O enfermeiro no processo de doação e transplante de órgãos

Aline Sharlon Maciel Batista Ramos, Adriana Ribeiro Carneiro, Débora Luana Ribeiro Pessoa, Rafael Mondego Fontenele, Márcia Cristina Aguiar Mendes Machado, Simony Fabiola Lopes Nunes

Resumo

Resumo: O transplante é a opção final para as pessoas que sofrem de falência de órgão. No Brasil, a prática dos transplantes teve início no ano de 1965 na nefrologia. O objetivo do presente estudo foi refletir acerca da importância do enfermeiro na doação e captação de órgãos. Tratou-se de uma revisão integrativa da literatura baseada na publicação científica brasileira no período de 2007 a 2016 e indexada nas bases de dados SCIELO e LILACS, utilizando os descritores Obtenção de Tecidos e Órgãos, Profissionais de Enfermagem e Transplante. Concluiu-se que o profissional enfermeiro é um integrante indispensável da equipe, exercendo papel determinante no processo de doação, captação e transplante de órgãos, mas necessita de capacitação técnica específica para atuar neste contexto, pois o conhecimento adquirido na graduação não é suficiente para este tipo de exercício.

Descritores: Obtenção de Tecidos e Órgãos, Profissionais de Enfermagem, Transplante.

 

Nurses in the process of organ donation and transplantation

Abstract: Transplantation is the ultimate option for people suffering from organ failure. In Brazil, the practice of transplantation began in 1965 in nephrology area. The objective of the present study was to reflect the importance of the nurse in donation and organ harvesting. It was an integrative review from the literature based on the Brazilian scientific publication from 2007 to 2016 and indexed in the databases SCIELO and LILACS, using the descriptors Tissue and Organ Procurement, Nursing and Transplant Professionals. It was concluded that the nursing professional is an indispensable member of the team, playing a decisive role in the process of donation, capture and organ transplantation, but it needs specific technical training to act in this context, since the knowledge acquired in the graduation is not enough for this type of exercise.

Descriptors: Tissue and Organ Procurement, Nurse Practitioners, Transplantation.

 

El enfermero en el proceso de donación y trasplante de órganos

Resumen: El trasplante es la opción final para las personas que sufren de insuficiencia terminal de órgano. En Brasil, la práctica de los trasplantes se inició en el año 1965 en la nefrología. El objetivo del presente estudio fue reflexionar acerca de la importancia del enfermero en la donación y captación de órganos. Se trató de una revisión integrativa de la literatura basada en la publicación científica brasileña en el período de 2007 a 2016 e indexada en las bases de datos SCIELO y LILACS, utilizando los descriptores Obtención de Tejidos y Órganos, Profesionales de Enfermería y Trasplante. Se concluyó que el profesional enfermero es un integrante indispensable del equipo, ejerciendo un papel determinante en el proceso de donación, captación y trasplante de órganos, pero necesita de capacitación técnica específica para actuar en este contexto, pues el conocimiento adquirido en la graduación no es suficiente para este tipo de ejercicio.

Descriptores: Obtención de Tejidos y Órganos, Profesionales de Enfermería,  Trasplante.

Texto completo:

PDF

Referências

Cintra V, Sanna MC. Transformações na administração em enfermagem no suporte aos transplantes no Brasil. Brasília: Rev Bras Enferm. 2006; 58(1):78-81.

International Transplant Nurses Society (ITNS). Introduction to transplant nursing: core competencies. Pittsburg: International Transplant Nurses Society, ITNS. 2011.

João LF, Silveira DC. Os desafios enfrentados pela equipe de enfermagem da comissão intra-hospitalar de doação de órgãos e tecidos para transplantes-cihdott. Arq Catarinenses de Med. 2016; 44(4):82-86.

Mattia AL, Rocha AM, Filho JAF, Barbosa MH, Rodrigues MB, Oliveira MG. Análise das dificuldades no processo de doação de órgãos: uma revisão integrativa da literatura. São Paulo: Rev Bioethikos. 2010; 4(1):66-74.

Registro Brasileiro de Transplantes. Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Ano XXIV, n.1, São Paulo - SP. RBT - ABTO. 2018. Disponível em: . Acesso em 14 jun 2016.

Souza ATS, Freire VS, Silva AJS, Medeiros MCA, Vasconcelos FM, Ponte MAV. A Atuação do enfermeiro no processo de doação de órgãos: uma revisão integrativa. Rev Interdisciplinar. 2014; 7(3):138-148.

Mendes KDS, Roza BA, Barbosa SFF, Schirmer J, Galvão CM. Transplante de órgãos e tecidos: responsabilidades do enfermeiro. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2012; 21(4):945-53.

Santos MJ, Moraes EL, Massarollo MCKB. Comunicação de más notícias: dilemas éticos frente à situação de morte encefálica. São Paulo: Rev O Mundo da Saúde. 2012; 36(1):34-40.

Moraes EL, Neves FF, Santos MJ, Merighi MAB, Massarollo MCKB. Experiências e expectativas de enfermeiros no cuidado ao doador de órgãos e à sua família. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(esp2):129-135.

Rech TH, Filho EMR. Manuseio do potencial doador de múltiplos órgãos. Rev Bras Ter Intensiva. 2007; 19(2):197-204.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4):758-64.

Bispo CR, Lima JC, Oliveira MLC. Doação de órgãos: uma perspectiva de graduandos de enfermagem. Brasília: Rev Bioét. 2016; 24(2):386-94.

Cicolo EA, Roza BA, Schirmer J. Doação e transplante de órgãos: produção científica da enfermagem brasileira. Rev Bras Enferm. 2010; 63(2):274-278.

Guetti NR, Marques IR. Assistência de enfermagem ao potencial doador de órgãos em morte encefálica. Brasília: Rev Bras Enferm. 2008; 61(1):91-97.

Lemes MMDD, Bastos MAR. Os cuidados de manutenção dos potenciais doadores de órgãos: estudo etnográfico sobre a vivência da equipe de enfermagem. Rev Latino Am Enferm. 2007; 15(5).

Freire SG, Freire ILS, Pinto JTJM, Vasconcelos QLDAQ, Torres GV. Alterações fisiológicas da morte encefálica em potenciais doadores de órgãos e tecidos para transplantes. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012; 16(4):761-766.

Guimarães JB, Borges J, Barbosa NM, Batista MA, Passos XS. Conhecimento dos enfermeiros sobre condutas na prevenção, manutenção e no controle da temperatura de potenciais doadores de órgãos. J Health Sci Inst. 2012; 30(4):365-368.

Costa CR, Costa LP, Aguiar N. A enfermagem e o paciente em morte encefálica na UTI. Rev Bioét. 2016; 24(2):368-73.

Moraes EL, Massarollo MCKB. Recusa de doação de órgãos e tecidos para transplante relatados por familiares de potenciais doadores. São Paulo: Acta Paul Enferm. 2009; 22(2):131-135.

Cinque VM, Bianchi ERF. Estressores vivenciados pelos familiares no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(4):996-1002.

Moraes EL, Santos MJ, Merighi MAB, Massarollo MCKB. Vivência de enfermeiros no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Rev Latino Am Enferm. 2014; 22(2):226-33.

Santos MJ, Massarollo MCKB, Moraes EL. Entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. São Paulo: Acta Paul Enferm. 2012; 25(5):788-94.


Visualizações do PDF:

48 views


Visualizações do Resumo:

135 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud