Dimensionamento de enfermagem em UTI: uma análise às legislações vigentes

Caroline Guimarães Pançardes da Silva Marangoni

Resumo

Com o intuito de garantir uma assistência de qualidade e com segurança, é imprescindível realizar o dimensionamento do pessoal de enfermagem. Para o Conselho Federal de enfermagem, é necessário utilizar metodologia para classificação dos pacientes. Nas Unidades de Terapia Intensiva desde 2009 Nursing Activities Score (NAS) é o instrumento de mensuração mais adequado para pacientes complexos. O foco principal desta revisão foi avaliar se as legislações vigentes estão em consonância com a média das NAS em UTI’s Adultas brasileiras. O presente estudo tratou-se de uma revisão bibliográfica integrativa realizada a partir da revisão de produções científicas publicadas nos últimos cinco anos (2011-2016). Após a avaliação dos dados, foi possível chegar a uma média nacional de 71,2% de NAS, e assim relacionar com as legislações vigentes. O resultado mostrou que a Legislação do Conselho Federal de enfermagem apresenta-se mais adequada.

Descritores: Dimensionamento de Enfermagem, Nursing Activities Score e Carga de Trabalho.

 

Dimensioning of nursing in ICU: an analysis of current legislation

Abstract: In order to ensure quality care and safety, it is imperative to carry out the nursing staff sizing. For the Federal Nursing Council, it is necessary to use methodology for the classification of patients. In Intensive Care Units since 2009 Nursing Activities Score (NAS) is the most appropriate measurement instrument for complex patients. The main focus of this review was to evaluate whether current legislation is in line with the average of NAS in Brazilian Adult ICUs. The present study was an integrative bibliographical review based on the review of scientific productions published in the last five years (2011-2016). After the evaluation of the data, it was possible to reach a national average of 71.2% of NAS, and thus relate to the current legislation. The result showed that the Federal Nursing Council Legislation is more adequate.

Descriptors: Nursing Dimensioning, Nursing Activities Score and Workload.

 

Dimensionamiento de enfermería en UTI: un análisis las legislaciones vigentes

Resumen: Con el fin de garantizar una asistencia de calidad y con seguridad, es imprescindible realizar el dimensionamiento del personal de enfermería. Para el Consejo Federal de enfermería es necesario utilizar metodología para clasificación de los pacientes. En las Unidades de Terapia Intensiva desde el año 2009 el Nursing Activities Score (NAS) es el instrumento de medición más adecuado para los pacientes complejos. El foco principal de esta revisión fue evaluar si las legislaciones vigentes están en consonancia con la media de las NAS en UTI's Adultas brasileñas. El presente estudio se trató de una revisión bibliográfica integrativa realizada a partir de la revisión de producciones científicas publicadas en los últimos cinco años (2011-2016). Después de la evaluación de los datos fue posible llegar a un promedio nacional del 71,2% de NAS, y así relacionarse con las legislaciones vigentes. El resultado mostró que la Legislación del Consejo Federal de enfermería se presenta más adecuada.

Descriptores: Dimensionamiento de Enfermería, Nursing Activities Score y Carga de Trabajo.

Texto completo:

PDF

Referências

Menegueti MG, Nicolussi AC, Scarparo AF, Campos LF, Chaves LDP, Laus AM. Dimensionamento de pessoal de enfermagem nos serviços hospitalares: revisão integrativa da literatura. Rev Eletr Enferm. 2013; 15(2):551-563.

Monteiro LM; Spiri WC. Indicadores de qualidade e carga de trabalho uma revisão integrativa em enfermagem. REME - Rev Min Enferm. 2016; 20:e936.

Silva, JF. Consultoria interna em gestão de pessoas: a chave para a atuação estratégica da área. Santa Cruz do Sul: Rev Cepe. 2017; 46:131-148.

Araujo TR, Menegueti MG, Martins MA, Castilho V, Chaves LDP, Laus AM. Impacto financeiro do quadro de profissionais de enfermagem requerido em unidade de terapia intensiva. Rev Latino Am Enferm. 2016; 24.

Inoue KC; Matsuda LM. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em unidade de terapia intensiva para adultos. Acta Paul Enferm. 2010; 23(3):379-384.

Siqueira EMP, Ribeiro MD, Souza RCS, Machado FS, Diccini S. Correlação entre a carga de trabalho e gravidade dos pacientes críticos gerais, neurológicos e cardiológicos. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(2):233-238.

Altafin JAM, et al. Nursing Activities Score e carga de trabalho em unidade de terapia intensiva de hospital universitário. Rev Bras Ter Intensiva. 2014; 26(3):292-8.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução - RDC nº 26, de 11 de maio de 2012. Altera a Resolução RDC nº 07, de 24 de fevereiro de 2010, que dispõe sobre os requisitos mínimos para o funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Edição 92. Diário Oficial da União; Brasília (DF):14 maio 2012. Secão 1, p.170 Disponível em: . Acesso em 21 abr 2017.

Brasil. Conselho Federal Enfermagem (BR). Resolução nº 543/2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas as atividades de enfermagem. Disponível em: . Acesso em 21 abr 2017.

Inoue KC, Kuroda CM, Matsuda LM. Nursing Activities Score (NAS): Carga de trabalho de enfermagem em UTI e fatores associados. Cienc Cuid Saúde. 2011; 10(1):134-140.

Brasil. Conselho Federal Enfermagem (BR). Resolução nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e implementação do processo de enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 19 dez 2017.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4):758-764.

Massaroli R, Martini JG, Massaroli A, Lazzari DD, Oliveira SN, Canever BP. Trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva e sua interface com a sistematização da assistência. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015; 19(2):252-8.

Silva RS, Almeida ARLP, Oliveira FA, Oliveira AS, Sampaio RFB, Paixão GPN. Sistematização da assistência de enfermagem na perspectiva da equipe. Enferm Foco. 2016; 7(2):32-36.

Rodrigues MA. Paula RCC, Santana RF. Divergências entre legislações do dimensionamento de enfermagem na unidade de terapia intensiva. Enferm Foco. 2017; 8(1):12-16.

Mirada RD.et al. Nursing activities score. Crit Care Med. 2003; 31(2):374-382.

Queijo AF, Padilha KG. Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43:1018-1025.

Oliveira AC, Garcia PC, Nogueira LS. Carga de trabalho de enfermagem e ocorrência de eventos adversos na terapia intensiva: revisão sistemática. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(4):683-694.

Magalhães AMM, Costa DG, Riboldi CO, Mergen T, Barbosa AS, Moura GMSS. Associação entre carga de trabalho da equipe de enfermagem e resultados de segurança do paciente. Rev Esc Enferm USP. 2017; 51:e03255.

Carvalho DP, Rocha LP, Barlem JGT, Dias JS, Schallenberger CD. Cargas de trabalho e a saúde do trabalhador de enfermagem: revisão integrativa. Cogitare Enfermagem. 2017; 22(1):01-11.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 LDA. 2009.


Visualizações do PDF:

9 views


Visualizações do Resumo:

31 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud