Métodos não farmacológicos durante trabalho de parto: percepção das mulheres

Bruna Lemos Silva, Débora Talitha Neri, Elisângela da Silva Ferreira, Joana Angélica Azevedo de Oliveira, Luana Rocha Pereira

Resumo

A pesquisa analisou a percepção das mulheres acerca da utilização dos métodos não farmacológicos para alívio da dor na fase ativa do trabalho de parto. Pesquisa descritiva, de caráter qualitativo, na qual a coleta de dados ocorreu em um Hospital Regional de Belém/PA, com 11 mulheres, durante o puerpério, por meio de questionários. Nos resultados, quatro eixos emergiram: “Caracterização das participantes da pesquisa”, “Conhecimento das mulheres sobre a existência e utilização dos métodos não farmacológicos para alivio da dor durante trabalho de parto”, “A utilização e a eficácia dos métodos não farmacológicos durante o trabalho de parto”, “O benefício dos métodos não farmacológicos e a intensidade da dor antes e após seu uso”. Evidenciou-se que a utilização destes métodos proporcionou sensação de bem-estar, transformando o momento do parto em uma experiência vivida positivamente, constatada pela redução do score da dor na Escala Analógica Visual referida pelas mulheres.

Descritores: Terapias Complementares, Manejo da Dor, Trabalho de parto.

 

Non-pharmacological methods for labor: women perception

Abstract: The research analyzed the perception of women about the use of non-pharmacological methods for pain relief in the active phase of labor. A qualitative descriptive study, in which the data collection took place in a Regional Hospital of Belém/PA, with 11 women, during the puerperium, through questionnaires. In the results, four axes emerged: “Characterization of the participants of the research”, “Knowledge of women about the existence and use of non-pharmacological methods for pain relief during labor”, “The use and efficacy of non-pharmacological methods during labor”, “The benefit of non-pharmacological methods and the intensity of pain before and after use”. It was evidenced that the use of these methods provided a sensation of well-being, transforming the moment of delivery into a lived experience positively, evidenced by the reduction of pain score in the Visual Analogue Scale mentioned by the women.

Descriptors: Complementary Therapies, Pain Management, Labor.

 

Métodos no farmacológicos durante el parto: percepción de las mujeres

Resumen: Se analizó la percepción de las mujeres sobre la utilización de los métodos no farmacológicos para el alivio del dolor en el parto. Una investigación cualitativa descriptiva en la que se realizó la recolección de datos en un Hospital Regional de Belém/PA, con 11 mujeres, durante el puerperio, por medio de cuestionarios. En los resultados, cuatro ejes surgieron: “Caracterización de las participantes de la investigación”, “Conocimiento de las mujeres sobre la existencia y utilización de los métodos no farmacológicos para aliviar el dolor del parto”, “uso y eficacia de métodos no farmacológicos durante el trabajo de parto”, “El beneficio de los métodos no farmacológicos y la intensidad del dolor antes y después de su uso”. Se evidenció que la utilización de estos métodos proporcionó sensación de bienestar, resultando en una experiencia vivida positivamente, reduciendo la puntuación del dolor en la Escala Analógica Visual referida por las mujeres.

Descriptores: Terapias Complementarias, Manejo del Dolor, Trabajo de Parto.

Texto completo:

PDF

Referências

Brenes AC. História da parturição no Brasil, Século XIX. Cad Saúde Pública. 1991; 7(2):135-149.

Progianti JM, Barreira IA. A obstetrícia, do saber feminino a medicalização: da época medieval ao século XX. Rev Enferm UERJ. 2001; 9(1):91-97.

Santos ML. Humanização da assistência ao parto e nascimento: um modelo teórico. Dissertação (Mestrado). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2002.

Davis-floyd R. The technocratic, humanistic and holistic paradigms of childbirth. International Journal of Gynecology & Obstetrics. 2001; 75(1):S5-S23.

Organização Mundial De Saúde (OMS). Assistência ao parto normal: um guia prático. Brasília. 1996.

Silva FMB, Oliveira SMJV. O efeito do banho de imersão na duração do trabalho de parto. Rev Esc Enferm USP. 2006; 40(1).

Nascimento NM, Progianti JM, Novoa RI, Oliveira TR, Vargens OMC. Tecnologias não invasivas de cuidado no parto realizadas por enfermeiras: a percepção de mulheres. Esc Ana Nery Rev Enferm. 2010; 14(3):456-461.

Hoodnett ED, Gates S, Hofmery GJ, Sakala C. Apoyo continuo para lasmujeres durante el parto. In: La Biblioteca Cochrane Plus. 2008; 2.

Drummond JP. Dor aguda: fisiopatologia clínica e terapêutica. São Paulo: Atheneu. 2000; 3:57-71.

Caregnato RCA, Mutti R. Pesquisa Qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Florianópolis: Rev Texto Contexto Enferm. 2006; 15(4):679-84.

Merighii MAB, Carvalho GM, Suletroni VP. O processo de parto e nascimento: visão das mulheres que possuem convênio saúde na perspectiva da fenomenologia social. Acta Paul Enferm. 2000; 20(4):434-40.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderneta da Gestante. Brasília: Ministério da Saúde. 2016.

Mamede FV, Almeida AM, Souza L, Mamede MV. A Dor durante o trabalho de parto: o efeito da deambulação. Rev Latino Am Enferm. 2007; 15(6).

Zwelling, E. Overcoming the challenges: maternal movement and positioning to facilitate labor progress. MCN Am J Matern Child Nurs. 2010, 35(2):72-80.

Silva LM, Oliveira SMJV, Silva FMB, Alvarenga MB. Uso da bola suíça no trabalho de parto. Acta Paul Enferm. 2011; 24(5):656-62.

Perez PG. Birth Balls: use of physical therapy balls in maternity care. Johnson: Cutting Edge Press, 2000.

Leeman L, Fontaine P, King V, Klein MC, Ratcliffe S. The nature and management of labor: Part I. Nonpharmacologic pain relief. Am Fam Physician. 2003; 68(6):1109-12.

Dedomenico D, Wood EC. Técnicas de massagem de Beard. 4 ed. São Paulo: Manole, 1998.

Tabarro CS, Campos LB, Galli NO, Novo NF, Pereira VM. Efeito da música no trabalho de parto e no recém-nascido. São Paulo: Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(2):445-52.

Oliveria ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC, Felipe GF, Galiza FT, Monteiro CL. O acompanhante no momento do trabalho de parto e parto: percepção de puérperas. Cogitare Enferm. 2011; 16(2).

Diniz CSG, D’Orsi E, Domingues RMSM, Torres JA, Dias MAB, Schneck CA, et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional nascer no Brasil. Rio de Janeiro: Cad Saúde Pública. 2014; 30: S140-S153.

Weissheimer AM. O manejo da dor em Obstetrícia. In: Oliveira DL, (Org). Enfermagem na gravidez, parto e puerpério: notas de aula. Porto Alegre: Editora da UFRGS. 2005; 341-55.


Visualizações do PDF:

52 views


Visualizações do Resumo:

99 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud