Unidade de terapia intensiva e os fatores de infecção

Camila Letícia da Costa França, Rafael Limeira de Freitas

Resumo

O tema infecção hospitalar possui diversas nuances e vem adquirindo fundamental importância entre os assuntos que compete acerca da terapêutica do indivíduo que esse encontra em processo de institucionalização principalmente quando estão internados nas Unidades de Terapia Intensiva. Objetivou-se realizar uma busca em bases de dados brasileiras sobre os fatores que contribuem para esse evento. Discussão: mediante os 19 artigos indexados na LILACS e BDENF foi construída uma reflexão sobre as principais vias de entrada de patógenos causadores de infecção hospitalar nas UTI. Conclusão: a ventilação mecânica, o cateter venoso central e a sonda vesical foram apontados como principais fatores de infecção nessa população.

Descritores: Unidade de Terapia Intensiva, Infecção Hospitalar.

 

The caregiver of a patient with heart failure: challenges in caring

Abstract: The theme hospital infection has many nuances and fundamental has acquired importance among subjects who competes at about the individual treatment that is in the process of institutionalization, especially when they are hospitalized in Intensive Care Units. Aimed to conduct a search on brazilian databases on the factors that contribute to this event. Discussion: by 19 indexed in LILACS and BDENF articles, was built to reflect on the major routes of entry of pathogens causing nosocomial infection in ICU. Conclusion: mechanical ventilation, central venous catheter and urinary catheter were identified as major factors of infection in this population.

Descriptors: Intensive Care Unit, Hospital Infeccion.

 

Unidad de terapia intensiva y los factores de infección

Resumen: El tema infección hospitalaria posee diversos matices y viene adquiriendo fundamental importancia entre los asuntos que compete acerca de la terapéutica del individuo que éste encuentra en proceso de institucionalización principalmente cuando están internados en las Unidades de Terapia Intensiva. Se objetivó realizar una búsqueda en bases de datos brasileñas sobre los factores que contribuyen para ese evento. Discusión: mediante los 19 artículos indexados en LILACS y BDENF se construyó una reflexión sobre las principales vías de entrada de patógenos causantes de infección hospitalaria en las UTI. Conclusión: la ventilación mecánica, el catéter venoso central y la sonda vesical fueron apuntados como principales factores de infección en esa población.

Descriptores: Unidad de Terapia Intensiva, Infección Hospitalaria.

Texto completo:

PDF

Referências

Oliveira AC, Cardoso CS, Mascarenhas D. Precauções de Contato em Unidade de Terapia Intensiva: Fatores Facilitadores e Dificultadores para Adesão dos Profissionais. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(1):161-5.

Dereli N, Ozayar E, Degerli S, Sahin S, Koç F. Três anos de avaliação das taxas de infecção nosocomial em UTI. Rev Bras Anestesiol. 2013; 63(1).

Barros LM, Bento JNC, Caetano JA, Moreira RAN, Pereira FGF, Frota NM, Araújo TM, Soares E. Prevalência de micro-organismo e sensibilidade antimicrobiana de infecções hospitalares em unidade de terapia intensiva de hospital público no Brasil. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2012; 33(3):429-435.

Queirós MI, Cipriano MAB, Santos MCL, Cardoso MVLM. Infecções urinárias e uso de cateter vesical de demora em unidade pediátrica. Fortaleza: Rev Rene. 2011; 12(2):295-301.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.616, 12 de maio de 1998. Diário Oficial, Brasília. 1998.

ANVISA. Legislação e Criação de um Programa de Prevenção e Controle de Infecção hospitalar (Infecção Relacionada à Assistência à Saúde - IRAS). São Paulo - SP. 2004.

Moraes GM, Cohrs FM, Batista REA, Grinbaum RS. Infecção ou colonização por micro-organismos resistentes: identificação de preditores. Acta Paul Enferm. 2013; 26(2):185-91.

Cerrato SG, Álvarez LF. Farmacoeconomía de la infección en La Unidad de Cuidados Intensivos. Rev Esp Quimioter. 2008; 21(1):26-34.

Oliveira AC, Kovner CT, Silva RS. Infecção hospitalar em unidade de tratamento intensivo de um hospital universitário brasileiro. Rev. Latino Am Enferm. 2010.

Oliveira AC, Paula AO, Iquiapaza RA, Lacerda ACS. Infecções relacionadas à assistência em saúde e gravidade clínica em uma unidade de terapia intensiva. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(3):89-96.

Nangino GO, Oliveira CD, Correia PC, Machado NM, Dias ATB. Impacto financeiro das infecções nosocomiais em unidades de terapia intensiva em hospital filantrópico de Minas Gerais. Rev Bras Ter Intensiva. 2012.

Oliveira AC, Clemente WT, Lucas TC, Martinho GH. Infecções hospitalares e resistência microbiana em unidade de cuidados intensivos de um hospital universitário. Online Brazilian Journal of Nursing. 2006; 5(2).

Padrão MC, Monteiro ML, Maciel NR, Viana FFCF, Freitas NA. Prevalência de infecções hospitalares em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Clin Med. 2010; 8(2):125-8.

Viana RAPP. Sepse para enfermeiros - as horas de ouro identificando e cuidando do paciente séptico. São Paulo: Ed. Atheneu. 2009.

Oliveira TFL, Filho ISG, Passos JS, Cruz SS, Oliveira MT, Trindade SC, Machado AS, Coelho JMF, Santos CML, Cerqueira EMM. Fatores associados à pneumonia nosocomial em indivíduos hospitalizados Rev Assoc Med Bras. 2011; 57(6):630-636.

Todeschini AB, Trevisol FS. Sepse associada ao cateter venoso central em pacientes adultos internados em unidade de terapia intensiva. São Paulo: Rev Bras Clin Med. 2011; 9(5):334-7.

Vilela R, Dantas SRPE, Trabasso P. Equipe interdisciplinar reduz infecção sanguínea relacionada ao cateter venoso central em unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Paul Pediatr. 2010; 28(4):292-298.


Visualizações do PDF:

7 views


Visualizações do Resumo:

22 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud