Número de unidade terapia intensiva no Brasil entre 2009 a 2016

Leisson Domingues Pinheiro, Mauricia Macedo Ramalho, Athos Ricardo Moraes Bastos

Resumo

Este trabalho desperta uma análise de como vem se estruturando o sistema de saúde no Brasil e aplicação dos recursos na assistência de alta complexidade. O objetivo da pesquisa é realizar um levantamento dos estabelecimentos de saúde que prestam serviços em unidade de terapia intensiva ao sistema único de saúde. A metodologia empregada foi à busca na base de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e censo da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Foi obtido um total de 1057 estabelecimentos em 2009 no IBGE e 1961 estabelecimentos em 2016 no censo de AMIB, observando um aumento médio de 76% em sete anos o número de estabelecimento de saúde em todo território brasileiro. A região sudeste tem uma representatividade maior em relação a outras regiões. Apesar do aumento médio geral dos estabelecimentos há necessidade da manutenção da satisfação e segurança assistencial para os usuários do sistema único de saúde.

Descritores: Saúde Pública, População, Segurança do paciente.

 

Number of intensive care unit in Brazil between 2009 and 2016

Abstract: This work awakens an analysis of how the health system in Brazil has been structuring and the application of resources in high complexity care. The objective of the research is to carry out a survey of the health facilities that provide services in an intensive care unit to the single health system. The methodology used was the search in the database of the Brazilian Institute of Geography and Statistics and census of the Association of Brazilian Intensive Medicine. A total of 1057 establishments were obtained in 2009 in IBGE and 1961 establishments in 2016 in the AMIB census, observing an average increase of 76% in seven years the number of health facilities throughout Brazil. The southeastern region has a greater representativeness in relation to other regions. Despite the general average increase of the establishments, there is a need to maintain satisfaction and assurance of care for the users of the single health system.

Descriptors: Public Health, Population, Patient Safety.

 

Número de unidad de terapia intensiva en Brasil 2009 a 2016

Resumen: Este trabajo despierta un análisis de cómo se viene estructurando el sistema de salud en Brasil y aplicación de los recursos en la asistencia de alta complejidad. El objetivo de la investigación es realizar un levantamiento de los establecimientos de salud que prestan servicios en unidad de terapia intensiva al sistema único de salud. La metodología empleada fue a la búsqueda en la base de datos del Instituto Brasileño de Geografía y Estadística y censo de la Asociación de Medicina Intensiva Brasileña. Se obtuvo un total de 1057 establecimientos en 2009 en el IBGE y 1961 establecimientos en 2016 en el censo de AMIB, observando un aumento promedio del 76% en siete años el número de establecimiento de salud en todo el territorio brasileño. La región sudeste tiene una representatividad mayor en relación a otras regiones. A pesar del aumento promedio general de los establecimientos hay necesidad de mantener la satisfacción y seguridad asistencial para los usuarios del sistema único de salud.

Descriptores: Salud Pública, Población, Seguridad del Paciente.

Texto completo:

PDF

Referências

Goldwasser RS, Lobo MSC, Arruda EF, Angelo SA, Silva JRL, et al. Dificuldades de acesso e estimativas de leitos públicos para unidade de terapia intensiva no estado do Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública. 2016; 50-19.

Levin PD, Sprung CL. The process of intensive care triage. Intensive Care Med. 2001; 27(9):1441-5.

Sapata MPM, Soares AD, Souza RKT. Utilização de leitos hospitalares sob gestão pública em município de médio porte da região Sul do Brasil, 1998-2002. Epidemiologia e Serviço. 2006; 15(2):57-67.

Yazlle RJS, Simoões BJG. Estudo da assistência hospitalar pública e privada em bases populacionais, 1986-1996. Rev Saúde Pública. 1999; 1:44-54.

Santos IS, Santos MAB, Borges DCL. Mix público-privado no sistema de saúde brasileiro: realidade e futuro do SUS. Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030-prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: estrutura de financiamento e do gasto setorial. Rio de Janeiro. 2013; 4:73131.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de informações estado. Disponível em: . Acesso em 28 nov 2017.

Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Censo AMIB 2016. Disponível em: . Acesso em 25 nov 2017.

Noronha JC, Santos IS, Pereira TR. Relações entre o SUS e a saúde suplementar: problemas e alternativas para o futuro do sistema universal. Gestão pública e relação público-privado na saúde. 2010.

Secretaria do Estado da Fazenda - Tesouro Nacional. Transferência da União. Disponível em: . Acesso em 28 nov 2017.

Brasil. Lei 8.080, de 19 setembro de 1990. Lei orgânica da saúde. Diário Oficial da União 20 set 1990; 18055.

Góes BC. Administração pública sob princípio da eficiência. Rio de Janeiro. Monografia [Pós-graduação Direito] - Escola da Magistratura do Rio de Janeiro. 2010.


Visualizações do PDF:

28 views


Visualizações do Resumo:

57 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud