Segregação de leitos por zona: idealização de uma estratégia

Diego Roberto Borges Gomes da Silva, Helói Avelino da Silveira, Jhon Kelvy Ferreira da Silva, Kelle Rodrigues Moreira Magalhães

Resumo

A frequência de infecções na unidade de terapia intensiva está relacionada com a limpeza, estrutura física, e principalmente com a qualidade da assistência prestada ao cliente. Os colonizados e os infectados são as principais fontes que fazem a disseminação de microorganismos, tendo como responsáveis os que executam essas práticas. As infecções relacionadas à assistência à saúde são aquelas na qual são adquiridas pelos clientes no decorrer do processo de tratamento em determinado ambiente que fornece serviços à saúde. A infecção hospitalar é a principal causa de morbimortalidade do cliente na unidade de terapia intensiva resultando no maior tempo de permanência e gastos superiores com a utilização de equipamentos de proteção individual e coletiva.

Descritores: Infecção, Prevenção, Segregação.

 

Segregation of beds by zone: idealization of a strategy

Abstract: The frequency of infections in the intensive care unit is related to the cleanliness, physical structure, and mainly with the quality of assistance provided to the client. The colonized and the infected are the main sources that make the dissemination of microorganisms, having as responsible those who perform these practices. Infections related to health care are those in which they are acquired by clients during the treatment process in a given environment that provides health services. Hospital infection is the main cause of morbidity and mortality of the client in the intensive care unit, resulting in longer permanence and higher expenditures with the use of personal and collective protective equipment.

Descriptors: Infection, Prevention, Segregation.

 

Segregación de camas por zona: idealización de una estrategia

Resumen: La frecuencia de las infecciones en la unidad de cuidados intensivos está relacionada con la limpieza, la estructura física, y principalmente con la calidad de la asistencia prestada al cliente. Los colonizados y los infectados son las principales fuentes que hacen la diseminación de microorganismos, teniendo como responsables a quienes realizan estas prácticas. Las infecciones relacionadas con la atención médica son aquellas en las que son adquiridas por los clientes durante el proceso de tratamiento en un entorno determinado que proporciona servicios de salud. La infección hospitalaria es la principal causa de morbilidad y mortalidad del cliente en la unidad de cuidados intensivos, lo que resulta en una mayor permanencia y mayores gastos con el uso de equipos de protección personal y colectiva.

Descriptores: Infección, Prevención, Segregación.

Texto completo:

PDF

Referências

Machado CD, Antunes FS, Souza PA. Incidência de infecções primárias na corrente sanguínea em uma UTINeonatal. Associação Médica Brasileira. Arq Catarin Med. 2017; 46(2): 88-96.

Portal São Francisco. Infecção. Disponível em: . Acesso em 20 dez 2017.

Silva ARA, Simões MLCL, et al. Infecções relacionadas à assistência à saúde por Staphylococcus coagulase negativa em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Bras Ter Intensiva. 2013, 25.

Moraes GM, et al. Infecção ou colonização por micro-organismos resistentes: identificação de preditores. Acta Paul Enferm. 2013; 26(2):185-91.

Vesz PS, Oliveira NTE, et al. Aspectos funcionais e psicológicos imdediatamente após alta da unidade de terapia intensiva: coorte prospectiva. Rev Bras Ter Intensiva. 25(3):218-224.

Sindicato Brasiliense de Hospitais, Casas de Saúde e Clínicas - SBH. Lista Referencial e Instrução Normativa para Serviços Hospitalares, Casas de Saúde e de Clínicas do DF. SGAS 915 Bloco “A” Salas 301, 302 e 312 - Edifício Office Center - Asa Sul Brasília-DF – CEP: 70.390-150.

Silva AMN, Souza EFD, Barbosa TLA, et al. Fatores que contribuem para o tempo de internação prolongada no ambiente hospitalar. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2014; 6(4):1590-1600.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2616, de 12 de maio de 1998. Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção pelos hospitais do país, de Programa de Controle de Infecções Hospitalares. Brasília. 1998.

Padrão MC, et al. Prevalência de infecções hospitalares em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Clin Med. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília. 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília. 2010.

Gerhardt TE, Silveira DT. Métodos de pesquisa coordenado pela Universidade Aberta do Brasil - UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica - Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre: Editora UFRGS. 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica GVIMS/GGTES Nº 05/2017 - Revisada. Orientações para a notificação nacional das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), Resistência Microbiana (RM) e monitoramento do consumo de antimicrobianos - 2018. Brasília. 2018.


Visualizações do PDF:

22 views


Visualizações do Resumo:

92 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud