de saúde aos alarmes de monitorização na terapia intensiva: implicações para a segurança do paciente grave. Rev Bras Ter intensiva. 2014; 26(1):28-35.

Souza RCS, Garia DM, Sanches MB, Gallo AMA, Martins CPB, Siqueira ILCP. Conhecimento da equipe de enfermagem sobre avaliação comportamental de dor em paciente crítico. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(3):55-63.

Perez Junior EF, Oliveira EB, Souza NVDO, Lisboa MTL, Silvino ZR. Segurança no desempenho e minimização de riscos em terapia intensiva: tecnologias duras. Rev Enferm UERJ. 2014; 22(3):327-33.

Azevedo Filho FM, Pinho DLM, Bezerra ALQ, Amaral RT, Silva ME. Prevalência de incidentes relacionados à medicação em unidade de terapia intensiva. Acta Paul Enferm. 2015; 28(4):331-336.

Moreira APA, Escudeiro CL, Christovam BP, Silvino ZR, Carvalho MF, Silva RCL. Use of technologies in intravenous therapy: contributions to a safer practice. Rev Bras Enferm. 2017; 70(3):595-601.

Siman AG, Brito MJM. Mudanças na prática de enfermagem para melhorar a segurança do paciente. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(esp):e68271.

Costa TD, Salvador PTCO, Rodrigues CCFM, Alvez KYA, Tourinho FSV, Santos VEP. Percepção de profissionais de enfermagem acerca de segurança do paciente em unidades de terapia intensiva. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(3):e61145.

Toffoletto MC, Barbosa RL, Andolhe R, Oliveira EM, Ducci AJ, Padilha KG. Factors associated with the occurrence of adverse events in critical elderly patients. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):977-83.

Tomazoni A, Rocha PK, Ribeiro MB, Serapião LS, Souza S, Manzo BF. Segurança do paciente na percepção da enfermagem e medicina em unidades de terapia intensiva neonatal. Rev Gaúcha Enferm. 2017; 38(1):e64996.


Visualizações do PDF:

44 views


Visualizações do Resumo:

114 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud