Avaliação da assistência de residentes em enfermagem obstétrica à parturiente

Autores

  • Aimée de Queiroz Carvalho aimee.queitoz@hotmail.com
  • Rizioleia Marina Pinheiro Pina rizioleia@ufam.edu.br
  • Orácio Carvalho Ribeiro Junior enforacio@hotmail.com
  • Larissa Rodrigues Braga de Almeida larissadealmeida.26@gmail.com
  • Diandra Sabrina Seixas Coutinho diandracoutinho@gmail.com
  • Semírames Cartonilho de Souza Ramos semiramesramosmoga@gmail.com

DOI:

10.24276/rrecien2023.13.41.335-343

Palavras-chave:

Parto Normal, Enfermagem Obstétrica, Competência Profissional

Resumo

Teve por objetivo avaliar se a assistência ao trabalho de parto e parto assistidos por residentes de enfermagem obstétrica estão condizentes com as recomendações científicas vigentes. Estudo descritivo, exploratório, documental com abordagem quantitativa, realizado com fichas de acompanhamento de parto assistidos por residentes de enfermagem obstétrica. Os resultados mostraram que 100% das parturientes assistidas utilizaram métodos não farmacológicos para alívio da dor. Os mais utilizados foram deambulação (77%), penumbra (65,5%), técnicas de respiração (64,5%), massagens e banho morno (58,5%) e ingestão hídrica (55%); 54% tiveram seus partos na posição semi-vertical, 98% tiveram acompanhante no trabalho de parto e parto e 4,47% foram submetidas episiotomia no parto. As práticas recomendadas estão sendo realizadas pelas residentes de enfermagem obstétrica. É perceptível a inserção dos residentes no serviço tem sido uma grande aliada na humanização do parto, porém fazem-se necessários novos estudos para um olhar mais profundo desta atuação.

Descritores: Parto Normal, Enfermagem Obstétrica, Competência Profissional.

 

Evaluation of the assistance of residents in obstetric nursing to the parturient

Abstract: The aim of this study was to evaluate whether the labor and delivery assistance provided by obstetric nursing residents is consistent with current scientific recommendations. This was a descriptive, exploratory, documentary study with a quantitative approach, carried out with monitoring records of labor assisted by obstetric nursing residents. The results showed that 100% of assisted parturients used non-pharmacological methods for pain relief. The most used were walking (77%), penumbra (65.5%), breathing techniques (64.5%), massage and warm bath (58.5%) and water intake (55%); 54% were delivered in the semi-vertical position, 98% had a companion during labor and delivery, and 4.47% underwent episiotomy at delivery. The recommended practices are being performed by the obstetric nursing residents. It is perceptible that the insertion of residents in the service has been a great ally in humanizing childbirth; however, new studies are necessary for a deeper look at this activity.

Descriptors: Childbirth, Obstetric Nursing, Professional Competence.

 

Evaluación de la asistencia de residentes de enfermería obstétrica a la parturienta

Resumen: El objetivo fue evaluar si la asistencia al parto asistido por residentes de enfermería obstétrica es consistente con las recomendaciones científicas actuales. Estudio descriptivo, exploratorio, documental, con abordaje cuantitativo, realizado con registros de seguimiento del parto asistidos por residentes de enfermería obstétrica. Los resultados mostraron que el 100% de las parturientas asistidas utilizaron métodos no farmacológicos para el alivio del dolor. Las más utilizadas fueron la deambulación (77%), la penumbra (65,5%), las técnicas respiratorias (64,5%), el masaje y el baño caliente (58,5%) y la ingesta de agua (55%); el 54% tuvo el parto en posición semivertical, el 98% tuvo acompañante en el parto y el 4,47% se sometió a episiotomía en el parto. Las prácticas recomendadas están siendo realizadas por residentes de enfermería obstétrica. Es perceptible que la inserción de residentes en el servicio ha sido un gran aliado en la humanización del parto; sin embargo, son necesarios nuevos estudios para profundizar en esta actuación.

Descriptores: Parto, Enfermería Obstétrica, Competencia Profesional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Leister N, Riesco MLG. Assistência ao parto: história oral de mulheres que deram à luz nas décadas de 1940 a 1980. Texto & Contexto Enferm. 2013; 22:166-74.

Busanello J, Kerber NPC, Fernandes GFM, Zacarias CC, Silva JCME. Humanização do parto e formação dos profissionais da saúde. Ciência Cuidado e Saúde. 2011; 10(1):169-175.

OMS. Cuidados no Parto Normal: Um Guia Prático. Geneva. Organização Mundial da Saúde. 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento - Cadernos Humaniza SUS. 2014; volume 4.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Comissão Nacional de incorporação de tecnologias do SUS. 2016.

Brasil. Decreto nº 94.406 de 8 de junho de 1987.

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União 9 junho 1987, Seção 1, Página 8853.

Brasil. Portaria no 163 de 22 de setembro de 1998. Regulamentar a realização do procedimento 35.080.01.9 – Parto Normal sem Distócia Realizado Por Enfermeiro Obstetra. Diário Oficial da União 24 setembro 1998, Seção 1, Página 24.

Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 516 de 23 de junho de 2016. Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos nos Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto e outros locais onde ocorra essa assistência; estabelece critérios para registro de títulos de Enfermeiro Obstetra e Obstetriz no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União 27 junho 2016, Seção 1, nº 121, páginas 92-3.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria conjunta nº 5, de 31 de outubro de 2012. Homologa o resultado do processo de seleção dos projetos que se candidataram ao Programa Nacional de Bolsas para Residência em Enfermagem Obstétrica (PRONAENF). Diário Oficial da União; 1 novembro 2012: Seção 1:63-4.

Silva A, Nogueira LDP. A importância das estratégias não-farmacológicas de alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão bibliográfica. Revista Hispeci & Lema On-line. 2014, 1(5):155-64.

Mamede FV, Mamede MV, Dotto LMG. Reflexões sobre deambulação e posição materna no trabalho de parto e parto. Escola Anna Nery Online. 2007; 11(2):331-36.

Souza ENS, Aguiar MGG, Silva BSM. Métodos não farmacológicos no alívio da dor: equipe de enfermagem na assistência a parturiente em trabalho de parto e parto. Enferm Rev. 2015; 18(2):42-56.

Apolinário D, Rabelo M, Wolff LDG, Souza SRRK, Leal GCG. Práticas na atenção ao parto e nascimento sob a perspectiva das puérperas. Rev Rede Enferm Nordeste. 2016, 17(1):20-8.

Santos AHL, Nicácio MC, Pereira ALF, Oliveira TCM, Progianti JM. Práticas de assistência ao parto normal: formação na modalidade de residência. Rev Enferm UFPE online. 2017; 11(1):1-9.

Osório SMB, Júnior LGS, Nicolau AIO. Avaliação da efetividade de métodos não farmacológicos no alívio da dor do parto. Rev Rede Enferm Nordeste. 2014; 15(1):174-84.

Santana LS, Gallo RBS, Ferreira CHJ, Quintana SM, Marcolin AC. Effect of shower bath on pain relief of parturients in active labor stage. Rev Dor. 2013, 14(2):111-113.

YI WEI C; Gualda, DMR; Junior, HPOS. Movimentação e dieta durante o trabalho de parto: a percepção de um grupo de puérperas. Texto & Contexto Enferm. 2011; 20(4):717-25.

Santos JMA, Cunha MWN, Mendes RB, Siilveira LSA, Cunha JO, Dantas DS. Posição da parturiente durante o parto vaginal: divergência entre a prática médica e da enfermagem. Rev Bras Pesquisa em Saúde. 2018; 19(4):58-64.

Brasil. Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher, Brasília. 2001.

Sousa AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Escola Anna Nery. 2016; 20(2):324-31.

Antunes JT, Pereira LB, Vieira MA, Lima CA. Presença paterna na sala de parto: expectativas, sentimentos e significados durante o nascimento. Rev Enferm UFSM. 2014, 4 (3): 536-545.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 11.108. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União 8 abril 2005.

Diniz CSG, d´Orsi E, Domingues RMSM, Torres JÁ, Dias MAB, Schenek CA, et. al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Caderno Saúde Pública. 2015; 30:S140-S153.

Costa ML, Pinheiro NM, Santos LFP, Costa SAA, Fernandes AMG. Episiotomia No Parto Normal: Incidência E Complicações. Rev Cultural e Científica do Unifacex. 2015; 13(1):173-87.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. 2017.

Miani C, Wandschneider L, Batram‐zantvoort S, Covi B; Elden H, Nedberg I H. et al. Individual and country‐level variables associated with the medicalization of birth: multilevel analyses of imagine euro data from 15 countries in the who european region. International Journal Of Gynecology & Obstetrics. 2022; 159(1):9-21.

Publicado

25-03-2023
Métricas
  • Visualizações 0
  • pdf downloads: 0

Como Citar

CARVALHO, A. de Q. .; PINA, R. M. P. .; RIBEIRO JUNIOR, O. C. .; ALMEIDA, L. R. B. de .; COUTINHO, D. S. S. .; RAMOS, S. C. de S. . Avaliação da assistência de residentes em enfermagem obstétrica à parturiente. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem, [S. l.], v. 13, n. 41, p. 335–343, 2023. DOI: 10.24276/rrecien2023.13.41.335-343. Disponível em: http://recien.com.br/index.php/Recien/article/view/744. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos