Sinais clínicos e bioquímicos com fator de tempo de internação em terapia intensiva para pacientes sépticos

Edwin Rodrigo paiva Borges

Resumo

Resumo: Descrever as principais alterações clínicas e bioquímicas do paciente séptico no momento de sua internação em unidade de terapia intensiva e analisar se os critérios clínicos e bioquímicos possuem relação com aumento do tempo de internação. Estudo quantitativo, descritivo, documental e retrospectivo compondo uma amostra de 176 prontuários elegíveis. Hipotensão e taquicardia possuem relação com alterações de nível de consciência e taquipneia, e as alterações leucocitárias com disfunções respiratórias. Acerca do tempo de internação a relação PaO2/FiO2, Pressão venosa central (PVC) e lactato possuem relação com aumento de tempo de internação em unidades de terapia intensiva. As principais alterações clínicas apresentadas pela população do estudo foram hipotensão, pressão venosa central e taquicardia. Os principais marcadores encontrados, leucocitose, alteração de relação PaO2/FiO2. Os principais fatores com que influenciaram no tempo de internação foram: alteração de relação PaO2/FiO2, alteração de lactato e diminuição de PVC.

Descritores: Sepse, Tempo de Internação, Unidade de Terapia Intensiva.

 

Clinical and Biochemical signs as a hospitalization time factor for septics patients

Abstract: To describe the main clinical and biochemical changes in septic patients upon admittance to intensive care units and determine whether the clinical and biochemical criteria are associated to the length of the patient’s hospitalization. Quantitative, descriptive, documentary and retrospective study, based on a sample of 176 eligible patient charts. Hypotension and tachycardia are related to changes in levels of consciousness, while tachypnea and leukocyte changes are related to respiratory disorders. The PaO2/FiO2 ratio, central venous pressure (CVP) and lactate levels increased patients’ hospitalization period in intensive care units. Hypotension, tachycardia and abnormal central venous pressure were the main clinical changes found in the study sample. Leukocytosis and changes in the PaO2/FiO2 ratio were the main markers found. The predominant factors affecting hospitalization time were changes in the PaO2/FiO2 ratio, changes in lactate levels and decrease in central venous pressure.

Descriptors: Sepsis, Hospitalization time, Intensive care unit.

 

Signos clínicos y factor bioquímico como la detención tiempo en cuidados intensivos para los pacientes sépticos

Resumen: Describir los principales cambios clínicos y bioquímicos del paciente séptico en el momento del ingreso en la unidad de cuidados intensivos y analizar se los criterios clínicos y bioquímicos están relacionados con el aumento del tiempo de hospitalización. Análisis cuantitativa, descriptiva, documental y retrospectiva, que componen una muestra de 176 registros elegibles. La hipotensión y taquicardia están relacionados con el nivel de conciencia cambia y taquipnea, y los cambios de leucocitos con trastornos respiratorios. Sobre la duración de la estancia PaO2/FiO2, la Presión venosa central (CVP) y el lactato se relacionan con una mayor duración de la estancia en unidades de cuidados intensivos. Los principales cambios clínicos presentados por la población de estudio fueron hipotensión, presión venosa central y taquicardia. Los principales marcadores encontrados, leucocitosis, el cambio de la PaO2/FiO2. Los principales factores que influyen en la duración del tiempo de hospitalización fueron: el cambio de la PaO2/FiO2, el cambio y la disminución de lactato de PVC.

Descriptores: Sepsis, Tiempo de Hospitalización, Unidad de Cuidados Intensivos.

Texto completo:

PDF

Referências

Boechat AL, Boechat NO. Sepse: diagnóstico e tratamento. Rev Bras Clin Med. 2010; 8(5):420-7.

ILAS - Instituto Latino Americano para Estudo da Sepse. 2010. Disponível em: . Acesso em 10 mai 2012.

Silva E. Sepse: um problema de todos. Rev Bras Ter Intensiva. 2011; 23(2):115-6.

Silva FP, Velasco IT. Sepse - nomenclatura e epidemiologia. 1ª ed. Barueri: Manole. 2007; 12-8.

Siqueira-Batista R, Gomes AP, Calixto-Lima L, Vitorino RR, Perez MCA, Mendonça EG, ET AL. Sepse: atualidades e perspectivas. Rev Bras Ter Intensiva. 2011; 23(2):207-16.

Heikin CS, Coelho JC, Paganella MC, Siqueira RM, Dias FS. Sepse: uma visão atual. Scentia Medica. 2009; 19(3):135-45.

Castro EO, Figueiredo MR, Bortolotto L, Zugaib M. Sepse e choque séptico na gestação: manejo clínico. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008; 30(12):631-8.

Koury JCA, Lacerda HR, Neto AJB. Fatores de risco associados à mortalidade em pacientes com sepse em unidade de terapia intensiva de hospital privado de Pernambuco. Rev Bras Ter Intensiva. 2007; 19(1):23-30.

Carvalho RH, Vieira JF, Filho PPG, Ribas RM. Sepse, sepse grave e choque séptico: aspectos clínicos, epidemiológicos e prognóstico em pacientes de unidade de terapia intensiva em um hospital universitário. Rev Soc Bras Med Tropical. 2010; 43(5):591-3.

Silva FP, Velasco IT. Sepse - manifestações clínicas: caracterização inicial da doença. 1ª ed. Barueri: Manole. 2007; 19-27.

Diament D, Salomão R, Rigatto O, Gomes B, Silva E, Carvalho NB, ET AL. Diretrizes para o tratamento da sepse grave/choque séptico - abordagem do agente infeccioso - diagnóstico. Rev Bras Ter Intensiva. 2011; 23(2):134-44.

Westphal GA, Feijó J, Andrade PS, Trindade L, Suchards C, Monteiro MAG, ET AL. Estratégia de detecção precoce e redução de mortalidade na sepse grave. Rev Bras Ter Intensiva. 2009; 21(2):113-23.

Barros AJS, Lehfeld NAS. Fundamentos da metodologia Científica, 3ª ed. São Paulo: Pearson Education Cidadã. 2007; 02-17.

Gil AC. Projetos de pesquisa, 3ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A. 1996; 45-62.

Marconi AM, Lakatos EM. Fundamentos de metodologia científica, 6ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A. 2009; 176-216.

Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: Métodos, avaliação e utilização. 5ª ed. Porto Alegre: Editora ARTMED. 2004.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN- 311/2007. Aprova a reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (COREN-SP). Principais legislações para o exercício da enfermagem. São Paulo. 2009; 44-77.


Visualizações do PDF:

27 views


Visualizações do Resumo:

144 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud