A prática do uso da anticoncepção de emergência em jovens universitárias de uma instituição privada de Campo Grande-MS

Jéssica Barbosa Ferreira, Amanda Pereira Vera da Costa, Aucely Côrrea Fernandes Chagas

Resumo

 

A anticoncepção de emergência (AE), também conhecida por “pílula do dia seguinte”, utiliza compostos hormonais concentrados e por curto período de tempo, nos dias seguintes da relação sexual. Com o objetivo de verificar o uso da anticoncepção de emergência em jovens universitárias e apurar a forma de acesso a pílula foi realizada uma pesquisa exploratória de abordagem quantitativa com jovens de cursos da saúde de 18 a 30 anos durante o período de março a abril de 2017 na Universidade Católica Dom Bosco de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. O estudo foi realizado com 270 mulheres, onde 60,37 % das jovens entrevistadas deixaram de usar preservativo masculino em alguma relação, e que grande parte 63,70 % nunca realizou o teste de HIV, apontando a preocupação quanto à descoberta da possibilidade de possuir uma IST mesmo sabendo que se relacionou sem proteção, a anticoncepção de emergência ficou entre os métodos contraceptivos menos utilizados pelas mulheres, sendo o preservativo masculino ainda o mais preferível.

Descritores: Anticoncepção, Anticoncepcionais Pós-Coito, Gravidez.


The practice of the use of emergency contraception in young university students of a private institution of Campo Grande-MS

Abstract: Emergency contraception, also known as the "morning-after pill," uses concentrated hormone compounds for a short period of time in the days following sexual intercourse. With the objective of verifying the use of emergency contraception in university students and verifying the form of access to the pill, an exploratory, quantitative approach was conducted with youngsters from health courses of 18 to 30 years during the period from March to April 2017. The study was verified in 270 women, where 60.37% of the young women interviewed stopped using a male condom in some relationship, and that a large proportion never performed the HIV test, leaving to be desired to be aware of the possibility of owning an STD even though it is unprotected, emergency contraception was among the contraceptive methods less used by women, and the male condom is still more preferable.

Descriptors: Contraception, Post-Coital Contraceptives, Gravidity.


La práctica del uso de la anticoncepción de emergencia en jóvenes universitarios de una institución privada de Campo Grande-MS

Resumen: La anticoncepción de emergencia (AE), también conocida como "píldora del día después", utiliza compuestos hormonales concentrados y por corto período de tiempo, en los días siguientes de la relación sexual. Con el objetivo de verificar el uso de la anticoncepción de emergencia en jóvenes universitarios y determinar la forma de acceso a la píldora se realizó una investigación exploratoria de abordaje cuantitativo con jóvenes de cursos de salud de 18 a 30 años durante el período de marzo a abril de 2017 En la Universidad Católica Don Bosco de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. El estudio fue realizado con 270 mujeres, donde el 60,37% de las jóvenes entrevistadas dejaron de usar preservativo masculino en alguna relación, y que gran parte el 63,70% nunca realizó el trabajo De la prueba de VIH, señalando la preocupación en cuanto a descubrir la posibilidad de poseer una ETS aun sabiendo que se relacionó sin protección, la anticoncepción de emergencia se quedó entre los métodos anticonceptivos menos utilizados por las mujeres, siendo el preservativo masculino aún el más preferible.

Descriptores: Anticoncepción, Anticonceptivos Post-Coito, Embarazo.

Texto completo:

PDF

Referências

World Health Organization. Married adolescents: no place of safety. Geneva: World Health Organization; 2006. (WHO Library Cataloguing-in-Publication Data). Disponível em: . Acesso em 12 mai 2017.

Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Anticoncepção de emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: . Acesso em 12 mai 2017.

Brasil. Anticoncepção de emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Série F. Comunicação e Educação em Saúde e direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos - Caderno 3). Disponível em: . Acesso em 14 mai 2017.

Figueiredo R, Bastos S. Contracepção de emergência: atualização, abordagem, adoção e impactos em estratégias de DST/AIDS. São Paulo: Instituto de Saúde; 2008. Disponível em: . Acesso em 19 mai 2017.

Figueiredo R. Uso de preservativos, risco e ocorrência de gravidez não planejada e conhecimento e acesso à contracepção de emergência entre mulheres com HIV/AIDS. Ciênc Saúde Colet. 2010; 15(suppl.1):1175-1183.

Díaz S, Hardy E, Alvarado G, Ezcurra E. Acceptability of emergency contraception in Brazil, Chile and México. 1 - Perceptions of emergency oral contraceptive. Cad Saúde Pública. 2003; 19(5):1507-1517.

Cheng L, Che Y, Gülmezoglu AM. Interventions for emergency contraception. Cochrane Database Syst Rer. 2012; 15(8).

Hardy E, Duarte GA, Osis JMD, Arce XE, Possan M. Anticoncepção e emergência no Brasil: facilitadores e barreiras. Cad de Saúde Pública. 2001; 17(4):1031-1035.

Silva FC, Vitalle MSS, Maranhão HS, Canuto MHA, Pires MMS, Fisberg M. Diferenças regionais de conhecimento, opinião e uso de contraceptivos de emergência entre universitários brasileiros de cursos da área de saúde. Cad Saúde Pública. 2010; 26(9):1821-1831.

Borges ALV, Fujimori E, Hoga LAK, Contin MV. Praticas contraceptivas entre jovens universitários: o uso da anticoncepção de emergência. Cad de Saúde Pública. 2010; 26(4):816-826.

Saito MI, Leal MM. Adolescência e contracepção de emergência: Fórum 2005. Rev Paulista de Pediatria 2007; 25(2):180-186. Disponível em: . Acesso em 18 mai 2017.

Pereira SM. Rompendo preconceitos sobre a utilização da anticoncepção de emergência para as adolescentes. Rev Adolescência & Saúde. 2010; 7(1):31-36.

Pirotta KCM, Schor N. Intenções reprodutivas e práticas de regulação da fecundidade entre universitários. Rev Saúde Pública. 2004; 38(4):495-502.

Cabral CS. Contracepção e gravidez na adolescência na perspectiva de jovens pais de uma comunidade favelada do Rio de Janeiro Cad Saúde Pública. 2003; 19(suppl.2):s283-s292.

Brandão ER. Desafios da contracepção juvenil: interseções entre gênero, sexualidade e saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14(4):1063-1071.

Vasconcelos SB, Galvão MTG. Opções contraceptivas entre mulheres vivendo com HIV/AIDS. Texto Contexto Enferm. 2004; 13(3):369-375.

Foucault M. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. 7ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Graal; 1994. Disponível em: . Acesso em 18 mai 2017.

Berquó E, Garcia S, Lima L. Reprodução na juventude: perfis sociodemográficos, comportamentais e reprodutivos na PNDS 2006. Rev Saúde Pública. 2012; 46(4):685-93.

Hugo TD, Maier VT, Jansen K, Rodrigues CE, Cruzeiro AL, et al. Fatores associados à idade da primeira relação sexual em jovens: estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2011; 27(11):2207-2214.

Madkour AS, Farhat T, Halpern CT, Godeau E, Gabhainn SN. Early Adolescent Sexual Initiation as a Problem Behavior: a comparative study of five nations. J Adolesc Health. 2010; 47(4):389-98.

Wellings K, Collumbien M, Slaymaker E, Singh S, Hodges Z, et al. Sexual behaviour in context: a global perspective. Lancet. 2006; 368(9548):1706-1728.

Shafii T, Stovel K, Holmes K. Association between condom use at sexual debut and subsequent sexual trajectories: a longitudinal study using biomarkers. Am J Public Health. 2007; 97(6):1090-1095.


Visualizações do PDF:

340 views


Visualizações do Resumo:

1098 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud