Estresse entre profissionais de enfermagem em unidade de terapia intensiva

Maria Joelma dos Santos, Viviane Marques Guedes

Resumo

A dor é comum entre os pacientes oncológicos, principalmente aqueles que são expostos a procedimentos invasivos, não é simples para o profissional a avaliação da experiência dolorosa, pois envolve fatores multidimensionais. O objetivo foi apresentar as principais escalas de mensuração da dor, enfatizando a melhor forma de atender o paciente oncológico e a construção de uma cartilha com as principais escalas para consulta dos profissionais da saúde. Trata-se de um estudo descritivo baseado na revisão tradicional da literatura, O levantamento de literatura ocorreu por meio de estudos indexados nas bases de dados LILACS, SCIELO e BDENF. As principais escalas apresentadas são: Escala Visual Numérica, Escala Visual Analógica, Escala de Descritores Verbais, Escala de Faces, Pain Assessment in Advanced Dementina, Questionário de Dor McGill. As escalas dão subsídios para que os profissionais identifiquem as alterações presentes nos pacientes usando assim a intervenção adequada. É preciso empenho do enfermeiro em aplicar a escala adequada, de forma individualizada. A cartilha incentiva a equipe de enfermagem quanto à importância da utilização das escalas de dor de acordo com a necessidade do paciente, garantindo um tratamento humanizado e a melhor terapia.

Descritores: Estresse, Enfermagem, Unidade de Terapia Intensiva.

 

Stress between nursing professionals in intensive therapy unit

Abstract: To identify the main occupational stress factors of the nursing team working in the Intensive Care Unit, as well as to know how stress is manifested in the nursing team. Bibliographic review. There are several factors that trigger stress within Intensive Care Units, such as inadequate working conditions; lack of teamwork; scarcity of material resources; excessive working hours; death of patients; dissatisfaction with work; professional devaluation, noise; and the environment. The importance of the understanding of the reality experienced by the nursing professionals who work in Intensive Care Units helps in the formulation of proposals for interventions and search for solutions of the factors that contribute to generate stress, such as the adoption of more humanized measures of work and mechanisms that facilitate the work of the nursing team, valuing their knowledge and their experience.

Descriptors: Stress, Nursing, Intensive Care Unit.

 

Estrés entre profesionales de enfermería en unidad de terapia intensiva

Resumen: Identificar los principales factores de estrés ocupacional del equipo de enfermería actuantes en la Unidad de Terapia Intensiva, así como conocer de qué forma el estrés se manifiesta en el equipo de enfermería. Revisión bibliográfica. Son diversos los factores que desencadenan estrés dentro de las Unidades de Terapia Intensiva, tales como condiciones de trabajo inadecuadas; falta de trabajo en equipo; escasez de recursos materiales; carga horaria de trabajo excesiva; muerte de los pacientes; insatisfacción con el trabajo; desvalorización profesional, ruidos; y el medio ambiente. La importancia de la comprensión de la realidad vivenciada por los profesionales de enfermería que actúan en Unidades de Terapia Intensiva auxilian en la formulación de propuestas de intervenciones y búsqueda de soluciones de los factores que contribuyen a generar el estrés, tales como la adopción de medidas más humanizadas de trabajo y mecanismos que faciliten el trabajo del equipo de enfermería, valorizando su saber y su experiencia.

Descriptores: Estrés, Enfermería, Unidad de Terapia Intensiva.

Texto completo:

PDF

Referências

Moura RS, Reis RP, Melo ES, Maranhão IM, Alécio MS. Estresse na equipe de enfermagem atuante no cuidado na UTI adulto: revisão integrativa. Rev Hórus. 2014; 9(1):35-52.

Goto AK, Souza MTS, Lima Junior JV. Um estudo sobre o estresse em profissionais da área de logística da indústria automobilística. Rev Psicol Polit. 2009; 9(18):291-311.

Felix DB, Machado DQ, Souza EF. Análise dos níveis de estresse no ambiente hospitalar: um estudo com profissionais da área de enfermagem. ReCaPe. 2017; VII(2):530-543.

Gomes RSM, Alencar CT, Wallau I, Castro UR. Transtornos depressivos em profissionais de saúde. Rev Med Saúde de Brasília. 2015; 4(1):122-128.

Heylmann NR, Nunes JFS, Firmino N, Ascari RA. Absenteísmo entre profissionais de enfermagem: estudo num hospital universitário catarinense. Rev Uningá. 2016; 26(2):10-15.

Almeida ANF, Gurgel ERS, Silva SR. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem de um centro cirúrgico. Rev Bras Qual Vida. 2014; 6(4):2016-222.

Silva GSA, Silva GAV, Silva RM, Andolhe R, Padilha K, Costa KGP. Estresse e burnout em profissionais de enfermagem de unidade de terapia intensiva e semi-intensiva. Rev Cient Sena Aires. 2018; 7(1):5-11.

Andolhe R, Barbosa RL, Oliveira EM, Costa ALS, Padilha KG. Estresse, coping e burnout da equipe de enfermagem de unidades de terapia intensiva: fatores associados. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(esp).

Azevedo VGB, Alves SM, Viana LVM, Veras KCBB, Carvalho ML, Elias CMV. Estresse ocupacional em profissionais de enfermagem que atuam em unidades de urgência e emergência. Rev Interd. 2017; 10(4):112-124.

Antoniolli L, Echevarría-Guanilo ME, Rosso LH, Fuculo Junior PRB, Pai DD, Scapin S. Estratégias de coping da equipe de enfermagem atuante em centro de tratamento ao queimado. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:1-9.

Miguez VA, Braga JRM. Estresse, síndrome de burnout e suas implicações na saúde docente. Rev Thema. 2018; 15(2):704-716.

Gomes LB, Bolze DAS, Bueno RK, Crepaldi MA. As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Pensando Fam. 2014; 18(2).

Silva C, Batista EC. Estresse ocupacional em enfermeiros e técnicos de enfermagem intensivas de uma uti adulto. Rev Interd. 2017; 10(1):118-128.

Moreira TS, Araújo GF. Percepção de estresse entre discentes do curso de enfermagem de uma IES. Rev Psic. 2017; 11(35): 479-491.

Santos NP, Marinho FP, Lima KYN, Rodrigues CCFM, Santos VEP. Docência universitária e o estresse: estressores nos cursos de enfermagem e medicina. Rev Enferm UFSM. 2016; 6(1):61-70.

Souza MBC, Silva HPA, Galvão-Coelho NL. Resposta ao estresse: I. Homeostase e teoria da alostase. Estudos de Psicologia. 2015; 20(1):2-11.

Teixeira LB, Veloso LUP, Ribeiro IAP, Oliveira TN, Cortez ACL. Estresse ocupacional na enfermagem atuante na unidade de terapia intensiva. Investig. Enferm Imagen Desarr. 2017; 19(2):195-211.

Padilha KG, Barbosa RL, Andolhe R, Oliveira EM, Ducci AJ, Bregalda RS, Secco LM. Carga de trabalho de enfermagem, estresse/burnout, satisfação e incidentes em unidade de terapia intensiva de trauma. Texto Contexto Enferm. 2017; 26(3):1-8.

Alves EF. O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva. Unopar Cient Ciênc Biol Saúde. 2013; 15(2):115-22.

Costa M, Tavares VR, Silva CP, Leite FR. Nível de estresse da equipe de enfermagem de um hospital de pequeno porte no interior do estado de Goiás. Refacer. 2014; 3(1):14-41.

Vieira GCG, Brida RL, Macuch RS, Massuda EM, Preza GP. Uso de psicotrópicos pelo enfermeiro: sua relação com o trabalho. Cinergis. 2016; 17(3):191-195.

Fernandes LS, Trevizani MJ, Godoy NI. Associação entre Síndrome de burnout, uso prejudicial de álcool e tabagismo na enfermagem nas UTIs de um hospital universitário. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(1).

Khamisa N, Oldenburg B, Peltzer K, Ilic D. Work related stress, burnout, job satisfaction and general health of nurses. Into J. Environ Res Public Health. 2015; 12(1):652-66.

Papathanasiou IV. Work-related mental consequences: implications of burnout on mental health status among health care providers. Acta Inform Med. 2015; 23(1):22-8.

Ding Y, Yang Y, Yang X, Zhang T, et al. The mediating role of coping style in the relationship between psychological capital and burnout among chinese nurses. PLoS One. 2015; 10(4):1-14.

Zanetti TG, Graube SL. Sintomas de estresse em familiares de pacientes adultos em terapia intensiva. Rev Saúde Pesquisa. 2017; 10(3):549-555.

Rodrigues DP, Athanázio AR, Cortez EA, et al. Estresse na unidade de terapia intensiva: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE. 2013; 7(42):4217-4226.


Visualizações do PDF:

47 views


Visualizações do Resumo:

169 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud