Incidência do sítio de infecção em casos de sepse em unidade de terapia intensiva: uma revisão integrativa

Caren Lidiane Orguim, Gisele Cristina Tertuliano

Resumo

Resumo: A sepse é definida como a resposta sistêmica do organismo relacionada a qualquer foco infeccioso e é uma das principais causas de mortes em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Brasil.  Identificar o sítio de infecção por sepse mais incidente em UTI.  Revisão integrativa da literatura, realizada em pesquisas nacionais em UTI no Brasil com pacientes sépticos, utilizando a base de dados BIREME. O sítio de infecção com maior prevalência em 100% das pesquisas foi o respiratório. A taxa de mortalidade média foi de 47,4%. O gênero masculino prevaleceu em 100% das pesquisas. A idade média de pacientes foi de 61,3 anos e a taxa de prevalência foi de 45,5%. O sítio mais incidente em casos de Sepse é o respiratório e há necessidade de mais pesquisas sobre sepse.

Descritores: Sepse, Unidade de Terapia Intensiva, Adulto, Fatores de Risco.

 

Incidence of the sepse infection site in an intensive therapy unit: an integrating review

Abstract: Sepsis is defined as a clinical syndrome that consisting of a systemic inflammatory response associated with a focus of infection and it’s one of the main causes of death in the  intensive care units in Brazil. Identify the main Sepsis site infection in the intensive care units. Integrative review of the literature, carried out in national studies in intensive care units in Brazil with septic patients, using the BIREME database. The site of infection with the highest prevalence in 100% of the research was respiratory one. The mean mortality rate was 47.4%. The male gender prevailed in 100% of the research. The average  of patients was 61.3 years and the prevalence rate was 45.5%. The most frequent site in sepsis cases is respiratory one  and there is a requirement for further research about sepsis.

Descriptors: Sepsis, Intensive Care Unit, Adult, Risk Factors.

 

La incidencia de la unidad de sepsis sitio infección en una terapia intensiva: una revisión de integración

Resumen: La sepsis se define como la respuesta sistémica del organismo relacionada con cualquier foco infeccioso y es una de las principales causas de muertes en las Unidades de Terapia Intensiva (UTI) en Brasil. Identificar el sitio de infección por sepsis más incidente en UTI. Revisión integrativa de la literatura, realizada en investigaciones nacionales en UTI en Brasil con pacientes sépticos, utilizando la base de datos BIREME. El sitio de infección con mayor prevalencia en el 100% de las investigaciones fue el respiratorio. La tasa de mortalidad media fue del 47,4%. El género masculino prevaleció en el 100% de las investigaciones. La edad media de los pacientes fue de 61,3 años y la tasa de prevalencia fue del 45,5%. El sitio más incidente en casos de Sepse es el respiratorio y hay necesidad de más investigaciones sobre sepsis.

Descriptores: Sepse, Unidad de Terapia Intensiva, Adulto, Factores de Riesgo.

Texto completo:

PDF

Referências

Instituto Latino Americano de Sepse. Sepse: Um problema de saúde pública. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2017.

Brasil. Agência nacional de vigilância sanitária. Boletim de Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde nº 14: Avaliação dos indicadores nacionais das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) e Resistência microbiana do ano de 2015. Brasília. 2016.

Ruiz GO, Castell CD. Epidemiologia das infecções graves nas unidades de terapia intensiva latino-americanas. Rev Bras Ter Intensiva. 2016; 28(3):261-263.

Barros LSB, Maia CSF, Monteiro MC. Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. Cad Saúde Coletiva. 2016; 24(4):388-396.

Peninck PP, Machado RC. Aplicação do Algoritmo da Sepse por Enfermeiros na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Rene. 2012; 1(13):187-199.

Yoshihara JC, Okamoto TY, Cardoso LTQ, Carrilho CMDM, Kauss IAM, Carvalho LM, et al. Análise descritiva dos pacientes com sepse grave ou choque séptico e fatores de risco para mortalidade. Semina: Ciênc Biol Saúde. 2011; 32(2):127-134.

Giacomini MG, Lopes MVCA, Gandolfi JV, Lobo SMA. Choque séptico: importante causa de morte hospitalar após alta da unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2015; 27:01-06.

Todeschini AB, Trevisol FS. Sepse associada ao cateter venoso central em pacientes adultos internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Clínic Médica. 2011; 5(9):334-337.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Plano Nacional para a Prevenção e o Controle da Resistência Microbiana nos Serviços de Saúde. Brasília. 2017.

Rhodes A, Evans LE, Alhazzani W, Levy MM, Antonelli M, Ferrer R, et al. Campanha Sobrevivendo à Sepse: Diretrizes internacionais para a gestão de sepse e choque séptico: 2016. Critical Care Medicine. 2017; 45(3):486-556.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Programa nacional de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (2016-2020). Brasília. 2016.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de prevenção de infecção relacionada à assistência à saúde. Brasília. 2017.

Instituto Latino Americano de Sepse. Dia mundial da Sepse. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018.

Garrido F, Tieppo L, Pereira MDS, Freitas R, Freitas WM, Filipini R, et al. Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. Abcs Health Sciences. 2016; 15-20.

Cooper HM. Integrating research: A guide for literature reviews. 2ª ed. Newbury Park. Sage. 1989.

Barreto MFC, Dellaroza MSG, Kerbauy G, Grion CMC. Sepse em um hospital universitário: estudo prospectivo para análise de custo da hospitalização de pacientes. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(2):302-308.


Visualizações do PDF:

32 views


Visualizações do Resumo:

107 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud