Principais tipos de violências obstétricas sofridas pelas parturientes

Vanilde Pereira Nery, Glaucia Pereira de Lucena

Resumo

O estudo do tema violência obstétrica é relevante para a saúde da parturiente. Sendo assim, esse estudo objetivou averiguar, por meio de revisão integrativa, quais os principais tipos de violências obstétricas sofridas pelas parturientes e apresentar as principais evidências atualizadas encontradas nos artigos selecionados. Os 20 artigos selecionados, foram expostos em forma de quadro para uma melhor visualização. A discussão dos resultados foi organizada em quatro subtemas: conhecimento sobre a violência obstétrica, tipos de violências obstétricas, sentimentos expressos frente à violência obstétrica e assistência adequada à parturiente. Concluiu-se, que são muitos os tipos de violências obstétricas e que são praticados com frequência nos serviços de atenção ao parto. Dentre as violências mais encontradas estão a prática rotineira de episiotomia, o uso indiscriminado de ocitocina, a manobra de Kristeller e o parto cesárea sem uma indicação respaldada pela ciência.

Descritores: Violência, Humanização da Assistência, Parturientes.

 

Main Types of Obstetric Violence Suffered by the Parturients

Abstract: The study aimed to identify and analyze research related to the theme caregivers of patients with heart failure (HF). This is an integrative review in which the articles were available in CINAHL databases and Medline and LILACS via portal Virtual Health Library (VHL) published between 2010 and 2015 with the descriptors heart failure and Caregiver among others. Nine studies were analyzed. The methodology of the selected studies, 7 were descriptive research of qualitative approach, a methodological research and a qualitative case study. Changes in routines caregivers due care to the patient, suffering from a lack of social support from family and health professionals regarding care were prevalent issues addressed in the articles. It is recommended to provide patient caregivers with IC a support network; and studies that assess the quality of life of these individuals.

Descriptors: Violence; Humanized Assistance; Parturients.

 

Principales tipos de violencias obstétricas sofridas por las parturientes

Resumen: El estudiodel tema violencia obstétrica es relevante para lasalud de laparturienta. Siendoasí, eseestudioobjetivó averiguar, por medio de revisión integrativa, cuálessonlosprincipales tipos de violencias obstétricas sufridas por lasparturientas y presentar lasprincipales evidencias actualizadas encontradas enlos artículos seleccionados. Los 20 artículos seleccionados, fueronexpuestosen forma de marco para una mejorvisualización. Ladiscusión de los resultados fue organizada encuatro subtemas: conocimiento sobre laviolencia obstétrica, tipos de violencias obstétricas, sentimientosexpresados frente a laviolencia obstétrica y asistenciaadecuada a laparturienta. Se concluyó, después de lalectura de los artículos que sonmuchoslos tipos de violencias obstétricas y que se practicancon   frecuenciaenlosservicios de atención al parto. Entre lasviolencias más encontradas estánlaprácticarutinaria de episiotomía, el uso indiscriminado de ocitocina, lamaniobra de Kristeller y el parto cesáreo sin una indicación respaldada por laciencia.

Descriptores: Violencia, Asistencia Humanizada, Parturientes.

Texto completo:

PDF

Referências

Organização Mundial da Saúde. Prevenção e eliminação de abusos: desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. 2014. Disponível em: . Acesso em 10 mar 2018.

Diniz SG, Salgado HO, Andrezzo HFA, Carvalho PGCC, Carvalho APC, Aguiar CA, et al. Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2015; 25(3):377-384.

Brasil. Lei nº 6.144, de 07 de junho de 2018. Disponível em: http://www.sinj.df.gov.br/SINJ/Norma/700564f2b3214c69a7c7c7897caab258/Lei_6144_07_06_2018.html>. Acesso em 04 nov 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. Brasília/DF. 2017. Disponível em: . Acesso em 13 abr 2018.

Mendes SDK, Silveira PCCR, Galvão MC. Revisão integrativa: método de pesquisa para incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008.

Botelho RLL, Cunha ACC, Macedo M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade. 2011; 5(11).

Almeida MM, Cardoso FJC, Costa ACM, Macêdo BS, Pessôa RMC, Azevêdo CAS, et al. ivência e saberes das parturientes acerca da violência obstétrica institucional no parto. Rev Eletr Acervo Saúde. 2018; 10.

Santos ADR, Santos EL, Silva KS, Nery FS. Episiotomia: a dor de um parto. Cad Graduação - Ciênc Biol Saúde - UNIT. 2017; 4(3).

Silva FM, Silva ML, Araújo FNF. Sentimentos causados pela violência obstétrica em mulheres de município do nordeste brasileiro. Rev Preven Infecção Saúde. 2017;3(4).

Santos MG. A violência obstétrica sob o olhar de profissionais de saúde. Universidade Federal de Goiás. Faculdade de Enfermagem: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. 2017. Disponível em:. Acesso em 29 mai 2018.

Rennó GM. Percepção das mulheres sobre a violência no trabalho de parto e parto. Universidade Federal de Alfenas. 2016. Disponível em: . Acesso em 28 mai 2018.

Medeiros NCM, Martins ENX, Camboim FEF, Palmeira MNFAL. Violência obstétrica: percepções acerca do parto normal. Temas em Saúde. 2016; 16(3).

Arruda KGM. Violência contra a mulher no parto: um olhar sobre a pesquisa da rede cegonha. Universidade de Brasília. 2015. Disponível em: . Acesso em 28 mai 2018.

Rodrigues DP, Alves VH, Penna LHG, Pereira AV, Branco MBLR, Silva LA. A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Esc Anna Nery. 2015.

Silva MG, Marcelino MC, Rodrigues LSP, Toro RC, Shimo AKK. Violência obstétrica na visão de enfermeiras obstetras. Rev Rene. 2014; 15.

Franca BSS, Figueiredo JD, Barbosa JM, Souza DC, Zapponi ALB. Violência institucional obstétrica no ambiente hospitalar. Rev Rede Cuid Saúde. 2014.

Moura GN. A percepção das mulheres puérperas acerca da violência da assistência obstétrica. Universidade Federal Fluminense. Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa: Curso de Graduação em Enfermagem e Licenciatura. 2014. Disponível em: . Acesso em 7 mai 2018.

Lansky S, Freche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML et al. Pesquisa nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. 2014. Disponível em: . Acesso em 10 abr 2018.

Reis CSC, Souza DOM, Progiantti JM, Vargens OMC. As práticas utilizadas nos partos hospitalares assistidos por enfermeiras obstétricas. Enferm Obstétrica. 2014; 1.

Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abr de 2005. Disponível em: . Acesso em 5 mai 2018.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher/Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. Brasília: Ministério da Saúde. 2001. Disponível em: . Acesso em 5 abr 2018.


Visualizações do PDF:

28 views


Visualizações do Resumo:

80 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud